Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2019.186857
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo original

A desvalorização cambial e a exportação de produtos florestais madeireiros

The exchange rate devaluation and wood forest products exports

Amarildo Hersen; Vitor Afonso Hoeflich; Jandir Ferrera de Lima

Downloads: 0
Views: 90

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o comportamento das exportações de produtos madeireiros do setor florestal após a desvalorização cambial, a partir de 2012. O método de avaliação de impacto foi o de diferença em diferenças (DD). Os resultados apontam que, apesar de as exportações representarem, em média, volume menor que a comercialização doméstica, elas tiveram variação absoluta mais expressiva com a desvalorização da moeda brasileira, a partir de 2012. A expressiva queda do real frente ao dólar possibilitou uma trajetória do volume de produtos madeireiros exportados mais positiva que na hipótese de sua inexistência. Contudo, políticas públicas de inclusão do pequeno produtor e empresários do setor madeireiro poderiam ter possibilitado resultados ainda mais satisfatórios, além de se tratar de políticas de emprego e renda.

Palavras-chave

setor florestal, política pública, política cambial

Abstract

The objective of this paper is to analyze the behavior of wood forest products exports after the exchange rate devaluation, which has started in the second half of 2012. The method of impact evaluation was the difference in differences (DD). The results show that, although exports represent, on average, a smaller quantity than domestic trades, they registered a more significant absolute variation, with the exchange devaluation. The significant exchange rate devaluation resulted in a positive trajectory of the volume of shipped wood products than in the hypothesis of its non-existence, verified by comparing the rate of change with the counterfactual of the treated group. However, public inclusion policies of the small producer and entrepreneurs of the sector could have led to even more satisfactory results, in addition to being inclusive policies.
 

Keywords

forestry sector, public policy, exchange policy

Referências

Abadie, A. (2005). Semiparametric difference-in-differences estimators. The Review of Economic Studies, 72, 1-19.

Almeida, C. O., & Bacha, C. J. C. (1999). Evolução da política cambial e da taxa de câmbio no Brasil, 1961-97. Pesquisa & Debate, 10(2), 5-29.

Banco Central do Brasil – BACEN. (2016). Demonstrativo de variação das reservas internacionais. Recuperado em 08 de abril de 2016, de http://www.bcb.gov.br/htms/Infecon/seriehistresint.asp

Barbosa Filho, N. (2015). O desafio macroeconômico de 2015-2018. Revista de Economia Política, 35(3), 403-425.

Bastos, E. K. X., & Fontes, P. V. S. (2013). Mercado de câmbio brasileiro e intervenções Banco Central. Rio de Janeiro: IPEA. Carta de Conjuntura.

Berge, T. (2017). A difference in differences analysis on how a change in employment affects motivation amongst temporary employees (Master dissertation). Business School at University of Stavanger, Stavanger.

Bertrand, M., Duflo, E., & Mullainathan, S. (2004). How much should we trust differences-in-differences estimates? The Quarterly Journal of Economics, 119(1), 249-275.

Brum, A. L., & Zilio, M. (2013). Aspectos da evolução do câmbio no Brasil: 1990-2011. Perspectiva, Erechim, 37(138), 69-80.

Faria, R. N., Burnquist, H. L., & Pestana, M. H. A. P. (2011). Dificuldade de adequação às medidas técnicas: a percepção das empresas exportadoras de alimentos. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, 49(3), 629-646.

Faria, R. N., Taconeli, C. A., & Dias, C. T. S. (2010). Avaliação das exigências técnicas às exportações brasileiras de alimentos por árvores de classificação multivariadas. Estudos Econômicos, 40(3), 713-736.

Foguel, M. N. (2012). Diferenças em diferenças. In N. Menezes Filho (Org.), Avaliação econômica de projetos sociais. 1. ed. São Paulo: Dinâmica.

Food and Agriculture Organization of the United Nations – FAO. (2016). Statistics. Recuperado em 20 de abril de 2016, de http://www.fao.org/statistics/es/

Ghiraldini, P. P. B. (2015). Regressão diferenças em diferenças: uma análise de fusões no setor hospitalar brasileiro (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Grafova, I., Freedman, V., Lurie, N., Kumar, R., & Rogowski, J. (2014). The difference-in-difference method: Assessing the selection bias in the effects of neighborhood environment on health. Economics and Human Biology, 13, 20-33.

Hersen, A., & Lima, J. F. (2010). Efeito transbordamento da crise econômica internacional. Textos de Economia, 13(1), 25-45.

Hersen, A., Lima, L. F., & Lima, J. F. (2013). Evidências empíricas da influência da taxa média de juros sobre o mercado acionário Brasileiro. Gestão & Regionalidade, 29(85), 77-92.

Hill, C., Griffiths, W. E., & Judge, G. G. (2010). Econometria. 3. ed. São Paulo: Saraiva.

Indústria Brasileira de Árvores – IBÁ. (2016). Home. Recuperado em 01 de maio de 2016, de http://iba.org/pt

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEADATA. (2016). Taxa de câmbio comercial para compra: real (R$) / dólar americano (US$) – média. Recuperado em 08 de abril de 2016, de http://www.ipeadata.gov.br

Janot, M. M., Macedo, L. P. (2016). Efeitos das intervenções cambiais sobre a taxa de câmbio futura no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 70(4), 457-480.

Kessel, M. (1998, fevereiro). Regimes cambiais e políticas cambiais brasileiras. Boletim do Banco Central do Brasil, 263-286. Separata.

Mattei, L., Scaramuzzi, T. (2016). A taxa de câmbio como instrumento do desenvolvimento econômico. Revista de Economia Política, 36(4), 726-747.

Núcleo de Estudos de Política Monetária – NEPOM. (2016). De 1999 a 2014: O que houve com o câmbio brasileiro? Recuperado em 09 de abril de 2016, de https://nepom.wordpress.com/2014/04/24/

Pinzon, H. (2011). A taxa de câmbio e sua influência sobre o comércio internacional no Brasil no período 1994-2008. A Economia em Revista, 19(1), 55-70.

Prates, D. M. (2015). O regime de câmbio flutuante no Brasil 1999-2012: especificidades e dilemas. Brasília: IPEA.

Santos, L. L. S., Alves, R. C., & Almeida, K. N. T. (2007). Formação de estratégia nas micro e pequenas empresas: um estudo no Centro-Oeste Mineiro. RAE, 47(4), 59-73.

Serviço Florestal Brasileiro – SFB. (2016). Cadeia produtiva. Recuperado em 21 de agosto de 2016, de http://www.florestal.gov.br/snif/producao-florestal/cadeia-produtiva

Silva, L. X., & Souza, M. (2010). Estado, macroeconomia e políticas públicas: objetivos e instrumentos de política econômica e estrutura da análise macroeconômica. In L. X. Silva. Estado e políticas públicas. Porto Alegre: UFRGS.

Stal, E., & Campanário, M. A. (2010). Empresas multinacionais de países emergentes: o crescimento das multilatinas. Economia Global e Gestão, Lisboa, 15(1), 55-73.

Stuart, E. A., Huskamp, H. A., Duckworth, K., Simmons, J., Song, Z., Chernew, M., & Barry, C. L. (2014). Using propensity scores in difference-in-differences models to estimate the effects of a policy change. Health Services and Outcomes Research Methodology, 14(4), 166-182.

Werner, R. M., Konetzka, R. T., Stuart, E. A., Norton, E. C., Polsky, D., & Park, J. (2009). Impact of public reporting on quality of postacute care. HSR: Health Services Research, 44(4), 1669-1687.

Zini Junior, A. A. (1993). A taxa de câmbio e política cambial no Brasil. São Paulo: EDUSP.
 


Submetido em:
20/10/2017

Aceito em:
25/07/2018

5d8a7bf20e8825dd7fc51227 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections