Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2020.187845
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Extensão rural e construção da equidade de gênero: limites e possibilidades

Rural extension and construction of gender equity: limits and possibilities

Alessandra Maria da Silva; Niraldo José Ponciano; Paulo Marcelo de Souza; Lilian Sagio Cezar

Downloads: 2
Views: 293

Resumo

Resumo:: A extensão rural no Brasil privilegiou a difusão tecnológica de práticas intensivas de produção, ampliando as desigualdades socioeconômicas no meio rural, especialmente as relacionadas a gênero. Com a instituição da Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Pnater), a Extensão Rural passou a atender aos princípios de equidade de gênero previstos para atuação extensionista. Este trabalho teve por objetivo compreender como os extensionistas rurais do órgão oficial de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) do Espírito Santo entendem o seu papel na contribuição para a construção da equidade de gênero na agricultura familiar nos municípios de Linhares, Rio Bananal e Sooretama. Para tanto, aplicaram-se roteiros de entrevistas semiestruturadas para dez agentes de extensão em desenvolvimento rural, servidores da instituição oficial de Ater daqueles municípios. Os dados foram transcritos, sistematizados e submetidos à análise de conteúdo. Os extensionistas apresentaram-se naturalizados com as desigualdades de gênero, não desenvolvendo ações que incentivam a participação feminina nas políticas públicas. Mudanças nos paradigmas de gênero arraigados à extensão rural devem ser estimuladas, tanto na academia quanto nas instituições de Ater, com o propósito de se efetivar a participação feminina nas políticas públicas para a agricultura familiar.

Palavras-chave

Assistência Técnica e Extensão Rural, mulheres rurais, Pnater, relações de gênero

Abstract

Abstract:: Rural extension in Brazil has favored the technological diffusion of intensive production practices, increasing socioeconomic inequalities in the rural environment, especially those related to gender. Due to the institution of the National Policy of Technical Assistance and Rural Extension (Pnater), the rural extension began to comply with the principles of gender equality for extension work. The objective of this work was to understand how rural extensionists of the official Technical Assistance and Rural Extension Agency of Espírito Santo, Brazil, understand their role in contributing to the construction of gender equity in family agriculture in the municipalities of Linhares, Rio Bananal and Sooretama. For that purpose, semi-structured interviews were issued to ten extension agents of the official institution of those municipalities. The data were transcribed, systematized and submitted to content analysis. Extension workers were naturalized with gender inequalities and did not develop actions that encourage female participation in public policies. Changes in the gender paradigms rooted in the rural extension should be stimulated both in the academy and in rural extension institutions aiming to implement the women participation in public policies for family agriculture.
 

Keywords

Technical Assistance and Rural Extension, rural women, Pnater, gender relationships

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo (225 p.). Lisboa: Edições 70.

Beauvoir, S. (1949). O segundo sexo: a experiência vivida (3. ed., Vol. 2, Trad. Sergio Milliet). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Belotti, E. G. (1987). Educar para a submissão. O descondicionamento da mulher (6. ed., 164 p.). Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, P. (2002) A dominação masculina (2. ed., 160 p.) Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brasil. (2004). Ministério do Desenvolvimento Agrário – MDA. Política Nacional de Assitência Técnica e Extensão Rural: Desafios Contemporâneos (26 p.). Brasília: MDA.

Brasil. (2010, January 12). Institui a Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural para a Agricultura Familiar e Reforma Agrária - PNATER e o Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária - PRONATER, altera a Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências (Lei nº 12.188, de 11 de Janeiro de 2010). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, seção 1.

Brasil. (2011). Secretaria de Políticas para as Mulheres – SPM. Orientações estratégicas para institucionalização da temática de gênero nos órgãos governamentais (72 p.). Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres.

Callou, A. B. F., Pires, M. L. L. S., Leitão, M. R. F. A., & Santos, M. S. T. (2008). O estado da arte do ensino da extensão rural no Brasil. Revista Extensão Rural, 15(16), 84-115.

Caporal, F. R. (2003). Bases para uma nova ATER Pública. Revista Extensão, 10, 1-20.

Caporal, F. R., & Ramos, L. F. (2008). Da Extensão Rural convencional à Extensão Rural para o desenvolvimento sustentável: enfrentar desafios para romper a inércia. Recuperado em 13 de março de 2017, de http://portal.mda.gov.br/dotlrn/clubs/redestematicasdeater/formaodeagentesdeater/contents/photoflow-view/content-view?object_id=885745

Cintrão, R., & Siliprandi, E. (2011). O progresso das mulheres rurais. In L. L. Barsted & J. Pitanguy (Orgs.), O progresso das mulheres no Brasil 2003-2010 (436 p). Brasília: Onu Mulheres.

Coelho, P. S. (2016). A atuação da unidade regional da EMATER de Viçosa-MG: descrição e análise da ATER pública (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Duarte, D. N. (2010). As diferentes abordagens da ação extensionista e suas implicações para o instituto capixaba de pesquisa, assistência técnica e extensão rural – Incaper (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Duarte, D. N. (2012). Rede de comercialização, políticas públicas e mudanças na ação extensionista: o caso de Iconha-ES. Revista Extensão Rural, 19(1), 105-136.

Faleiro Barros, T. (2016). Assistência técnica e extensão rural pública no distrito Federal frente à proposta da política nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Farah, M. F. S. (2004). Gênero e políticas públicas. Estudos Feministas, 12(1), 47-71.

Fassio, L. H., & Castro, L. L. F. (Orgs.). (2006). Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural. Um documento histórico sobre o meio rural capixaba (120 p.). Vitória: INCAPER.

Figueiredo, M. A. B. (2010). Una estrategia de desarrollo local desde las experiencias agroecológicas de la región Cañera Pernambucana - Brasil (Tese de doutorado). Departamento de Ciencias Sociales y Humanidades, Universidad de Córdoba, Espanha.

Filipak, A. (2017). Políticas públicas para mulheres rurais no Brasil (2003-2015): análise a partir da percepção de mulheres rurais e de movimentos sociais mistos (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília.

Freire, P. (1983). Extensão ou comunicação? (7. ed., 93 p.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hernández, C. O. (2009). Política de crédito rural com perspectiva de gênero: um meio de “empoderamento” das mulheres rurais? (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Jalil, L. M. (2009). Mulheres e soberania alimentar: a luta para a transformação do meio rural brasileiro (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Rio de Janeiro.

Jalil, L. M., Santos, G., & Ferreira, A. P. (2017). Apresentação: uma construção feita a muitas mãos. In Rede de Ater Agroecológica e Feminista do Nordeste (Org.), ATER mulheres, autonomia e luta: experiências de metodologias feministas (200 p.). Recife: ActionAid.

Korol, C. (2007). Hacia una pedagogía feminista (256 p.). Buenos Aires: El Colectivo, América Libre.

Lamarche, H. (Org.). (1993). A agricultura familiar I: uma realidade multiforme. Campinas: Editora da UNICAMP.

Landini, F. P. (2014). Problemas enfrentados por extensionistas rurais brasileiros e sua relação com suas concepções de extensão rural. Ciência Rural Online, 45(2), 371-377.

Monteiro, D. E. J. (2008). As práticas extensionistas da EMATER-MG sob uma perspectiva de gênero: o caso da Regional de Viçosa-MG (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Moraes, L. L., Jalil, L. M., Santos, J. H., Costa, M. A. G. & Oliveira, M. S. L. (2018). Pedagogia Feminista como processo educativo para a reflexão da política pública de ATER no Nordeste. Interritórios, 4(6), 6-31.

Nunes, S. P., Grígolo, S. C., & Gnoatto, A. A. (2013). A reorganização dos serviços de ATER no sul do Brasil diante do desenvolvimento capitalista na agricultura. In S. P. Nunes & S. C. Grígolo (Orgs.), Assistência técnica e extensão rural no sul do Brasil: práticas, avanços e limites metodológicos (200 p.). Ijuí: Ed. Unijuí.

Olinger, G. (1996). Ascenção e decadência da Extensão Rural no Brasil (523 p.). Florianópolis: EPAGRI.

Oliveira, L. R., & Borges, V. A. J. (Orgs.). (2016). Balanço Social 2015 Incaper (3. ed., 68 p., Documentos, n° 244). Vitória: INCAPER.

Oliveira, M. M. (1988). A utopia extensionista: ensaios e notas (314 p.). Brasília: Embrater.

Pacheco, M. E. L. (2009). Os caminhos das mudanças na construção da Agroecologia pelas mulheres. Agriculturas: Experiência em Agroecologia, 6(4), 4-8.

Peixoto, M. (2008). Extensão Rural no Brasil: uma abordagem histórica da legislação (Textos para Discussão, nº 48). Brasília: Senado Federal.

Pettan, K. B. (2010). A Política Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (PNATER): percepções e tendências. (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Piscitelli, A. (2009). Gênero: a história de um conceito. In H. B. Almeida, & J. E. Szwako (Orgs.), Diferenças, igualdade (pp. 116-149). São Paulo: Berlendis E Vertecchia.

Rodrigues, C. M. (1997). Conceito de seletividade de políticas públicas e sua aplicação no contexto da política de Extensão Rural no Brasil. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 14(1), 113-154.

Santos, G. (2017). Um olhar feminista de ATER: a experiência da Casa da Mulher do Nordeste no Pajeú. In Rede de Ater Agroecológica e Feminista do Nordeste (Orgs.), ATER Mulheres, Autonomia e luta: experiências de metodologias feministas (200 p.). Recife: ActionAid.

Scopinho, R. A. (2010, dezembro 1-3). Diálogo de saberes: experiências inovadoras no ensino da Extensão Rural. In Anais do 2° Seminário Nacional de Ensino em Extensão Rural. Santa Maria: UFSM. Recuperado em 13 de março de 2017, de http://w3.ufsm.br/seminarioextensaorural/arqs/Scopinho_R_A.pdf

Scott, J. W. (2008). Género e historia (337 p.). México: Universidade Autónoma de la Ciudad de México.

Scott, P., Rodrigues, A. C., & Saraiva, J. C. (2010). Onde mal se ouvem os gritos de socorro: notas sobre a violência contra a mulher em contextos rurais. In P. Scott, R. Cordeiro, & M. Menezes (Orgs.), Gênero e geração em contextos rurais. Ilha de Santa Catarina: Ed. Mulheres.

Siliprandi, E. (2002). O que se pensa, o que se faz, o que se diz: discursos sobre as mulheres rurais. Educação em Debate, 2(44), 106-110.

Siliprandi, E. (2009). Mulheres e agroecologia: a construção de novos sujeitos políticos na agricultura (Tese de doutorado). Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

Siliprandi, E. (2015). Mulheres e agroecologia: transformando o campo, as florestas e as pessoas (352 p.). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Siliprandi, E., & Cintrão, R. (2015). Mulheres rurais e políticas públicas no Brasil: abrindo espaços para o seu reconhecimento como cidadãs. In C. Grisa, & S. Schneider (Orgs.), Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil (624 p.). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Villwock, A. P. S., Germani, A. R. M., & Roncato, P. E. S. (2016). Questões de gênero no mundo rural e na extensão rural brasileira. Revista Alamedas, 4(1), 1-17.

Wanderley, M. N. B. (2001). A ruralidade no Brasil moderno. Por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In N. Giarracca. ¿Una nueva ruralidad en América Latina? Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.
 


Submetido em:
14/11/2017

Aceito em:
28/10/2018

5ea6e35d0e8825e531f17439 resr Articles

resr

Share this page
Page Sections