Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1234-56781806-94790540409
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

A Influência do Preço dos Hortifrutícolas no IPCA: uma análise por meio da curva de Phillips

Aniela Fagundes Carrara; Geraldo Sant’Ana de Camargo Barros

Downloads: 0
Views: 80

Resumo

Resumo:: Os choques de oferta rotineiramente são relacionados ao comportamento da inflação. Seus efeitos têm sido, em geral, avaliados considerando variações nos preços das commodities (minérios, petróleo, produtos agropecuários estocáveis etc.). O objetivo deste trabalho é examinar a influência de um tipo de choque de oferta pouco estudado, mas que, como regra, recebe grande atenção do público: as mudanças nos preços dos hortifrutícolas (produtos perecíveis de ciclo relativamente curto). Esses preços frequentemente têm sido apontados como os responsáveis pelas acentuadas variações no IPCA. Com vistas a contemplar este objetivo, foi construída e estimada uma curva de Phillips, baseada nos modelos Novos-Keynesianos, e seguindo o arcabouço do modelo semiestrutural de pequeno porte utilizado pelo Banco Central do Brasil. O método de estimação empregado foi o de Autorregressão Vetorial com Correção de Erro (VEC) na sua versão estrutural. Os resultados evidenciam que os preços dos hortifrutícolas podem ter repercussão considerável na variação do IPCA e na variação das expectativas de inflação. Seus choques provocam efeitos que perduram por vários meses na trajetória destas duas variáveis.

Palavras-chave

Preços, IPCA, Choques de oferta, Hortifrutícolas.

Referências

AREOSA, W. D; MEDEIROS, M. Inflation dynamics in Brazil: The case of a small open economy. Brazilian Review of Econometrics,v. 27, n. 1, p. 131-166, 2007.

ARRUDA, E. F.; FERREIRA, R. T; CASTELAR, I. Modelos lineares e não lineares da curva de Phillips para previsão da taxa de inflação no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 65, n. 3. p. 237- 252. 2011.

BACCHI, M. R. P. Formação de preços no setor sucroalccoleiro da região centro-sul do Brasil: relação com o mercado de combustível fóssil. XXXIII Encontro Nacional de Economia. Natal, 6 a 9 de dezembro de 2005.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Relatório de Inflação, v. 3,n. 2, p. 1-178, Brasília, jun. 2001.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN Relatório de Inflação, v. 12, n. 3, p. 1-139, Brasília, set. 2010.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN Relatório de Inflação, v. 13, n. 1, p. 1-147, Brasília, mar. 2011.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Relatório de Inflação, v. 15, n. 1, p. 1-140, Brasília, mar. 2013.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Relatório de Inflação, v. 16, n. 2, p. 1-100, Brasília, jun. 2014.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Sistema gerenciador de séries temporais, 2015.

BANCO CENTRAL DO BRASIL - BACEN. Histórico de metas, 2016.

BANK FOR INTERNATIONAL SETTLEMENTS (BIS) Modelling aspects of the inflation process and the monetary transmission mechanism in emerging market countries. Monetary and Economic Departament - BIS papers, n. 8, p. 1-272, nov. 2001.

BLANCHARD, O. e GALI, J. Real Wage Rigidities and the New Keynesian Model. Journal of Money, Credit and Banking, n. 1, v. 39, p. 35-65. 2007.

BLINDER, A. S; RUDD, J. B. The supply-shock explanation of the great stagflation revisited. National Bureau of economic researchWorking Papers Series, n. 14563, p. 1-78, dez. 2008.

BOGDANSKI, J., TOMBINI, A. A. e WERLANG,S.R.C. Implementing inflation targenting in Brazil. Working paper series, n. 1, p. 1-29, jul. 2000.

BOGDANSKI, J.; TOMBINI, A. A; WERLANG,S.R.C. et al. Inflation targent in Brazil: shocks, backward-looking prices, and IMF conditionality. In Bank for International Settlements (BIS). Modelling aspects of the inflation process and the monetary transmission mechanism in emerging market countries. Monetary and Economic Departament, nov. 2001.

CARRARA, A. F. Choques de oferta e política monetária na economia brasileira: uma análise do impacto dos preços das commodities na inflação entre 2002 e 2014. 2016. 175 p. Tese de Doutorado (Economia Aplicada) - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Piracicaba, São Paulo, 2016.

CEPEA - Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA, 2015.

CINER, C. Commodity prices and inflation: Testing in the frequency domain. Research in International Business and Finance, v. 25, n. 3, p. 229-237, 2011.

DICKEY, D; FULLER, W. Likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica, Oxford, v. 49, n. 4, p. 1057-1072, 1981.

ELLIOT, G.; ROTHENBERG, T. J; STOCK, J. H. Efficient test for an autoregressive unit root. Econometrica, Oxford, v. 64, n. 4, p. 813-836, jul. 1996.

ENDERS, W. Applied Econometric time series, 2. ed, 2004.

GARCIA, M. G. P. Juros, commodities e preços administrados. Valor Econômico, Rio de Janeiro, 19 mar. 2004.

GOODFRIEND, M; KING. R. G. The New Neoclassical Synthesis and the Role of Monetary Policy. The Federal Reserve Bank of Richmond, Working Paper Series, 98-5, 1997.

HATANAKA, M. Time series based econometrics: unit roots and co-integrations. New York: Oxford University Press, 1996. 306p.

HODRICK, R; PRESCOTT, E. C. Postwar U.S. Business Cycles: An Empirical Investigation. Journal of Money, Credit, and Banking, v. 9, n. 1, p. 1-16, 1997.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia Estatística IBGE, 2014.

IBGE. Banco de Dados Agregados. Sistema IBGE de Recuperação automática-Sidra, 2015.

IPEADATA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEADATA, 2015.

JOHANSEN, S. Statistical analysis of cointegration vestors. Journal of Economic Dynamics and Control, v. 12, p. 231-254, North-Holland, 1988.

KWIATKOWSKI, D. et al. Testing the null hypothesis of stationary against the alternative of a unit root. Journal of Econometrics, North-Holland, v. 54, p. 159-178, 1992.

LIMA, E. J. A.; ARAUJO,F; SILVA, J. R. da C. Previsão e modelos macroeconômicos no Banco Central do Brasil. In: Banco Central do Brasil. Dez anos de metas para inflação 1999-2009. Brasília: Banco Central do Brasil, 2011, 456p.

MADDALA, G. S; KIM, I. M. Units Roots, Cointegration and Structural Change. Cambridge: MacGraw - Hill, 1998. 505 p.

MALLICK, S. K; SOUSA, R. M. Commodity prices, inflationary pressures, and monetary policy: evidence from BRICS economies. Open Economies Review, v. 24, n. 4, p. 677-694, set. 2013.

MAZALI, A. A; DIVINO, J. A. Real wage rigidity and the New Phillips curve: the Brazilian case. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 654, n. 3, p. 291-306, 2010.

MENDONÇA, M. J. C.; SACHSIDA, A; MEDRANO, L. A T. Inflação versus desemprego: novas evidências para o Brasil. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 16, n. 3, p. 475-500, 2012.

MODENESI, A. M; FERRARI FILHO, F. Choque de oferta, indexação e política monetária: breves considerações sobre a aceleração inflacionária recente. Economia & tecnologia, Curitiba, v. 7, n. 3, p.1-9, jul./set. 2011.

MOREIRA, R. R. Commodities prices index as a variable determining the consumer inflation rate and the monetary policy: recent evidences for the Brazilian economy through a VAR analysis. Economics and Finance Review, v. 2, n. 2, p. 01-09, abr. 2012.

MOREIRA, R. R. Commodities prices volatility, expected inflation and GPD levels: an application for a net-exporting economy. In: International Conference on Applied Economics (ICOAE) 2014.Grécia. Anais eletronicos… Grécia: ICOAE, 2014.

OLIVEIRA, L; FEIJÓ, F. T. Curva de Phillips com mudança de regime markoviano: Uma análise da economia brasileira para o período 1995-2014. XLIII Encontro Nacional de Economia, Florianópolis, 8 a 11 de dezembro de 2015.

ONO, G. S. Analise do impacto dos preços das commodities sobre a inflação no Brasil. 2014. 46 p. (Dissertação em Economia). Fundação Getúlio Vargas. Escola de Economia de São Paulo. São Paulo. 2014.

OSTERWALD-LENUM, M. A note with quantiles of the asymptotic distribution of the maximum likehood cointegration rank test statistics. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, v. 54, n. 3, p. 461-472, ago. 1992.

ROSEGREN, E. S. A look inside a key economic debate: how should monetary policy respond to price increases driven by supply shocks? Federal Reserve Bank of Boston, 2011.

SACHSIDA, A. Inflação, desemprego e choques cambiais: Uma revisão da literatura sobre a curva de Phillips no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 67, n. 4, p. 521-531, 2013.

SACHSIDA, A.; RIBEIRO, M; SANTOS, C. H. A curva de Phillips e a experiência brasileira. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Texto para discussão n. 1429, Brasília, out. 2009.

SCHETTINI, B. P.; GOUVEA, R. R; SACHSIDA, A. Inflação, desemprego e choques cambiais: estimativas VAR para a economia brasileira. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. Texto para discussão n. 1694, Rio de Janeiro, jan. 2012.

SCHWARTZMAN, F. F. Estimativa de curva de Phillips para o Brasil com preços desagregados. Economia Aplicada, v. 10, n. 1, p. 137-155, 2006.

SHAPIRO, M. D. Supply shocks in macroeconomics. National Bureau of economic researchWorking Papers Series, n. 2146, Cambridge, 1987.

THOMSON REUTERS THOMSON REUTERS. 2015. Disponível em: <http://thomsonreuters.com/en.html>.
 

5ced9d210e8825004ea63c0f resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections