Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1234-56781806-94790550107
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

Movimentos Sociais Rurais no Brasil: o estado da arte

Edna Lopes Miranda; Ana Louise Carvalho Fiúza

Downloads: 0
Views: 643

Resumo

Resumo:: Os movimentos sociais rurais têm sido foco de vários estudos que apontam para o seu papel ativo na luta por direitos dos grupos excluídos dentro da sociedade brasileira. Através de ações coletivas, agem como resistência à exclusão e provocam novas dinâmicas sociais no campo. Partindo da concepção teórica de novos movimentos sociais apresentada por Alain Touraine, este artigo se propôs a mapear e a discutir o estado da arte referente a teses e dissertações sobre movimentos sociais rurais. Adotamos os períodos compreendidos entre 2002 a 2014 para o mapeamento das teses e dissertações e 1980 a 2015 para as análises das temáticas relativas aos movimentos sociais rurais. Utilizou-se, para a realização das análises, o software Alceste (Análise Lexical por Contexto de um Conjunto de Segmentos de Texto). Os resultados mostraram que o período posterior a 2003 marcou a passagem do viés combativo para a rotinização dos movimentos sociais, tendo as contestações sociais se deslocado do mundo do trabalho para a vida cotidiana, com uma pluralidade de demandas materiais e simbólicas que giraram em torno do reconhecimento de identidades e do modo de vida camponês, evidenciando-se a politização dos costumes e práticas relativos ao modo de vida tradicional.

Palavras-chave

Movimentos sociais, estado da arte, rural.

Referências

BERGAMASCO, S. M. P; NORDER, L. A. C. A alternativa dos assentamentos rurais: organização social, trabalho e política. São Paulo: Terceira Margem, 2003.

BIANCHA, C. A. et al. O estado da arte da pesquisa sobre o fracasso escolar (1991-2002): um estudo introdutório. Educação e Pesquisa, n. 1, p. 51-72, 2004.

BORSATTO, R. S; CARMO, M. S. do. A construção do discurso agroecológico no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Rev. Econ. Sociol. Rural, Brasília, v. 51, n. 4, p. 645-660, dez. 2013.

BORTOLOZZI, A criminalização dos movimentos sociais como obstáculo à consolidação dos direitos fundamentais. Curitiba: UFPR, 2008.

CALDART, R. S. Movimento dos Sem Terras: reflexões sobre a Pedagogia da Terra. Revista de Educação, CEAP, Salvador/Bahia, ano 12, p. 21-35, set. /nov. 2004.

CANCLINI, N. G. Diferentes, desiguais e desconectados. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2005.

CASTRO, E. G. Juventud, generación, y prácticas políticas: procesos de construcción de la categoría juventud rural como actor político. Revista Argentina de Sociología, v. 11, p. 50-65, 2008.

COHEN, J. L.; ARATO, A. Los movimentos sociales y la sociedad civil. In: Sociedad civil y teoria politica. México: Fondo de Cultura Economica, 2000, p. 556-635.

COMERFORD, J. Fazendo a luta: sociabilidade, falas e rituais na construção de organizações camponesas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

COMPARATO, B. K. A ação política do MST. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 105-118, out./dez. 2001.

DEERE, C. D. Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira. Revista Estudos Feministas, CFH/CCE Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), v. 12, n. 1, p. 175-204, 2004.

FERNANDES, B. M. Movimentos socioterritoriais e movimentos socioespaciais: contribuição teórica para uma leitura geográfica dos movimentos sociais. Revista NERA, ano 8, n. 6, p. 59-74, 2005.

FERREIRA, N. S de A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Revista Educação e Sociedade, Campinas, CEDES, n. 79, p. 257-272, 2002.

GOHN, M. G. Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 20-31, maio/ago. 2004.

GONÇALVES, C. W. P. Geografias: movimientos sociales, nuevas territorialidades y sustentabilidad. México: Siglo Veintiuno, 2001.

GRZYBOWSKI, C. A Comissão Pastoral da Terra e os colonos do sul do Brasil. In: PAIVA, V. (Org.) Igreja e questão agrária. São Paulo: Loyola, 1994, p. 248-276.

IBARRA, P; GOMÀN, R; GONZALEZ, R; MARTÍ, S. Movimientos sociales, políticas públicas y democracia radical: algunas cuestiones introductorias. In: IBARRA, P; MARTÍ, S; GOMÀN, S. (Coords.). Creadores de la democracia radical: movimientos sociales y redes de políticas públicas. Barcelona: Icaria Editorial, 2002, p. 9-22.

MARTINS, J. S. Os camponeses e a política no Brasil: as lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petrópolis: Vozes, 1981.

MARTINS, J. S. Caminhada no chão da noite: emancipação política e libertação nos movimentos sociais do campo. São Paulo: HUCITEC, 1989.

MEDEIROS, L. S. “Sem terra”, “assentados”, “agricultores familiares”: considerações sobre os conflitos sociais e as formas de organização dos trabalhadores rurais brasileiros. In: ¿Una nueva ruralidad en América Latina? Buenos Aires: CLACSO, 2001.

MELUCCI, A. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes , 2001.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 4. ed. São Paulo: HUCITEC, 1996.

MORAES SILVA, M. A de. A luta pela terra: experiência e memória. São Paulo: UNESP, 2004.

NAVARRO, Z. Democracia, cidadania e representação: os movimentos sociais rurais no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil (1978-1990). In: NAVARRO, Z. (Org.). Política, protesto e cidadania no campo. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 1996, p. 62-105.

PAOLI, M. C; TELLES, V. S. Direitos sociais: conflitos e negociações no Brasil contemporâneo. In: ALVAREZ, S; DAGNINO, E; ESCOBAR, A. Cultura e política nos movimentos sociais latino-americanos: novas leituras. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000, p. 103-148.

PICOLOTTO, E. L. Processos de diferenciação dos movimentos sociais do campo no Sul do Brasil: identidade, articulação política e projeto. Raízes, Revista de Ciências Sociais e Econômicas, Campina Grande, v. 26, n. 1 e 2, p. 46-58, 2007.

REINERT, M. Alceste, une méthodologie d’analyse des données textuelles et une application. In: DE NERVAL, A. de G. Bull Methodol Sociol, v. 26, p. 24-54, 1990.

RICCI, R. A trajetória dos movimentos sociais no campo: história, teoria social e práticas de governos. Revista Espaço Acadêmico, Maringá/PR, ano V, n. 54, p. 1-5, nov. 2005.

SANTOS, J. V. T; TEIXEIRA, A. N; BECKER, F. T. G. Conflitualidade e violência nos espaços agrários do Brasil contemporâneo. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 57-58, p. 147-168, jul./nov. 2000.

SCHERER-WARREN, I. Redes de movimentos sociais. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

SCHERER-WARREN, I. Para uma metodologia de pesquisa dos movimentos sociais e educação no campo. In: MOLINA, M. M. (Org.). Educação do campo e pesquisa, questões para reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006, p. 117-132.

SIGAUD, L. Lonas e bandeiras em terras pernambucanas. Rio de Janeiro: UFRJ, 2002.

TOURAINE, A. Poderemos viver juntos? Iguais e diferentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

TOURAINE, A. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.
 

5ced9db00e88259050a63c10 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections