Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1234-56781806-94790540405
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

Por uma Abordagem Relacional do Desenvolvimento Territorial Rural

Alair Ferreira de Freitas

Downloads: 0
Views: 80

Resumo

Resumo:: A institucionalização dos programas de desenvolvimento territorial rural foi acompanhada de uma intensa efervescência acadêmica sobre o tema. Contudo, uma das críticas mais difundidas a respeito da literatura produzida é que ela possui um caráter normativo, falta-lhe substância teórica sobre interação social e, assim, o território parece estar sendo reificado pelas políticas públicas. Este ensaio possui como objetivo construir um quadro analítico para compreender os processos sociopolíticos subjacentes à implementação das políticas de desenvolvimento territorial rural, organizando um instrumental conceitual que estruture uma abordagem relacional do desenvolvimento territorial. Considera-se que a abordagem aqui empreendida poderá dotar as análises empíricas de sentidos diferentes daqueles que já se expressavam em trabalhos anteriores sobre o mesmo objeto, alcançando dimensões ainda pouco exploradas nos estudos do desenvolvimento territorial, como a rede de organizações, sua historicidade, suas configurações e os elementos sociais e institucionais que condicionam as intervenções dos atores no território, orientando sua trajetória de desenvolvimento. Essa construção teórico-analítica leva à premissa de que “atores”, “redes” e “instituições” sintetizam os principais elementos constitutivos da dinâmica social dos territórios e, assim, elementos definidores da trajetória do desenvolvimento territorial rural.

Palavras-chave

Desenvolvimento territorial, Redes sociais, Território.

Referências

ABRAMOVAY, R. O capital social dos territórios: repensando o desenvolvimento rural. Economia Aplicada, v. 4, n. 2, p. 379-397, 2000.

ABRAMOVAY, R. Para uma teoria dos estudos territoriais. In: MANZANAL, M.; NEIMAN, G.; LATTUADA, M. (Eds.). Desarrollo rural: organizaciones, instituciones y territorios. Ediciones Ciccus: Buenos Aires, 2006. p. 51-70.

BALDI, M.; VIEIRA, M. M. F. Calçado do vale: imersão social e redes interorganizacionais. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. 16-27, 2006.

BARLEY, S. R.; TOLBERT, P. S. Institutionalization and structuration: studying the links between action and institution. Organization Studies, v. 18, n. 1, p. 93-117, 1997.

BERDEGUÉ, J. A.; BEBBINGTON, A; ESCOBAL, J. Conceptualizing Spatial Diversity in Latin American Rural Development: Structures, Institutions, and Coalitions. World Development, v. 73, p. 1-10, 2015.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 33. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

BOISER, S. Post-scriptum sobre desenvolvimento regional: modelos reais e modelos mentais. Planejamento e políticas públicas, n. 19, p. 307-343, jun. 1999.

BORGATTI, S. P.; FOSTER, P. C. The Network paradigm in organizational research: a review and typology. Journal of Management, v. 29 n. 6, p. 911-1013, 2003.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BURT, R. S. Structural Holes: the social structure of competition. Cambridge: Harvard University Press, 1992.

DIMAGGIO, P. J; POWELL, W. W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 74-89, 2005.

DOUGLAS, M. Como as instituições pensam. Trad.: Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Editora da USP, 1998.

EMIRBAYER, M. Manifesto for a Relational Sociology. American Journal of Sociology, v. 103, n. 2, p. 281-317, 1997.

EMIRBAYER, M.; GOODWIN, J. Network analysis, culture, and the problem of agency. American Journal of Sociology, v. 99, n. 6, p. 1411-1454, 1994.

FAVARETO, A. Paradigmas do Desenvolvimento Rural em Questão. São Paulo: Iglu-Fapesp, 2007.

FAVARETO, A. As políticas de desenvolvimento territorial rural no Brasil em perspectiva. Desenvolvimento em Debate, v. 1, n. 2, p. 47-63, 2010.

FAVARETO, A.; SCHRÖDER, M. Do território como “ator” ao território como “campo”: uma análise da introdução da abordagem territorial na política de desenvolvimento rural no Brasil. In: 45º CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 2007, Londrina. Anais... Londrina: Sober: 2007. p. 344-365.

FAVARETO, A. et al. Metamorfoses da dominação nos territórios rurais - qual a extensão das mudanças recentes nas regiões interioranas do Brasil contemporâneo? Estud. Soc. e Agric., v. 23, n. 2, p. 421-447, 2015.

FLIGSTEIN, N. Mercado enquanto política: uma abordagem político-cultural às instituições de mercado. In: MARQUES, R.; PEIXOTO, J. (Orgs.). A nova sociologia econômica. Oeiras, Portugal: Celta Editora, 2003, p. 195-227.

FLIGSTEIN, N. Habilidade social e a teoria dos campos. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 47. n. 2, p. 61-80, 2007.

FRIEDLAND, R; ALFORD, R. R. Introducendo de nuevo a la sociedad: símbolos, prácticas y contradiciones institucionales. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.) El nuevo institucionalismo em el análisis organizacional. Trad.: Roberto Ramón Reyes Mazzoni. México: Fondo de Cultura Económica, 1999, p. 294-329.

FUKUYAMA, F. Confiança: as virtudes sociais e a criação da prosperidade. Trad. Alberto Lopes. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

GRANOVETTER, M. Economic Institutions as Social Constructions: a Framework for Analysis. Acta Sociologica, v. 35, n. 1, p. 3-11, 1992a.

GRANOVETTER, M. Problems of explanation in economic sociology. In: NOHRIA, N.; ECCLES, R. G. (Eds.). Networks and Organizations: structure, Form, and Action. Boston: Harvard Business School Press, 1992b, p. 25-56.

GRANOVETTER, M. Acção econômica e estrutura social: o problema da incrustação. In: MARQUES, R.; PEIXOTO, J. (Orgs.). A nova sociologia económica. Portugal: Celta Editora, 2003, p. 69-123.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorializadade. Rio de Janeiro: Editora Bertrand, 2006.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, n. 58, p. 193-223, 2003.

JEPPERSON, R. L. Instituiciones, efectos institucionales e Institucionalismo. In: POWELL, W. W. ; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.). El nuevo institucionalismo en el análisis organizacional. Trad. Roberto Ramón Reyes Mazzoni., 1999, p. 193-236.

KIRSCHBAUM, C. Elementos para uma teoria institucional intra-organizacional. Perspec. Contemp, Edição Especial, p. 5-21, 2010.

LIN, N. Building a network theory of social capital. Connections, v. 1, n. 22, p. 28-51, 1999.

LONG, N. Sociología del desarrollo: uma perspectiva centrada en el actor. Trad. Horacia Farjado, Magdalena Villarreal e Pastora Rodríguez. México: Ciesas, 2007.

MARCH, J. G.; OLSEN, J. P. Neo institucionalismo: fatores organizacionais na vida política. Revista Sociologia Política, v. 16, n. 31, p. 121-142, 2008.

MARQUES, E. C. L. Redes e instituições na construção do estado e de sua permeabilidade. RBCS - Rev. Bras. de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, p. 45-67, 1999.

MARQUES, E. C. L. As redes sociais importam para a pobreza urbana? DADOS, v. 52, n. 2, p. 471-505, 2009.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Organizaciones institucionalizadas: la estructura formal como mito y ceremonia. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.). El nuevo institucionalismo en el análisis organizacional. Trad. Roberto Ramón Reyes Mazzoni. México: Fondo de Cultura Económica, 1999.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. 72-86, 2006.

MOYANO-ESTRADA, E. El concepto de capital social y su utilidad para el análisis de las dinámicas del desarrollo. Economia Ensaios, v. 13, n. 2, v. 14, n. 1, p. 6-17, 1999.

MURDOCH, J. Networks: a new paradigm of rural development? Journal of Rural Studies, v. 16, p. 407-419, 2000.

NAVARRO, Z. O desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estudos Avançados, v. 15, n. 43, p. 83-100, 2001.

NEE, V. ;INGRAM, P. Embeddedness and beyond: institutions, Exchange and social structure. In: BRINTON, M. C; NEE, V. (Eds.). The new institutionalism in Sociology. New York : Russel Sage Fundation, 1998.

ORTEGA, A. C. Territórios deprimidos: desafios para as políticas de desenvolvimento rural. Campinas: Editora Alínea, 2008.

PAES DE PAULA, A. P. Redes sociais e interorganizacionais: abordagem conceitual, agenda de pesquisa e estratégias metodológicas. In: III Congresso Latino-Americano de Ciência Política, Campinas. Democracia e Desigualdades. Campinas: UNICAMP/ALACIP, 2006.

PECQUEUR, B. O desenvolvimento territorial: uma nova abordagem dos processos de desenvolvimento para as economias do Sul. Raízes: Revista de Ciências Sociais, v. 24, n. 1 e 2, p. 10-22, jan./dez. 2005.

PETERS, B. G. El nuevo institucionalismo: teoría institucional em ciência política. Trad. Verónica Tirotta. Barcelona: Editora Gedisa, 2003.

POLANYI, K. A grande transformação: as origens de nossa época. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

PORTUGAL, S. Contributos para uma discussão do conceito de rede na teoria sociológica. Oficina do CES, nº. 271, 2007.

POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.). El nuevo institucionalismo en el análisis organizacional. Trad. Roberto Ramón Reyes Mazzoni. México: Fondo de Cultura Económica , 1999.

POWELL, W. W; DIMAGGIO, P. J.; DIMAGGIO, P. J. Introducción. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. (Orgs.). El nuevo institucionalismo en el análisis organizacional. Trad. Roberto Ramón Reyes Mazzoni. México: Fondo de Cultura Económica , 1999. p. 33-75.

PRZEWORSKI, A. A última instância: as instituições são a causa primordial do desenvolvimento econômico? Novos Estudos, n. 72, 2005.

PUTNAM, R. Comunidade e democracia: a experiência da Itália Moderna. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1996.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RAUD-MATTEDI, C. Análise crítica da sociologia econômica de Mark Granovetter: os limites de uma leitura do mercado em termos de redes e imbricação. Política & Sociedade, n. 6, p. 59-82, 2005.

RIBEIRO, G. L. Poder, redes e ideologia no campo do desenvolvimento. Novos Estudos, n. 80, março, 2008.

SCHMITT, C. J. Redes, atores e desenvolvimento rural: perspectivas na construção de uma abordagem relacional. Sociologias, v. 13, n. 27, p. 82-112, 2011.

SCHNEIDER, S. Território, Ruralidade e Desenvolvimento. In: VELÁSQUEZ LOZANO, F.; MEDINA, J. G. F. (Org.). Las Configuraciones de los Territorios Rurales en el Siglo XXI. Bogotá/Colombia: Editorial Pontifícia Universidad Javeriana, 2009, v. 1, p. 67-108.

SCOTT, W. R. The adolescence of institutional theory. Administrative Science Quarterly, v. 32, n. 4, p. 493-511, 1987.

SCOTT, W. R. Institutions and Organizations. London: Sage Publication, 1995.

STEINER, P. A sociologia econômica. São Paulo: Editora Atlas, 2006.

SWEDBERG, R. Sociologia econômica: hoje e amanhã. Tempo Social, v. 16, n. 2, p. 7-34, 2004.

SWEDBERG, R.; GRANOVETTER, M. Introduction. In: SWEDEBERG, R.; GRANOVETTER, M. (Eds.). The sociology of economic life. Oxford: Westview Press, 1992, p. 1-29.

WOOLCOCK, M. Social capital and economic development: toward a theoretical synthesis and policy framework. Theory and Society, v. 27, n. 2, p. 151-208, 1998.

WOOLCOCK, M.; NARAYAN, D. Social capital: implications for development theory, research, and policy. The World Bank Research Observer, v. 15, n. 2, p. 225-49, 2000.

ZUCKER, L. G. Institutional theory of organization. Annual Review of Sociology, v. 13, p. 443-464, 1987.
 

5ced9b4f0e8825164ba63c10 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections