Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2020.191793
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Atitudes e percepções de gestores ambientais da Zona Costeira de SP frente às mudanças climáticas

Attitudes and perceptions of environmental managers in relation to climate change in the Coastal Region of the State of São Paulo, Brazil

Anna Paula Peres; Nathalia Clyo Rizzo de Freitas Neves; Renzo Taddei

Downloads: 0
Views: 12

Resumo

A zona costeira do estado de São Paulo é uma região considerada altamente suscetível aos efeitos das mudanças climáticas. Tal situação é agravada pelo fato de a região concentrar atividades econômicas de relevância nacional e grande densidade populacional, em adição a reservas ambientais e áreas de proteção legal. O presente estudo tem como objetivo analisar as percepções, conhecimentos e atitudes de gestores públicos sobre os efeitos das mudanças climáticas na região costeira do estado, além de avaliar o tipo de informação que possuem e usam (ou pretendem utilizar) na elaboração de planos de adaptação. A pesquisa foi realizada a partir da aplicação de questionário via plataforma online SurveyGizmo. Os resultados obtidos documentam níveis crescentes de preocupação, por parte dos gestores ambientais, com os impactos das mudanças climáticas; ao mesmo tempo, evidenciam a ausência de atividade efetiva de elaboração de políticas públicas que visem mitigar ou se adaptar aos impactos esperados.

Palavras-chave

mudanças climáticas, zona costeira, gestão ambiental, mitigação e adaptação

Abstract

Abstract:: Previous studies have shown that the coastal zone of the State of São Paulo, Brazil, is considered highly susceptible to the impacts of climate change. This scenario is complicated by the presence of nationally relevant economic activities, large population and legally protected ecosystems. The present study aims to analyze perceptions, knowledge and attitudes of environmental managers about the effects of climate change on coastal regions, as well as to evaluate the type of information that is used (or planned to use) in the construction of effective adaption plans. This research was carried out through the application of a survey using the online platform SurveyGizmo. The results document growing levels of preoccupation among environmental managers about the impacts of climatic changes; at the same time, they make evident the absence in effective activity in the creation of public policy addressed to the mitigation or adaptation to the expected impacts.
 

Keywords

climate change, coast zone, environmental management, mitigation and adaptation

Referências

Acselrad, H. (2006). Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. Comunicação. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Aslam, S. (2013). Examining the relationship between climate change risk perceptions and the implementation of climate-related policies (Dissertação de mestrado). University of Waterloo, Ontario.

Barbi, F., Ferreira, L. C., & Joly, C. A. (2017). Mudança climática em cidades da costa brasileira: riscos e respostas políticas em Santos, na Região Metropolitana da Baixada Santista - SP. In L. C. Ferreira, L. Schmid, M. P. Buendía, J. Calvimontes, & J. E. Viglio. (orgs), Clima de Tensão – Ação humana, biodiversidade e mudanças climáticas (pp. 183-200). Campinas: Editora da UNICAMP.

Bassett, E., & Shandas, V. (2010). Innovation and climate action planning. Journal of the American Planning Association, 76(4), 435-450.

Biermann, F., & Boas, I. (2010). Preparing for a Warmer World: Towards a Global Governance System to Protect Climate Refugees. Global Environmental Politics, 10(1), 60-88.

Bord, R. J., Fisher, A., & O’Connor, R. E. (1998). Public perceptions of global warming: United States and international perspectives. Climate Research, 11(1), 75-84.

Bulkeley, H. (2010). Cities and the governing of climate change. Annual Review of Environment and Resources, 35(1), 229-253.

Cabanes, C., Cazenave, A., & Le Provost, C. (2001). Sea level rise during past 40 years determined from satellite and in situ observations. Science, 294(5543), 840-842.

Campos, E. (2008). A importância dos oceanos nas mudanças globais. In Relatório da III Conferência Regional de Mudanças Globais (pp 55-59). São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

Carmo, R. L., Seixas, S. R. C., & Vargas, M. C. (2012). Vulnerabilidades às mudanças climáticas no litoral paulista: urbanização, saneamento e saúde. In Anais do VI Encontro Nacional da ANPPAS (p. 18-21). São Paulo: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade.

Cash, D., Clark, W., Alcock, F., Dickson, N., Eckley, N., & Jager, J. (2002). Salience, Credibility, Legitimacy And Boundaries: Linking Research Assessment And Decision Making. KSG Working Papers Series RWP02-046. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.372280

Centro de Pesquisas Sobre Decisões Ambientais – CRED. (2016). A Comunicação das Mudanças Climáticas: Um guia para cientistas, jornalistas, educadores, políticos e demais interessados. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisas sobre Decisões Ambientais.

Confalonieri, U. E. C., & Marinho, D. P. (2007). Mudança climática global e saúde: perspectivas para o Brasil. Revista Multiciência, 8, 48-64.

Cunha, J. M. P. Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, Núcleo do Estudos de População, 2006.

Demeritt, D., & Langdon, D. (2004). The UK climate change programme and communication with local authorities. Global Environmental Change, 14(4), 325-336.

Di Giulio, G. M., & Ferreira, L. C. (2014). Contribuições das Ciências Humanas para o debate sobre mudanças ambientais: um olhar sobre São Paulo. Estudos Avançados, 28(82)

Di Giulio, G. M., & Ferreira, L. C. (2013). Governança do risco: uma proposta para lidar com riscos ambientais no nível local. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 28, 29-39.

Di Giulio, G. M., Viglio, J. E., & Ferreira, L. C. (2017). Alterações climáticas, riscos e percepções: análise sobre uma região costeira do Brasil. In L. C. Ferreira, L. Schmid, M. P. Buendía, J. Calvimontes, & J. E. Viglio (Orgs.), Clima de Tensão – Ação humana, biodiversidade e mudanças climáticas (pp. 183-200). Campinas: Editora da UNICAMP.

Edenhofer, O., & Madruga, R. P. (2012). Special Report on Renewable Energy Sources and Climate Change Mitigation. Summmary for Policymakers: A Report of Working Group III of the IPCC and Technical Summary. Intergovernmental Panel on Climate Change.

Egler, C. A. G., & Gusmão, P. P. (2014). Gestão costeira e adaptação às mudanças climáticas: o caso da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, Brasil. Revista da Gestão Costeira Integrada, 14(1), 65-80.

Ferreira, L. C., Barbi, F., & Giesbrecht, M. (2017). Mudança climática e risco em cidades da costa brasileira: uma análise quali e quantitativa. In: L. C. Ferreira, L. Schmid, M. P. Buendía, J. Calvimontes, & J. E. Viglio (Orgs.), Clima de Tensão – Ação humana, biodiversidade e mudanças climáticas (pp. 163-181). Campinas: Editora da UNICAMP.

França, A. M. (2005). Vale do Ribeira (SP): proposições econômicas, sociais, políticas e ambientais para o crescimento e desenvolvimento sustentável dos municípios da Região Administrativa de Registro (Dissertação de mestrado). Economia Política, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Frumkin, H., Hess, J., Luber, G., Malilay, J., & McGeehin, M. (2008). Climate change: the public health response. American Journal of Public Health, 98(3), 435-445.

Global Gender and Climate Alliance – GGCA. (2013). Overview of linkages between gender and climate change. New York: United Nations Development Programme.

Holligan, P., & Deboois, H. (1993). Land-Ocean Interactions in the Coastal Zone (LOICZ). Science Plan (50 p.). Stockholm: International Geosphere Biosphere Programme, International Council of Scientific Unions.

Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC. (2007). Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Geneva: IPCC.

Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC. (2014). Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Geneva: IPCC.

Klein, R. J. T., & Nicholls, R. J. (1999). Assessment of costal vulnerability to climate change. Ambio, 28(2), 182-187.

Lemos, M. C. M. (2003). A tale of two policies: The politics of climate forecasting and drought relief in Ceara, Brazil. Policy Sciences, 36, 101-123.

Lima, G. F. C. (2011). A institucionalização das políticas e da gestão ambiental no Brasil: avanços, obstáculos e contradições. Desenvolvimento e Meio Ambiente, (23), 121-132.

Lucon, O., Oliveira, F. D. F., & Alves, J. W. S. (2009). Política Estadual de Mudanças Climáticas (Lei n. 13.798 de 9 de novembro de 2009). – versão zero para consulta pública. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo – SMA, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB.

Marandola Junior, E., Marques, C., Paul, L. T., & Cassaneli, L. B. (2013). Crescimento urbano e áreas de risco no litoral norte de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos de População, jan./jun. 30(1), 35-56.

Moreira, F. A., Nunes, L. H., Marengo, J. (2017). Avaliação da capacidade adaptativa (ACI) no município de Santos/SP a partir das mudanças climáticas. Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento, 1, 1478-1491.

Mulder, K. F., Enserink, B., & Salcedo-Rahola, B. (2009, july 5-8). The neglected effects of climate change. In Paper presented at the 15th International Sustainable Development Research Conference. Nederlands: Utrecht University.

Napton, M. L., & Day, F. A. (1992). Polluted neighborhoods in Texas: Who lives there. Environment and Behavior, 24, 508-526.

Neves, C. F., & Muehe, D. (2008). Vulnerabilidade, impactos e adaptação a mudanças do clima: A zona costeira. Parcerias Estratégicas, 27, 217-296.

Nobre, C., Young, A. F., Saldiva, P., Marengo, J. A., Nobre, A. D., Alves Júnior, S., Silva, G. C. M., & Lombardo, M. (2010). Vulnerabilidades das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de São Paulo. Sumário Executivo - junho de 2010. Rio Claro: INPE, IPT, UNICAMP, USP, UNESP. Recuperado em 10 setembro 2013, de http://mudancasclimaticas.cptec.inpe.br/~rmclima/pdfs/publicacoes/2010/SumarioExecutivo_megacidades.pdf

Nunes, L. H. (2009). Mudanças climáticas, extremos atmosféricos e padrões de risco a desastres hidrometeorológicos. População e mudança climática: dimensões humanas das mudanças ambientais globais (pp. 53-73). Campinas: Nepo/Unicamp; Brasília: UNFPA.

Pfaff, A., Velez, M. A., Taddei, R., & Broad, K. (2013). Unequal Information, Unequal Allocation: Bargaining field experiments in NE Brazil. Environmental Science & Policy, 26, 90-101.

Ramires, J. Z. S. (2014, setembro 8-12). A gestão dos riscos climáticos em São Paulo. In Trabalho apresentado no VI Congresso Iberoamericano de Estudios Territoriales y Ambientales, São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Runhaar, H., Mees, H., Wardekker, A., Van Der Sluijs, J., & Driessen, P. P. J. (2012). Adaptation to climate change-related risks in Dutch urban areas: stimuli and barriers. Regional Environmental Change, 12, 777-790.

Sachs, J. D., Mellinger, A. D., & Gallup, J. L. (2001). The geography of poverty and wealth. Scientific American, 284(3), 70-75.

São Paulo. Coordenadoria de Planejamento Ambiental. Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (2013). ZEE – Zoneamento Ecológico-Econômico – Setor Costeiro Da Baixada Santista. L. R. N. Oliveira (Org.), B. S. Caio, C. M. Barros, F. Chapuis, H. S. Carmona, I. L. S. Parada, L. Souza e Silva, M. R. Itani, M. A. O. Gonçalves, & N. M. Cruz (Equipe técnica). São Paulo: SMA.

Taddei, R. (2017). Meteorologistas e profetas da chuva: conhecimentos, práticas e políticas da atmosfera. São Paulo: Terceiro Nome.

Taddei, R. (2016). Os desastres em uma perspectiva antropológica. ComCiência, 176, 1.

Taddei, R. (2012). The politics of uncertainty and the fate of forecasters. Ethics, Policy & Environment, 15(2), 252-267.

Taddei, R., & Gamboggi, A.L. (2011). Etnografia, meio ambiente e comunicação ambiental. Caderno Pedagógico, 8(2), 9-28.

Taddei, R., & Gamboggi, A. L. (2009). Gender and the semiotics of political visibility in the Brazilian northeast. Social Semiotics, 19, 149-164.

Taddei, R., & Gamboggi, A. L. (2010). Introdução. In Taddei, R., & Gamboggi, A. L. (Orgs.). Depois que a chuva não veio. Respostas sociais às secas na Amazônia, no Nordeste e no Sul do Brasil (pp. 7-31). Fortaleza: Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos/Comitas Institute for Anthropological Study.

Tompkins, E. L., Adger, W. N., Boyd, E., Nicholson-Cole, S., Weatherhead, K., & Arnell, N. (2010). Observed adaptation to climate change: UK evidence of transition to a well-adapted society. Global Environmental Change, 20(4), 627-635.

Turner, R. K.; Subak, S., & Adger, W. N. (1996) Pressures, trends, and impacts in coastal zones: Interactions between socioeconomic and natural systems. Environmental Management, 20(2), 159-173.

Uittenbroek, C. J., Janssen-Jansen, L. B., & Runhaar, H. A. C. (2012). Mainstreaming climate adaptation into urban planning: overcoming barriers, seizing opportunities and evaluating the results in two Dutch case studies. Regional Environmental Change, 13, 399-411.

UNESCO. (2013). World Social Science Report. Recuperado em 10 de janeiro de 2014, de http://www.keepeek.com/Digital-Asset-Management/oecd/social-issues-migration-health/world-social-science-report-2013_9789264203419-en#page1.

Vargas, M. C. (2011). Mudança climática e recursos hídricos: problemas de adaptação na escala metropolitana. O caso da região da Baixada Santista, Brasil. In V Congresso Iberoamericano Sobre Desarrollo y Ambiente, Santa Fe. Santa Fe: Facultad de Ingeniería y Ciencias Hídricas de la Universidad Nacional del Litoral.

Wheeler, S. M. (2008) State and municipal climate change plans. Journal of the American Planning Association, 74(4), 481-496.

Zündt, C. (2006). Baixada Santista: uso, expansão e ocupação do solo, estruturação de rede urbana regional e metropolização. Novas metrópoles paulistas: população, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Núcleo de Estudos de População/Unicamp.
 


Submetido em:
19/02/2018

Aceito em:
21/04/2019

5eeccc3a0e8825020dbf3a9a resr Articles

resr

Share this page
Page Sections