Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1234-56781806-94790550409
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

A Independência da Escolha dos Canais de Marketing nas Rendas dos Produtores Orgânicos Americanos2

Andréa Rossi Scalco; Roberta Souza; Willerson Lucas Campos-Silva; Gregory Baker

Downloads: 0
Views: 470

Resumo

Resumo:: Uma das atividades relacionadas às estratégias de captura valor na atividade produtiva de orgânico refere-se à escolha dos canais adequados de distribuição dos produtos. A literatura aponta a importância de analisar os ganhos dos pequenos produtores com respeito aos canais de distribuição de produtos orgânicos. A literatura indica que a comercialização em canais diretos pode fazer com que pequenos produtores possam capturar maior valor e, consequentemente, incrementar sua renda. Foi realizada uma pesquisa empírica no estado da Califórnia, nos Estados Unidos da América, por meio de um survey com 60 produtores de orgânicos, a fim de identificar se os canais de distribuição diretos são prioritariamente utilizados por pequenos produtores. Os resultados indicam que a escolha dos canais de distribuição, venda direta ou indireta, além do tipo de canal dentro dessa categorização, não está diretamente relacionado apenas à renda que o produtor pode obter. Há indicações de que a escolha do canal adequado esteja mais relacionada às motivações do produtor rural, em relação à qualidade de vida e perspectivas de crescimento do seu negócio, além da opção pela diversificação dos canais para diminuir os riscos envolvidos na comercialização de seus produtos.

Palavras-chave

canais de distribuição, valor, orgânico

Referências

ALCANTARA, R. L. C; e SOUZA, A. P. O. Alternativas de mercado para a agricultura: a realidade dos produtos hortícolas orgânicos no Brasil. In: BATALHA, M. O. (Org.). Gestão do agronegócio: textos selecionados. São Carlos: EDUFSCAR, 2005, v. 1, p. 261-306.

ARAÚJO, M. J. Fundamentos de agronegócio. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

ATĂNĂSOAIE, G. Distribution channels on the organic foods market. Journal of Horticulture. Forestry and Biotechnology, v. 15, n. 3, p. 19-25, 2011.

BAKUDILA, A. The consumer as “co-producer”. In: GIARÈ, F.; GIUCA, S. (Eds.). Farmers and short chain: legal profles and socio-economic dynamics. Roma: INEA, 2013. p. 121-127.

BEAMAN, J. A; e JOHNSON, A. J. A guide for new manufactures - Grocery retailers in the northwest, 2006. Disponível em: <http://ir.library.oregonstate.edu/xmlui/bitstream/handle/1957/20442/em8924.pdf>.

BLUM, R. Agricultura familiar: estudo preliminar da definição, classificação e problemática. In: TEDESCO, J. C. (Org.). Agricultura familiar realidades e perspectivas. 3. ed. Passo Fundo: UPF, 2001. p. 57-104.

BRITTO, J. N. de P. Características estruturais e modus-operandi das redes de firmas em condições de diversidade tecnológica. Tese (Doutorado) - UFRJ. Rio de Janeiro, 2009.

BROWN, C; e MILLER, S. The impacts of local markets: A review of research on farmers markets and community supported agriculture. American Journal of Agriculture Economics, v. 90, p. 1296-1302, 2008.

BRUNORI, G; e MARESCOTTI, A. Looking for alternatives: the construction of the organic beef chain in Mugello, Tuscany. Int. J. Agricultural Resources, Governance and Ecology, v. 7, n. 1/2, 2008.

CADILHON, J. J. Grower direct marketing systems. Stewart Postharvest Review, v. 3, n. 3, p. 1-7, 2007. Disponível em: <http://www.stewartpostharvest.com/vol3_2007/June_2007/Cadilhon.htm>.

ELDER, S. D; LISTER, J; e DAUVERGNE, P. Big retail and sustainable coffee: a new development studies research agenda. Progress in Development Studies, v. 14, p. 77-90, 2014.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

FONSECA, A; e GABRIEL, C. F. Análise da influência da tarifação em seis indicadores operacionais e de qualidade dos serviços de abastecimento de água no Brasil. Eng. Sanit. Ambient, v. 20, n. 2, p. 219-224, 2015.

GONZÁLEZ, A. A; e NIGH, R. Smallholder participation and certification of organic farm products in Mexico. Journal of Rural Studies, v. 21, n. 4, p. 449-460, out. 2005. Disponível em: <Disponível em: http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0743016705000690 >. Acesso em: 4 nov. 2014.

HART, A. Mann-Whitney test is not just a test of medians: differences in spread can be important. BMJ: British Medical Journal, v. 323, n. 7309, p. 391, 2001.

HSU, J. S.-C; e CHEN, E. T. Managers’ Perceived Benefits of Using Electronic Procurement in Taiwan. Communications of the IIMA, v. 4, n. 2, p. 3, 2015.

PHILLIPS, J. C; e PETERSON, H. C. Strategic marketing decisions for organic agricultural producers. International Food and Agribusiness Management Review, v. 10, n. 1, p. 100-114, 2007.

VORLEY, B. Corporate concentration from farm to consumer UK Food Group. London: UKFG, 2003. Disponível em: <http://www.ukfg.org.uk/docs/UKFG-Foodinc-Nov03.pdf>.

VORLEY, B; e FOX, T. Global Food Chains: Constraints and Opportunities for Smallholders Final Version. Helsinki: OECD, 2004.

WANG, H;MOUSTIER, P; e LOC, N. T. T. Economic impact of direct marketing and contracts: the case of safe vegetable chains in northern Vietnam. Food Policy, v. 47, p. 13-23, ago. 2014.
 

5cee8b790e8825cc47a63c10 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections