Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2019.184109
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

A justiça ecológica em processos de reconfiguração do rural: estudo de casos de neorrurais no estado de São Paulo

Ecological justice in rural reconfiguration processes: case study of neo-rurals in the state of São Paulo

Morgane Retière; Paulo Eduardo Moruzzi Marques

Downloads: 0
Views: 77

Resumo

Este artigo aborda a renovação das relações entre o urbano e o rural a partir de referências a uma justiça ecológica. Nossa análise, fundada sobre a teoria das justificações, considera as ações coletivas, os conflitos e as inovações em torno de três casos de retorno à terra: o bairro rural Demétria, a Cooperativa de Agricultores Familiares Agroecológicos (Cooperacra) e o assentamento Milton Santos, todos no estado de São Paulo. O desejo de residir em meio rural ou de desenvolver uma atividade agrícola orgânica favorece um novo olhar sobre a ruralidade e sobre o papel da agricultura, associado ao debate sobre o desenvolvimento sustentável. A teoria das justificações nos leva a identificar os princípios de justiça mobilizados por nossos interlocutores com vistas a legitimar suas ações. Como hipótese, admitimos a emergência de uma ordem ecológica de justiça, com contornos por vezes pouco definidos e, assim, permeável a outros conjuntos de pontos normativos para edificar um mundo justo. Nesta ótica, torna-se pertinente situar os argumentos de nossos interlocutores em relação a estas diferentes ordens de justiça, o que permite distinguir o caso do bairro Demétria daqueles da Cooperacra e do assentamento Milton Santos.

Palavras-chave

teoria das justificações, ruralidades, agroecologia, desenvolvimento sustentável, relações urbano-rurais

Abstract

This article deals with the renewal of urban-rural relationship based on references to ecological justice. We analyse, from the perspective of the justification theory, collective actions, conflicts and innovations around three back-to-the-land cases (the “Demetria” rural district, the Cooperative of Agroecological Famers – “Cooperacra” and the “Milton Santos” rural settlement) in São Paulo state. The desire to live in rural areas or to develop organic farming sheds new light on rurality and on the role of agriculture, closely linked to the debate on sustainable development. The justification theory leads us to identify the principles of justice used by our interlocutors in order to legitimize their actions. Our hypothesis is that an ecological justice emerges, with sometimes undefined contours, and is thus permeable to other sets of normative principles of justice. Therefore, the arguments can be replaced in the context of other types of justification called on by the actors, allowing distinguishing the case of Demetria from those of Cooperacra and the Milton Santos rural settlement.
 

Keywords

justification theory, rurality, agroecology, sustainable development, rural-urban relations

Referências

Aly Junior, O. (2011). Projetos de Desenvolvimento Sustentável (PDS) e os desafios na construção de novas políticas de assentamento. Retratos de Assentamentos, 14(2), 283-303.

Bertalot-Bay, M. M. (2008). Consequências ambientais e sociais da atividade agrícola: reflexões epistemológicas sobre a regenerabilidade (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Bertaux, D. (1997). Les récits de vie. Paris: Nathan.

Bleil, S. (2012). Vies et luttes des Sans terre au Sud du Brésil. Paris: Karthala.

Boltanski, L. (1990). L’amour et la justice comme compétences. Paris: Gallimard.

Boltanski, L., & Thévenot, L. (1991). De la justification. Les économies de la grandeur. Paris: Gallimard.

Borsatto, R., & Carmo, M. S. (2013). A construção do discurso agroecológico no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(4), 645-660.

Brandenburg, A. (2010). Do rural tradicional ao rural socioambiental. Ambiente & Sociedade, 13(2), 417-428.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2008). Controle social na venda direta ao consumidor de produtos. Brasília: MAPA.

Caldeira, T. (2000). Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34, Edusp.

Carneiro, M. J. (2012). Ruralidades contemporâneas: modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad X.

Darolt, M. R. (2012). Conexão agroecológica: novas relações entre agricultores e consumidores. Londrina: IAPAR.

Ferreira, A. D. D. (2002). Processos e sentidos sociais do rural na contemporaneidade: indagações sobre algumas especificidades brasileiras. Estudos Sociedade e Agricultura, 10(18), 28-46.

Ferreira, B., Silveira, F. G., & Garcia, R. C. (2001). A agricultura familiar e o PRONAF: contexto e perspectivas (Transformações da Agricultura e Políticas Públicas). Brasília: IPEA.

Goldfarb, Y. (2006). Do campo à cidade, da cidade ao campo: o projeto comunas da terra e a questão dos sujeitos da reforma agrária. Agrária, (5), 109-138.

Kayser, B. (1990). La renaissance rurale: sociologie des campagnes du monde occidental. Paris: Armand Colin.

Lafaye, C. e Thévenot, L. (1993). Une justification écologique? Revue Française de Sociologie, 34(4), 495-524.

Lahire, B. (2013). Dans les plis singuliers du social: individus, institutions, socialisations. Paris: Éditions La Découverte.

Mattei, L. (2015). Políticas públicas de apoio à agricultura familiar: o caso recente do PRONAF no Brasil. Raízes, 35(1), 16-28.

Méndez Sastoque, M. J. (2013). Una tipología de los nuevos habitantes del campo: aportes para el estudio del fenómeno neorrural a partir del caso de Manizales, Colombia. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(Supl. 1), s031-s048.

Moruzzi Marques, P. E. (2003). Concepções em disputa na formulação das políticas públicas de apoio à agricultura familiar: uma releitura sobre a criação do PRONAF. Raízes, 22(2), 16-28.

Moruzzi Marques, P. E. (2014). Críticas e justificações em torno de alternativas agrícolas no estado de São Paulo (Tese de livre docência). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado em 28 de março de 2016, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/ livredocencia/11/tde-17092014-084108

Moruzzi Marques, P. E., & Moal, M. (2014). Le Programme d’Acquisition d’Aliments (PAA) au Brésil: l’agriculture locale et familiale au cœur de l’action publique en vue de la sécurité alimentaire. Vertigo: La Revue Électronique En Sciences De L'environnement, 14, 1-18.

Moruzzi Marques, P. E., Gaspari, L. C., & Almeida, B. (2017). Organização de Controle Social (OCS) e engajamento agroecológico das famílias do assentamento Milton Santos no estado de São Paulo. Estudos Sociedade e Agricultura, 25(3), 545-560.

Moruzzi Marques, P. E., Khatounian, C. A., Gaspari, L. C., & Retière, M. (2016). Justificações em torno de assentamento periurbano da modalidade PDS no estado de São Paulo: uma justiça ecológica em questão. Retratos de Assentamentos, 19(1), 21-40.

Moruzzi Marques, P. E., Lucas, A., & Gaspari, L. C. (2014). Desenvolvimento territorial em questão: estudo sobre assentamento periurbano no estado de São Paulo. Retratos de Assentamentos, 17(1), 161-177.

Niederle, P. A., Fialho, M. V., & Conterato, M. A. (2014). A pesquisa sobre agricultura familiar no Brasil: aprendizagens, esquecimentos e novidades. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(Supl. 1), 9-24.

Pruvost, G. (2011). Récit de vie - Sociologie - Les 100 mots de la sociologie. Paris: Presses Universitaires de France.

Retière, M., Castro, T. P., Moruzzi Marques, P. E., Lucas, A. (2014). Marchés institutionnels et soutien à l’agriculture familiale au Brésil: étude de cas de producteurs insérés dans le programme d’alimentation scolaire. Vertigo: La Revue Électronique En Sciences De L'environnement, 14(1), 14861. Recuperado em 28 de março de 2016, de https://journals.openedition.org/vertigo/14861

Rouvière, C. (2015). Retourner à la terre: L’utopie néo-rurale en Ardèche depuis les années 1960. Rennes: Presses Universitaires de Rennes.

Scheibe, M., & Pohlmann, H. (2015, setembro 21-26). O artista como mediador social: CSA como exercício da escultura social. In Anais do 24º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (pp. 3776-3785). Santa Maria: ANPAP.

Silva, J. G. (1997). O novo rural brasileiro. Nova Economia, 7(1), 43-81.

Silva, J. G., & Campanhola, C. (2000). O novo rural brasileiro: uma análise nacional e regional, Campinas: Unicamp.

Simard, M. (2011). Transformation des campagnes et nouvelles populations rurales au Québec et en France: une introduction. Revue Canadienne Des Sciences Régionales, (spécial), 105-114.

Van Dam, D., & Nizet, J. (2012). Les agriculteurs bio deviennent-ils moins bio? In D. Van Dam, P. Stassart, J. Nizet & M. Streith (Eds.), Agroécologie: entre pratiques et sciences sociales. Dijon: Educagri.

Wanderley, M. N. B. (2009). O mundo rural como espaço de vida (Série Estudos Rurais). Porto Alegre: UFRGS.
 


Submetido em:
16/08/2017

Aceito em:
28/06/2019

5d8a77fa0e88257378c51225 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections