Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2019.169354
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

Diferenças regionais de tecnologia na agricultura familiar no Brasil

Regional differences of technology in family farming in Brazil

Paulo Marcelo de Souza; Armando Fornazier; Hadma Milaneze de Souza; Niraldo José Ponciano

Downloads: 4
Views: 330

Resumo

Resumo: O objetivo da pesquisa foi obter uma medida da intensidade de utilização das principais tecnologias pela agricultura familiar brasileira. Para tanto, foram inicialmente obtidos 59 indicadores de uso de diversas tecnologias, para cada mesorregião geográfica. Mediante análise fatorial, esses indicadores foram sintetizados em quatro fatores, cujos valores serviram de base para o cálculo de um índice de utilização de tecnologia. Constatou-se, a partir desses índices, que há grandes diferenças regionais quanto ao uso de tecnologia na agricultura familiar. Foi constatado que os maiores índices de utilização de tecnologia concentram-se no Sul do País, mas também no Sudeste, particularmente no estado de São Paulo. Com exceção do Distrito Federal, na região Centro-Oeste predominam situações de índices médios, enquanto no Norte e Nordeste, em geral, prevalecem índices baixos ou muito baixos.

Palavras-chave

agricultura familiar, tecnologia, análise fatorial, desigualdade

Abstract

Abstract: The objective of this research was to obtain, for the Brazilian family farming, a measure of the use of the main technologies. Initially, for each meso-region, 59 indicators of the use of various technologies were obtained. Through factor analysis, these indicators were synthesized in four factors, whose values were the basis for the estimative of an index of technology use. It was observed, from these indexes, large regional differences regarding the use of technology in family farming. It was found that the highest levels of technology use are concentrated in the South, but also in the Southeast of Brazil, especially in São Paulo state. In the Central-West, except for the Federal District, average levels prevail. However, in the North and Northeast, in most cases, low or very low levels of technology are predominant.

Keywords

family farming, technology, factor analysis, inequality

Referências

Alves, E., & Souza, G. S. (2015). Pequenos estabelecimentos também enriquecem? Pedras e tropeços. Revista de Política Agrícola, 24(3), 7-21.

Alves, E., Souza, G. S., & Rocha, D. P. (2012). Lucratividade da agricultura. Revista de Política Agrícola, 21(2), 45-63.

Barros, G. S. C. (2010). Política agrícola no Brasil: subsídios e investimentos. In J. G. Gasques, J. E. R. Vieira Filho & Z. Navarro (Orgs.), A agricultura brasileira: desempenho, desafios e perspectivas (pp. 237-258). Brasília: IPEA.

Buainain, A. M., Souza Filho, H. M., & Silveira, J. M. (2002). Inovação tecnológica na agricultura e a agricultura familiar. In D. M. A. Lima &J. Wilkinson. Inovação nas tradições da agricultura familiar (pp. 47-81). Brasília: Paralelo 15.

Cassales, F. L. G., Quirino, T. R., & Sousa, C. P. (2002). Diagnóstico sociotécnico da agropecuária brasileira II: estabelecimentos (43 p.). Brasília: Embrapa Informação Tecnológica.

Conterato, M. A., Schneider, S., Fernandes, L. L., & Libardoni, P. J. (2014). O consumo intermediário na agricultura: uma comparação entre agricultura familiar e não familiar no Brasil e nas regiões Sul e Nordeste. Revista Econômica do Nordeste, 45, 63-81.

Costa, T. C. C., Ramos, D. P., Pereira, N. R., Bueno, M. C. D., Baca, J. M., Fidalgo, E. C. C., Meirelles, M. S. P., Oliveira, R. P. O., & Accioly, L. J. O. (2005). Suporte a decisão para qualidade de terras para a agricultura familiar. In Anais do 7º Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos: INPE, p. 73-82.

Dias, G. L. S. (2010). A dificuldade de mudar: o caso da política agrícola no Brasil. In J. G. Gasques, J. E. R. Vieira Filho & Z. Navarro (Org.), A agricultura brasileira: desempenho, desafios e perspectivas (pp. 259-274). Brasília: IPEA.

Espírito Santo, E. N. (1998). Agricultura no estado de Santa Catarina, período 1920-1985. Estudos Econômicos, São Paulo, 28(3), 453-473.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Júnior, J. A. (2010). Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opinião Pública, Campinas, 16(1), 160-185.

Fornazier, A., & Vieira Filho, J. E. R. (2012). Heterogeneidade estrutural no setor agropecuário brasileiro: evidências a partir do censo agropecuário de 2006 (30 p.). Rio de Janeiro: IPEA.

Graziano da Silva, J. (1999). A modernização conservadora dos anos 70. In J. Graziano da Silva, Tecnologia e agricultura familiar (pp. 87-135). Porto Alegre: Universidade/UFRS.

Graziano da Silva, J., Kageyama, A. A., Romão, D. A., Wagner Neto, J. A., & Pinto, L. C. G. (1983). Tecnologia e campesinato: o caso brasileiro. Revista de Economia Política, 3(4), 21-55.

Guanziroli, C. E., & Cardim, S. E. C. S. (2000). Novo retrato da agricultura familiar: o Brasil redescoberto (76 p.). Brasília: INCRA/FAO/MDA.

Guanziroli, C. E., Buainain, A. M., & Di Sabbato, A. (2012). Dez anos de evolução da agricultura familiar no Brasil: 1996 e 2006. Revista de Economia e Sociologia Rural, 50(2), 351-37.

Guanziroli, C. E., Romeiro, A., Buainain, A. M., Di Sabbato, A., & Bittencourt, G. (2001). Agricultura familiar e reforma agrária no século XXI (288 p.). Rio de janeiro: Garamond.

Hair Junior, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6. ed., 688 p.). Porto Alegre, Bookman.

Harman, H. H. (1960). Modern factor analysis (474 p.). Chicago: University of Chicago Press.

Hayami, Y., & Ruttan, V. W. (1988). Desenvolvimento agrícola: teoria e experiências internacionais (583 p.). Brasília: EMBRAPA-DPU.

Helfand, S. M., Moreira, A. R. B., & Bresnyan Junior, E. W. (2014). Agricultura familiar, produtividade e pobreza no Brasil: evidências do censo agropecuário 2006. In S. Schneider, B. Ferreira, F. Alves (Orgs.), Aspectos multidimensionais da agricultura brasileira: diferentes visões do censo agropecuário 2006 (pp. 279-311). Brasília: Ipea.

Hoffmann, R. (1992). A dinâmica da modernização da agricultura em 157 microrregiões homogêneas do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 30(4), 271-290.

Hoffmann, R., & Kassouf, A. L. (1989). Modernização e desigualdade na agricultura brasileira. Revista Brasileira de Economia, 43, 273-303.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísitca – IBGE. (2016). Sistema de recuperação automática de dados-SIDRA. Recuperado em 12 de agosto de 2016, de www.sidra.gov.br

Kageyama, A. A., & Silva, J. F. G. (1983). Produtividade e emprego na agricultura brasileira. In L. G. Belluzzo & R. Coutinho (Orgs.), Desenvolvimento capitalista no Brasil (pp. 192-222). São Paulo: Brasiliense.

Kim, J. O., & Mueller, C. W. (1978). Introduction to factor analysis: what it is and how to do it (79 p.). Beverly Hills: Sage Publications.

Lattin, J., Carroll, J. D., & Green, P. E. (2011). Análise de dados multivariados (475 p.). São Paulo: Cengage Learning.

Lemos, J. J. S. (2012). Mapa da exclusão social no Brasil: radiografia de um país assimetricamente pobre. (3. ed., 256 p.). Banco do Nordeste do Brasil: Fortaleza.

Madeira, S. A. (2012). Análise da modernização agrícola cearense no período de 1996 e 2006 (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Economia Agrícola, Mestrado em Economia Rural, Fortaleza. 92 p.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada (4. ed., 720 p.). Porto Alegre: Bookman.

Manly, B. J. F. (2008). Métodos estatísticos multivariados: uma introdução (3. ed., 229 p.). Porto Alegre: Bookman.

Martine, G., & Beskow, P. R. (1987). O modelo, os instrumentos e as transformações na estrutura de produção agrícola. In G. Martine & R. C. Garcia (Orgs.), Os impactos sociais da modernização agrícola (pp. 19-39). São Paulo: Caetés.

Mattei, L. (2005). Impactos do Pronaf: análise de indicadores (136 p.). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural.

Melo, C. O., & Parré, J. L. (2007). Índice de desenvolvimento rural dos municípios paranaenses: determinantes e hierarquização. Revista de Economia e Sociologia Rural, 45(2), 329-365.

Mingoti, S. A. (2005). Análise de dados através de métodos de estatística multivariada: uma abordagem aplicada (297 p.). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Monteiro, V. P., & Pinheiro, J. C. V. (2004). Critério para implantação de tecnologias de suprimentos de água potável em municípios cearenses afetados pelo alto teor de sal. Revista de Economia e Sociologia Rural, 42(2), 365-387.

Pinto, A. (2000). Natureza e implicações da “heterogeneidade estrutural” da América Latina. In R. Bielschowsky (Org.), Cinqüenta anos de pensamento na CEPAL (vol. 2, pp. 567-588). Rio de Janeiro/São Paulo: Record.

Queda, O. (1987). A extensão rural no Brasil: da anunciação ao milagre da modernização agrícola (201 p.). Piracibaca: USP.

Rebello, F. K., Santos, M. A. S., & Homma, A. K. O. (2011). Modernização da agricultura nos municípios do Nordeste Paraense: determinantes e hierarquização no ano de 2006. Revista de Economia e Agronegócio, 9(2), 209-232.

Ribas, J. R., & Vieira, P. R. C. (2011). Análise multivariada com o uso do SPSS (272 p.).Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Sayad, J. (1984). Crédito rural no Brasil: avaliação das críticas e das propostas de reforma (125 p.). São Paulo: FIPE/Pioneira.

Schneider, S., & Cassol, A. (2014). Diversidade e heterogeneidade da agricultura familiar no Brasil e algumas implicações para políticas públicas. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 31(2), 227-263.

Silva, F. F., Correa, V. P., & Neder, H. D. (2007). Estudo comparativo da distribuição de recursos do PRONAF Crédito e Infra-estrutura, nas regiões Sul e Nordeste do Brasil: uma abordagem estatística. In A. C. Ortega & N. Almeida Filho (Orgs.). Desenvolvimento Territorial, Segurança Alimentar e Economia Solidária (1. ed., vol. 1, p. 123-158). Campinas: Alínea.

Souza Filho, H. M., Buainain, A. M., Guanziroli, C. E., & Batalha, M. O. (2004). Agricultura Familiar e Tecnologia no Brasil: características, desafios e obstáculos. In Anais do 42º Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Sociologia e Administração Rural. Brasília: Sober.

Souza Filho, H. M., Buainain, A. M., Silveira, J. M. F. J., & Vinholis, M. M. B. (2011). Condicionantes da adoção de inovações tecnológicas na agricultura. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 28(1), 223-255.

Souza, P. M., Fornazier, A., Ponciano, N. J., & Ney, M. G. (2011). Agricultura familiar versus agricultura não familiar: uma análise das diferenças nos financiamentos concedidos no período de 1999 a 2009. Revista Econômica do Nordeste, 42, 105-124.

Souza, P. M., & Lima, J. E. (2003). Intensidade e dinâmica da modernização agrícola no Brasil e nas unidades da Federação. Revista Brasileira de Economia, 57(4), 795-824.

Stege, A. L., & Parré, J. L. (2011). Desenvolvimento rural nas microrregiões do Brasil: um estudo multidimensional. Teoria e Evidência Econômica, 17(37), 160-193.

Szmrecsányi, T., & Ramos, P. (2002). O papel das políticas governamentais na modernização da agricultura brasileira. In T. Szmrecsányi & W. Suzigan (Orgs.). História econômica do Brasil contemporâneo (2. ed., pp. 227-250). São Paulo: HUCITEC/Associação Brasileira dos Pesquisadores em História Econômica/Editora da Universidade de São Paulo.

Tarsitano, M. A. A. (1992). A modernização e a desconcentração da terra da agricultura matogrossense: 1970/85. Revista de Economia Política, 12(4), 28-37.

Veiga, J. E. (1991). O desenvolvimento agrícola: uma visão histórica (240 p.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/HUCITEC.
 


Submetido em:
16/09/2016

Aceito em:
28/10/2018

5dee53070e88259b75b5f733 resr Articles

resr

Share this page
Page Sections