Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2020.188623
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Tipos de conhecimento regional protegidos pelas instituições na indicação de procedência Canastra (MG)

Types of regional knowledge protected by institutions under the Canastra designation of origin (MG)

Ligia Aparecida Inhan Matos; Renata Lèbre La Rovere

Downloads: 0
Views: 3

Resumo

Este artigo tem o objetivo de demonstrar quais são os tipos de conhecimento na região coberta pela Indicação de Procedência Canastra (IP) após a inserção do conhecimento da legislação sanitária e da Indicação Geográfica (IG). Como objetivo específico, busca entender como as relações de confiança entre instituições na região foram afetadas pela GI. A metodologia utilizada foi qualitativa, envolvendo pesquisa documental e entrevistas. A técnica de análise dos dados foi análise de conteúdo, com o auxílio do software Atlas TI. A pesquisa de campo levantou os conceitos-chave a partir da perspectiva dos produtores e das instituições endógenas e exógenas. Como principais resultados, destacam-se: partes do conhecimento da legislação foram incorporadas ao processo produtivo do Queijo Minas Artesanal (QMA) por meio do Dossiê interpretativo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e do Regulamento de Uso (RU) da IP. Este conhecimento tem sido disseminado notadamente pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O conhecimento da IG tem sido disseminado principalmente entre os produtores pela Associação dos Produtores do Queijo Canastra (APROCAN). Conclui-se que os três tipos de conhecimento encontrados − protegido, exógeno e tácito − sofreram importante influência pela inserção da legislação e pouca influência do conhecimento da IG. O conhecimento da legislação alterou as relações de confiança entre as instituições endógenas e exógenas.

Palavras-chave

indicação geográfica, IP da Canastra, conhecimento regional, instituições

Abstract

This work aims to discuss the types of knowledge in the region under the Canastra designation of origin (DO) after the insertion of knowledge of health legislation and of geographical indication (GI). As a specific objective, it seeks to understand how the relations of trust among institutions in the region have been affected by GI. The qualitative research method of this work involved content analysis of documents and interviews with the help of the software Atlas.Ti. The main results are: parts of the knowledge of the legislation were incorporated into the production process of the Artisanal Cheese Minas Artisanal through the Interpretative Dossier of the Brazilian National Historical and Artistic Heritage Institute and the Regulation of Use of IO. This knowledge has been widely disseminated by the Minas Gerais Institute of Agriculture and the Ministry of Agriculture, Livestock and Supply . The knowledge of GI has been disseminated mainly among the producers by the Canastra Cheese Producers Association. It is possible to conclude that the three types of knowledge found; protected, exogenous and tacit, have been strongly influenced by the insertion of the legislation and weakly influenced by knowledge of the GI. Knowledge of legislation has altered the relationship of trust between endogenous and exogenous institutions.

Keywords

geographic indication, Canastra DO, regional knowledge, institutions

Referências

Alves-Mazzotti A. J. Usos e abusos dos estudos de caso. Cadernos de Pesquisa. 2006;36(129):637-51.

Regulamento de uso. 2012.

Berger P. L., Luckmann T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 2014.

Binotto E., Nakayama M. K., Siqueira E. S. A criação de conhecimento para a gestão de propriedades rurais no Brasil e na Austrália. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2013;51(4):681-98.

Britto J. Cooperação e aprendizado em arranjos produtivos locais: em busca de um referencial analítico.. 2004.

Capello R. Science-based activities in European regions: the knowledge-innovation nexus.. Universities, cities and regions: loci for knowledge and innovation creation.. 2013.

Cerdan C. M. T., Bruch K. L., Silva A. L., Copetti M., Fávero K. C., Locatelli L. Indicação Geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. 2014.

Valorizando origem, qualidade e tradição: o papel do mapa no incentivo ao uso dos signos distintivos. 2014:1-20.

Cintrão R. P. Segurança, qualidade e riscos: a regulação sanitária e os processos de (i)legalização dos queijos artesanais de leite cru em Minas Gerais. 2016.

Cooke P., De Laurentis C., Tödtling F., Trippl M. Regional knowledge economies: markets, clusters and innovation.. 2007.

Diniz C. C. Dinâmica regional e ordenamento do território brasileiro: desafios e oportunidades.. 2013.

Erber F. Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais: comentando o conceito. Nova Economia. 2008;18(1):11-32.

Flick U. Introdução à pesquisa qualitativa. 2009.

Godoy A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. 1995;35(3):20-9.

Gonçalves E., Lemos M. B., Negri J. A. The role of firm and territory in innovative activities in Brazilian post-opening economy. Economia Aplicada. 2011;15(1):103-30.

Hodgson G. M. Conceptualizing capitalism. 2014:1-355.

Guide du demandeur d’une appellation d’origine protégée (AOP) ou d’une indication géographique protégée (IGP) à l’exception des vins et des boissons spiritueuses.. 2015.

Queijo Artesanal de Minas: patrimônio cultural do Brasil: Dossiê Interpretativo. 2006;1.

Krippendorff K. Content analysis: an introduction to its methodology.. 2004.

Matos L. A. I. O conhecimento regional do queijo Minas artesanal na indicação de procedência Canastra: ensinando o padre a rezar. 2016.

Matos L. A. I., Ximenes A. C. A., La Rovere R. L. Institutions and knowledge diffusion in a territory: the case of geographical indications.. 2015;1.

Mafra L. A. S. Gestão do patrimônio imaterial: reflexões sobre os direitos de propriedades nas indicações geográficas. Revista Pós Ciências Sociais. 2010;7(13):65-82.

Melo R. D. Os critérios de concessão e uso de indicações geográficas sob a ótica do direito da regulação e da concorrência. 2018.

Regulamento Técnico Mercosul de Identidade e Qualidade do Queijo Minas Frescal. MERCOSUL/GMC/RES/No. 145/96. 1996.

Nelson R. R., Winter S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica.. 2012.

Niederle P. A., Wilkinson J., Mascarenhas G. C. C. Introdução. O sabor da origem. 2016:257-316.

Perez R. Cadastro georreferenciado dos produtores de queijo minas artesanal da região da Serra da Canastra. 2014.

Pesqueux Y. De la référence à la tradition au regard de l’innovation. 2010:16.

Polanyi M. A dimensão tácita.. 2010.

Ribeiro J. C., Santos J. F. Portuguese quality wine and the region-of-origin effect consumers and retailers´ perceptions.. 2008.

Ruffoni J., Tatsch A. L., Stefani R., Schaeffer P. R., Grings L. G. Does the geographical proximity matter in knowledge and information flow? A studyaboutwine cluster in the Southern region of Brazil. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2017;55(3):569-88.

Shiki S. F. N., Wilkinson J. Movimentos em torno dos queijos artesanais de origem: os casos da Canastra e do Serro. O sabor da origem. 2016:257-316.

Simoncini J. B. V. B. Produzir para viver ou viver para produzir: conflitos vividos pelos produtores familiares e as estratégias de resistência no território do queijo Canastra. 2017.

Valente M. E. R., Perez R., Fernandes L. R. R. M. V. O processo de reconhecimento das indicações geográficas de alimentos e bebidas brasileiras: regulamento de uso, delimitação da área e diferenciação do produto. Ciência Rural. 2013;43(7):1330-6.

Vincentini N. M., Carneiro A. V., Mendonça L. C., Brito M. A. V. P. Custo da adequação de pequenos produtores de queijos aos requisitos da legislação do estado de Minas Gerais. Revista do Instituto de Latícinios Cândido Tostes. 2013;68(395):5-14.


Submetido em:
01/12/2017

Aceito em:
06/10/2019

5ef610670e8825f97ee5dce7 resr Articles

resr

Share this page
Page Sections