Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/5da106ee0e88258735c1205b
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

DEMANDA EXTERNA DE CERA DE CARNAÚBA · UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA

SÁTIRO BORGES RANGEL; JOSÉ DE SOUSA NETO; MÁRIO AMIN

Downloads: 0
Views: 574

Resumo

O objetivo geral deste trabalho é identificar e analisar os fatores que afetam a demanda ex;terna da cera de carnaúba dos principais países importadores - Alemanha Ocidental, Estados Unidos, Espanha, Japão, Itália e Reino Unido. São utilizados os dados da SEEF/CIEF, CACEX, BACEN, FMi e ONU, para o período 1964-80. A 'metodologia apresenta duas etapas: a) estimação. dos modelos de demanda externa pela cera de carnaúba para os países importadores pelo método dos Mínimos Quadrados Ordinários e Iterativo; b) obtenção das elasticidade-preço e elasticidade-renda. Os resultados encontrados sugerem que a demanda externa pelo produto deverá experimentar, na pior das rupóteses, um crescimentomoderado em decorrência de futuros aumentos da renda per capita dos países importadores.

Palavras-chave

cera de carnaúba-Brasil, demanda externa, elasticidade de preço,elasticidade renda de demanda, ·países importadores

Referências

BANCO DO BRASIL. Carteira do Comércio Exterior. Brasília, DF. Comércio exterior do Brasil: exportação, anos 1971 /80. Rio de Janeiro, s.d.

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. A carnaúba e seu papel como uma planta econõmica. Fortaleza, 1972. 104p.

BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. Tendências recentes e perspectivas da cera de carnaúba. Fortaleza, 1970. 39p.

BOLETIM do Banco Central do Brasil. Brasília, 16:(12), dez., 1980.

CASADIO, E.S. Uma avaliação da política de preços mínimos para a cera de carnaúba. Brasília, DF. Comissão de Financiamento da Produção, 1980.

CEARA. Conselho Técnico de Economia (CETEC). Estudo da economia da carnaúba. Fortaleza, 1966, 82p.

FUNDO MONETARIO INTERNACIONAL. Internacional financial statistics: anuário. Washington, 1980.

HEl,.LER, H.R. Comércio internacional: teoria e ev_idência empírica. Sâ'o Paulo, Atlas, 1978.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Anuário estatístico do Brasil: 1957-64. Rio de Janeiro, s.d., v. 18-25.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATl~TICA. Anuário estatístico do Brasil: 1965-79. Rio de Janeiro, s.d., v. 26-40.

JOHNSTON, J. Métodos econométricos. São Paulo, Atlas, 1974.

KELEJIAN, H.H. Introdução à econometria: princípios e aplicações. Rio de Janeiro, Campus, 1978.

KMENTA, J. Elementos de econometria. Sâ'o Paulo, Atlas, 1978.

MELO, F.B.H. & RASCHKOSVSKY, A. Política comercial brasileira: o caso da mamona. A. Econ. Nord., Fortaleza, 9(1 ):7-35, jan./mar. 1978.

PHILIPS, L. Applied consumption analysis. Nova York, American Elsevier Publishing, 1974.

RANGEL, S.B. Anilise econométrica da demanda externa de cera de carnaCiba. Fortaleza, UFC, 1982. 76p. (Tese M.S.).

SERVIÇO DE ESTATl~TICA ECONÔMICA E FINANCEIRA. _Centro de Informações Econômico Fiscais. Comércio exterior do Brasil: exportação, 1950-1970. Rio de Janeiro, s.d.

UNITED NATIONS. Statistical Office. World trade annual, 1964-80. New York, s.d. v. 2.


Submetido em:
16/10/1985

Aceito em:
30/05/1986

5da106ee0e88258735c1205b resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections