Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1234-56781806-94790550103
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

Análise da Relação Entre Produção Agroecológica, Resiliência e Reprodução Social da Agricultura Familiar no Sertão do Araripe

Cecilia Tayse Muniz Teixeira; Maria Luiza Lins Silva Pires

Downloads: 0
Views: 422

Resumo

Resumo:: Este trabalho analisa os sistemas de produção de base agroecológica familiar frente à situação de estiagem prolongada, considerando a sua capacidade de promover resiliência como requisito essencial para a manutenção do sistema produtivo e para a reprodução social da agricultura familiar. A questão da segurança alimentar, tomando como referência a capacidade de armazenamento e de diversificação da produção nos sistemas agroecológicos, também constitui fonte de interesse dessa pesquisa. Para isso, estabeleceu-se, como referência empírica, a análise de dois sistemas agroflorestais, um quintal produtivo e um roçado agroecológico, situados no território do sertão do Araripe e assessorados pelo Caatinga. Os casos foram ilustrativos para a compreensão da importância da assessoria técnica em bases agroecológicas para amenizar os impactos da região semiárida sobre quem nela vive e trabalha. O armazenamento de água, sementes e forragens, a diversificação da produção, o acesso a uma dieta balanceada e a ampliação dos canais de comercialização vêm favorecendo a reprodução social da agricultura familiar dentro do que se discute como política de convivência com o semiárido. Esse debate ganha particular relevância num momento em que o semiárido nordestino vivencia a maior estiagem dos últimos 40 anos.

Palavras-chave

Agroecologia, assessoria técnica, resiliência e semiárido.

Referências

ANGELOTTI, F; SÁ, I. B; PETRERE, V. G. Mudanças climáticas e o Semiárido brasileiro: o papel da Embrapa Semiárido e suas áreas de pesquisa. Petrolina: Embrapa Semiárido, 26 p. 2009, (Série Documentos Online, 223).

ALMEIDA, E; PERTESEN, P; PEREIRA, F. J. Comparação entre custos de produção de milho comprova vantagem da agroecologia. 2010. Disponível em: <Disponível em: http://www.agroecologiaemrede.org.br/experiencias.php?experiencia=992 >. Acesso em: 10 set. 2014.

ALTIERI, M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

ALTIERI, M. A. Agroecologia: bases cientificas para uma agricultura sustentável. 3. ed. rev. ampl. São Paulo, Rio de Janeiro: Expressão popular, AS PTA, 2012.

ALTIERI, M; NICHOLLS, C. I. Mudanças climáticas e agricultura camponesa: impactos e respostas adaptativas. Revista agriculturas, v. 6, n. 1, abr. 2009.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 129, set./dez. 2006, p. 637-651.

APAC - Agência Pernambucana de Águas e Clima, 2014. Disponível em: <Disponível em: http://www.apac.pe.gov.br/meteorologia/estacoes-do-ano.php?estacao=verao >. Acesso em: 12 nov. 2013

ASA. Documento da Articulação Nacional do Semiárido brasileiro, Declaração sobre o atual momento da seca no semiárido, 2012. Disponível em: <Disponível em: http://www.moc.org.br/download/24-05-2012_Documento%20ASA%20OFICIAL.pdf >. Acesso em: 20 jan. 2014.

ASA. Animais e plantas da Caatinga também têm suas estratégias de convivência com o Semiárido, 2014. Disponível em: <Disponível em: http://www.asabrasil.org.br/Portal/Informacoes.asp?COD_NOTICIA=8375 >. Acesso em: 23 jul. 2014.

AS-PTA. Agricultura familiar e agroecologia, 2015. Disponível em: <Disponível em: http://www4.planalto.gov.br/consea/comunicacao/noticias/2015/campina-grande-pb-recebe-seminario-internacional >. Acesso em: 31 jan. 2015.

BAPTISTA, N. de Q; CAMPOS, C. H. A convivência com o Semiárido e suas potencialidades. In: CONTI, I. L; SCROEDER, E. O. (Orgs.). Convivência com o semiárido brasileiro. Autonomia e Protagonismo Social COOPERAÇÃO BRASIL - ESPANHA, Programa Cisternas - BRA 007-B, 2010 - 2014, Brasília: Editora IABS, 2013, p. 51-58.

BROOKFIELD, H. Exploring agrodiversity. New York: Columbia University Press, 2001.

CAATINGA. O informativo. A seca castiga, mas não seca a fé das famílias agricultoras, n. 15, p. 2, 10 maio. 2012. Disponível em: <Disponível em: http://www.caatinga.org.br/wp-content/uploads/2012/11/O-Caatinga15.pdf >. Acesso em: 10 fev. 2014.

CAPORAL. F. R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. Brasília, 2009. 30 p. Disponível em: <Disponível em: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/911596/1/LVAgreoecologia.umacienciaparaapoiar.pdf >. Acesso em: 30 jun, 2014.

CAPORAL F. R; COSTABEBER, J. A. Agroecologia: alguns conceitos e princípios. MDA/SAF/DATER-IICA, Brasília, 2004.

CARVALHO, P. P. A convivência com o semiárido como estratégia para o combate à desertificação: uma experiência no Sertão do Araripe. Agriculturas, v. 9, n. 3, dez. 2012.

FAVERO, C; LOVO, I. C; MENDONCA, E. S. Recuperação de área degradada com sistema agroflorestal no Vale do Rio Doce, Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v. 32, p. 861-868, 2008.

FIGUEIREDO, M. et al. (Orgs.). Estratégia agroecológica para o semiárido. In: GALDINO, W. C. M. (Org.). Vozes da convivência com o semiárido. Recife: Centro Sabiá, 2013.

GALDINO, W. C. M. Intervenção rural e autonomia: a experiência da articulação no semiárido/ASA em Pernambuco. Recife: Ed Universitária, 2008.

GALDINO, W. C. M. (Org.). Vozes da convivência com o semiárido. Recife: Centro Sabiá, 2013.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 2. ed. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2001. 653 p.

GLIESMAN, S. R; GLIESSMAN, S. R. Quantifyng the agroecological component of sustainable agriculture: a goal. In: GLIESSMAN, S. R. (Ed.). Agroecology: researching the ecological basis for sustainable agriculture. New York: Springer-Verlag, 1990.

GRISA, C; SCHNEIDER, S. “Plantar pro gasto”: a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. RER, Piracicaba, SP, v. 46, n. 02, p. 481-515, abr./jun. 2008.

MALVEZZI, R. O Semiárido: uma visão holística. Brasília: CONFEA, 2007.

MARZALL, K. Agrobiodiversidade e resiliência de agroecossistemas: bases para segurança ambiental. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2, n. 1, Guarapari, ES, 2 fev. 2007.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. Relatório do Workshop sobre Cenários Climáticos do Semiárido e Implicações para o Desenvolvimento do Nordeste. Fortaleza, 2010. Disponível em: <Disponível em: http://www.iicabr.iica.org.br/wp-content/uploads/2014/03/Mudan%C3%A7asClim%C3%A1ticas.pdf >. Acesso em: 10 jul. 2015.

MORAIS, C. M.; CARVALHO, P. P.; SOUZA, J. E. Respostas às mudanças climáticas percepção e reações frente às mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Revista Agriculturas, v. 6, n. 1, Rio de Janeiro, AS-PTA, 2009.

NIEDERLE, P. A; ALEMIDA, L; VEZZANI, F. M. (Orgs.). Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba, PR: Editora Eletrônica, 2013.

ONU. Fao no Brasil memória de cooperação técnica, 2012. Disponível em: <https://www.fao.org.br/download/LivroFAOBrasilMemoriaCooperacaoTecnica.pdf>. Acesso em: 10 jan. 2015.

PERTESEN, P. Muitas frutas, mas também muitos problemas. Revista Agriculturas: experiências em agroecologia, v. 6, n. 3, Rio de Janeiro, AS_PTA, out. 2009, p. 22-25.

PERTESEN, P. Agroecologia para convivência com o semiárido, 2012. Disponível em: <Disponível em: http://www.agroecologia.org.br/index.php/noticias/317-agroecologia-para-convivencia-com-o-semiarido >. Acesso em: 20 set. 2013.

PIETRAFESA, J. P. Agricultura familiar e reprodução social. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 3, n. 1 e 2, jan./dez. 2000, p. 185-216.

SALZAR, A. H. Proposta metodológica de medição de resiliência agroecológica em sistemas sócio-ecológicos: um estudo de caso nos Andes Colombiano. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos, 2012.

SASOPE. Seminário Internacional de construção de Resiliência em regiões semiáridas. 2015, Disponível em: <Disponível em: http://www.sasop.org.br/noticia.php?cod=131 >. Acesso em: 30 jan. 2015

SEVILLA, G; SOLER M. M. Agroecología y soberanía alimentaria: alternativas a la globalización agroalimentaria. Patrimonio cultural en la nueva ruralidad andaluza, PH cuadernos, p. 191-217, 2010.

SIDERSKY, P. R; JALFIM, F. T; ARAÚJO, E. R. A estratégia de assessoria técnica do Projeto Dom Helder Camara. 2. ed. Recife, PE: Projeto Dom Helder Camara, 2010.

SILIPRANDI, E. A reconstrução da extensão rural pública no Brasil: para que, para quem, como? Grupo de trabalho, IX Congresso ALASRU, 2005. Disponível em: <Disponível em: http://www.alasru.org/grupo-de-trabajo-15-quito >. Acesso em: 30 jan. 2015.

SILVA, R. M. A. Entre o combate à seca e a convivência com o semi-árido: políticas públicas e transição paradigmática. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável, Politica e Gestão Ambiental) - UnB. Brasília, maio de 2006. Disponível em: <Disponível em: http://www.bnb.gov.br/projwebren/exec/artigoRenPDF.aspx?cd_artigo_ren=1042. 20116 >. Acesso em: 12, nov. 2013

WANDERLEY, M. de N. B. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 21, Rio de Janeiro: out. 2003.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.
 

5ced9c2b0e88254d4da63c0f resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections