Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2020.191807
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Para além da racionalidade: outras dimensões da ação entre organizações familiares de produção agrícola: uma discussão a partir da realidade de famílias de agricultores no sul de Santa Catarina

Beyond rationality: dimensions of the actions between agricultural family organizations in the southern part of the state of Santa Catarina: a discussion

Carlos Gabriel Eggert Boehs; René Eugênio Seifert

Downloads: 0
Views: 349

Resumo

A discussão a respeito da racionalidade que orienta a ação em organizações tem enfatizado a dualidade entre as racionalidades instrumental e substantiva. “Para além da racionalidade...”, busca compreender nos significados compartilhados entre organizações familiares de agricultores outras dimensões da ação nos modos de organizar a atividade de produção agrícola. O estudo de caráter qualitativo foi realizado com 13 famílias em localidades de descendentes de imigrantes no Sul do Brasil. Recorremos à observação das organizações familiares em que seus integrantes compartilham atividades de produção agrícola em pequenas propriedades rurais no sul do estado de Santa Catarina. Nos três modos de organizar a produção agrícola identificados como integrado, semi-integrado e não integrado, os significados compartilhados apontaram indícios da ação orientada pelo afeto e tradição, indo além das dimensões da ação orientada pela racionalidade instrumental e/ ou de caráter substantivo. Observou-se que as relações afetivas e as práticas produtivas baseadas em tradições assumem papel significativo nos modos de organizar e estão associados ao caráter substantivo das relações sociais, segundo os referenciais teóricos adotados. Conclui-se que seja relevante que essas dimensões da ação, renegadas na discussão sobre racionalidades, sejam consideradas entre organizações familiares vinculadas a atividades de produção agrícola.

Palavras-chave

orientação da ação, organizações, afeto e tradição, produção agrícola, famílias

Abstract

The discussion surrounding the rationale guiding the actions of organizations has highlighted the duality between instrumental and substantive rationalities. “Beyond rationality” seeks to understand other dimensions of action in the context of the organization of agricultural production, through the meanings shared by family organizations of farmers. A qualitative study was carried out involving the participation of 13 families, living in locations characterized by a strong presence of descendants of immigrants who settled in southern Brazil. The authors performed the observation of family organizations, whose members shared agricultural production activities in small rural holdings in the south of Santa Catarina State. In the three modes of organizing agricultural production identified as integrated, semi-integrated and nonintegrated. The shared meanings showed evidence of action guided by affection and tradition, extending beyond the dimensions of action guided by rationality of an instrumental and/or substantive nature. It was noted that affective relations and productive practices based on traditions play an important role in the modes of organizing and are associated with the substantive character of social relations, according to the adopted theoretical frameworks. It is understood that the dimensions of action, rejected in the discussion on rationality, are in fact relevant and should be considered with regards to family organizations involved in agricultural production activities.

Keywords

action orientation, organizations, affection and tradition, agricultural production, families

Referências

Abbott A. Organizations and the Chicago School.. The Oxford handbook of sociology and organization studies: classical foundations. 2009:399-420.

Altmann R. A agricultura familiar e os contratos: reflexões sobre os contratos de integração, concentração da produção e a seleção dos produtores. 1997.

Blau P., Scott W. R. Organizações formais. 1979.

Caitano D. O., Serva M. R. Racionalidade substantiva nas organizações: consolidação de um modelo metodológico de pesquisa teórico-empírica. 2012.

Campbell B. C. Ethnoecology of the Ozark highlands: agricultural encounter. Ethnology. 2009;48(1):1-20.

Chayanov A. V. Teoria de sistemas econômicos. Chayanov e o campesinato. 2014.

Child J. Organização, princípios e prática contemporâneos. 2012.

Costa P. A., Seifert R. E., Meira F. B., Hocayen-da-Silva A. J. Provocações epistemológicas, teóricas e metodológicas a partir de experiências empíricas de organizações alternativas e contra hegemônicas. Farol Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade. 2018;5(13):477-95.

Creswell J. W. Qualitative Inquiry and research design: choosing among Five approaches. 2007.

Delagnello E. L., Machado-da-Silva C. Novas formas Organizacionais: onde se encontram evidências empíricas de ruptura com o modelo burocrático de Organizações. Organizações & Sociedade. 2000;7(19):19-33.

Farias J. G. Do pasto à paisagem. 2013.

Favareto A. A racionalização da vida rural. Estudos Sociedade e Agricultura. 2006;14(1):9-48.

Ferraz E. E. “Do meu lugar nem Morto”: uma relação de topofilia num sertão em retração. 2012:139-51.

Flick U. Desenho da pesquisa qualitativa. 2009.

Fukui L. F. G. A riqueza do pobre: relações entre pais e filhos entre sitiantes tradicionais brasileiros. Processos de constituição do campesinato no Brasil. 2009:289-300.

Grix J. Introducing students to the generic terminology of social research. Politics. 2002;22(3):175-86.

Guerreiro Ramos A. The new science of organizations. 1981.

Habermas J. The theory of communicative action. 1984;1.

Hyden G. The economy of affection: why the African peasantry remain uncaptured. Contemporary perspectives on African moral economy. 2008.

Censo agropecuário. 2006.

Kalberg S. Max Weber’s types of rationality: cornerstones for the analysis of rationalization in history. American Journal of Sociology. 1980;85(5):1145-79.

Lamarche H. A agricultura familiar. 1998;2.

Mattei L. M. A relevância da família como unidade de análise nos estudos sobre pluriatividade. Revista de Estudos Rurais. 2007;45(4):1055-73.

Parsons T. Suggestions for a sociological approach to the theory of organizations I. Administrative Science Quarterly. 1956;1(1):63-85.

Polanyi K. A grande transformação: as origens de nossa época. 1980.

Rotschild-Whitt J. The collectivist organization: an alternative to rational-bureaucratic models. American Sociological Review. 1979;44(4):509-27.

Ribeiro E. M., Galizoni F. M. A arte da catira: negócios e reprodução familiar de sitiantes mineiros. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 2007;22(64):65-74.

Schaden F. S. G. Notas sobre a localidade de São Bonifácio (Santa Catarina). 1940.

Schluchter W. Capitalism from a World-Historical Perspective para as comemorações dos 150 anos de nascimento de Max Weber. 2014.

Schneider S. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo. 2003;18(51):99-120.

Schneider S. A diversidade da agricultura familiar. 2006.

Sell C. E. Racionalidade e racionalização em Max Weber. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 2012;27(79):163-71.

Sell C. E. Max Weber e a racionalização da vida. 2013.

Serva M. R. Racionalidade e organizações: o fenômeno das organizações substantivas. 1996.

Serva M. R. A racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas. 1997;37(2):18-30.

Souza Cruz M. T., Corá M. A. J. Desencantamento do Mundo: análise da desarticulação e dissolução de comunidade rural na Chapada Diamantina.. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade. 2014;3(1):61-75.

Swedberg R. Max Weber e a ideia de sociologia econômica. 2005.

Vizeu F., Seifert R. E., Hocayen-Da-Silva A. J. Non-capitalist organizations in Latin America: lessons from the Brazilian Faxinal grass root community. Cadernos EBAPE. 2015;13(2):369-89.

Wanderley M. N. B. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura. 2003;21:42-61.

Weber M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 2000.

Weber M. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 2009.

Willems E. Uma vila brasileira: tradição e transição. 1961.

Willems E. A aculturação dos Alemães no Brasil: estudo antropológico dos imigrantes e seus descendentes no Brasil. 1980.

Woortmann E. Herdeiros, parentes e compadres: colonos do Sul e sitiantes no Nordeste. 1995.


Submetido em:
01/03/2018

Aceito em:
19/05/2019

5f11e2ca0e882543371a886d resr Articles

resr

Share this page
Page Sections