Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/5d8666680e8825321e82c050
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

SUBSTITUIÇÃO E PARCELA DE MERCADO NA INDÚSTRIA DE BORRACHAS

Marcos Joaquim Mattoso; Sergio Alberto Brandt; Alexandre Aad Neto; Flávio Guilhon de Castro; Maria José Teixeira Ribeiro.

Downloads: 1
Views: 562

Resumo

O consumo de borracha natural constitui parcela importante do consumo total na- cional de borrachas. O conhecimento do grau de substituição entre borrachas natu- ral e sintética é de interesse para o poder público, visto que os preços de ambas es- tão sujeitos a controle governamental. O objetivo deste estudo é o de estimar a elasticidade de substituição e de parcela de mercado para indústria nacional de artefatos de borracha. Os dados básicos são sé- ries temporais (1959-1973) e o método de estimar é o de mínimos quadrados ordinários. Os resultados obtidos indicam que o uso relativo de borracha natural é pouco sen- sível, no curto prazo, a variações em preços relativos de borrachas natural e sintéti- ca. Além disso, os resultados deste estudo indicam que, no futuro, maiores níveis de produção de pneumáticos tenderão a ser acompanhados de menor uso relativo de borracha vegetal.

Referências

1. ANÔNIMO. Ascensão, queda e os novos rumos da borracha natural. Ruralidade, Goiânia, (13): 10-5,abr.1973.

2. ANÔNIMO. Borracha Vegetal no Brasil - perspectiva e produção. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, 28(6) : 95-7, jun. 1974.

3. ANÔNIMO. Procura ultrapassa a oferta no mercado de borracha natural. Polímeros, Rio de Janeiro, 1(1): 81-3, jan/mar 1971.

4. BRASIL. SUDHEVEA. Anuário Estatístico - mercado nacional. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1968.

5. BRASIL. SUDHE VEA. Anuário estatístico - mercado nacional. Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, 1972.

6. BRASIL. SUDHEVEA. Anuário estatístico - mercado nacional. Rio de Janeiro, v. 7, n. 13, 1973.

7. BRASIL. SUDHEVEA. O mercado brasileiro de borracha. Rio de Janeiro, 1973. 94 p.

8. BRASIL. SUDHEVEA. Plano nacional da borracha; anexo Ili e modelos alternativos. Rio de Janeiro, 1971. 53 p.

9. BRASIL. FGV. Conjuntura Econômica Estatísticas básicas. 26 anos de economia brasileira. Rio de Janeiro, v. 27, n. 12, dez. 1973. (Suplemento estatístico).

10.JOHNSON, Paul R. Studies in the demand for U.S. exports of agricultura! commodities. Raleigh, North Carolina State University, 1971. 32 p. (Economics Research Report, 15).

11. LOYINS, R. M. A. & LU, W. F. A cross-section and time-series analysis of Canadian egg demand. Canadian of Agricultura! Economics. 23(3): 1-15, 1973.

12.MALINVAUD, E. Métodos estatísticos de la econometria. Barcelona, Ariel, 1967, Cap. 14, p, 496-503.

13. ME INKEN, K. W. Discussion: distributed lags and the measurement of supply and demand elasticities. Journal of Farm Economics, Menasha, 40 : 311-3, May 1958.

14.MEINKEN, K. W.; ROJKO, A. S.; KING, G. A. Measurement of substitution in demand from time series data - a synthesis of three aproaches. Journal of Farm Economics. Menasha, 38(3) : 11-35, Aug. 1956.

15.MORRISSETT, 1. Some recent uses of elasticity of substituion: a survey. Econometrica, Chicago, 21 : 41-62, Jan. 1953.

16.SIRHAN, C. A. & JOHNSON, P. R. A market-share approach to the foreign demand for U.S. cotton. American Journal of Agricultura! Economics, Menasha, 53(4) *593-9, Nov. 1971.

5d8666680e8825321e82c050 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections