Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2020.193691
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Por mares revoltos: a mediação política do Conselho Pastoral dos Pescadores (1968-2018)

Through rough seas: the political mediation of the Pastoral Council of Fishermen (1968-2018)

Cristiano Wellington Noberto Ramalho; Andreia Patrícia dos Santos

Downloads: 0
Views: 66

Resumo

Resumo:: Este escrito focaliza o trabalho do Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), importante mediador da pesca artesanal no Brasil. Os objetivos são: (a) compreender como era o cenário político da pesca antes do surgimento desta Pastoral e (b) analisar as estratégias e formas de atuação desenvolvidas por este mediador político junto aos pescadores artesanais. Os procedimentos metodológicos apoiaram-se em entrevistas com dirigentes e ex-dirigentes do CPP, documentos, fontes de jornais e observação direta. Conclui-se que os rumos construídos pelas lutas das comunidades pesqueiras guardam, na ação de assessoria do CPP, um papel de destaque, uma influência decisiva.

Palavras-chave

Pastoral dos pescadores, Movimentos Sociais da Pesca, colônia de pesca

Abstract

Abstract:: This paper focuses on the work of the Pastoral Council of Fishermen (PCF), an important mediator of artisanal fishing in Brazil. The objectives are: (a) understand the political scenery of fishing before the rise of this Pastoral and (b) analyse strategies and forms of action developed by this political mediator with the artisanal fishermen. The methodological procedures were based on interviews with leaders and former leaders of the PCF, documents, newspaper sources and direct observation. We conclude that the paths built by the struggles of fishing communities keep - in the advisory action of the PCF - a prominent role, a decisive influence since its appearance.
 

Keywords

Pastoral of fishermen, Social Fishing Movements, fishing colony

Referências

Abreu, B. (2012). Jangadeiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Acselrad, H. (2010). Ambientalização das lutas sociais: o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, 24(68), 103-119.

Andrade, M. C. (2005). A terra e o homem no Nordeste (7. ed.). São Paulo: Cortez.

Antunes, R. (2005). Adeus ao trabalho? (10. ed.). São Paulo: Cortez; Unicamp.

Araújo, M. L. C. (1990). Na margem do lago.Recife: Massangana.

Azevedo, N. T. (2012). Política nacional para o setor pesqueiro no Brasil (2003-2011) (Tese Doutorado). Universidade Federal do Paraná: Curitiba.

Betto, F. (1986). Cristianismo e marxismo.Petrópolis: Vozes.

Boff, L. (1986). Igreja, carisma e poder.Petrópolis: Vozes.

Brasil. (1915). Decreto nº 11.507, de 4 de Março de 1915. Diário Oficial da União: Rio de Janeiro.

Brasil. (2010). Portaria nº 89, de 15 de abril de 2010. Diário Oficial da União: Brasília.

Brasil. (2015). Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. Câmara dos Deputados: Brasília.

Bronz, D. (2009). Pescadores do petróleo. Rio de Janeiro: E-papers: Laced/Museu Nacional.

Callou, A. B. F. (1986). Movimentos sociais dos pescadores em Pernambuco (1920-1983) (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Maria: Santa Maria.

Callou, A. B. F. (1994). A voz do mar: construção simbólica da realidade dos pescadores brasileiros pela Missão do Cruzador “José Bonifácio” (1919-1924) (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo: São Paulo.

Callou, A. B. F. (2007). Extensão rural: polissemia e memória. Recife: Edições Bagaço.

Callou, A. B. F. (Org.). (2013). Os movimentos sociais da pesca. Recife: Fasa.

Cunha, M. C., & Almeida, M. W. B. (2009). Populações tradicionais e conservação ambiental. In M. C . Cunha. Cultura com aspas (pp. 277-310). São Paulo: Cosacnaify.

Diegues, A. C. (1983). Pescadores, camponeses e trabalhadores do mar.São Paulo, Ática.

Diegues, A. C. (1995). Povos e mares. São Paulo, Nupaub/USP.

Diegues, A. C. (1996). O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec.

Diegues, A. C. (2004). A pesca construindo sociedades. São Paulo, Nupaub-USP.

Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional – FASE. (1988). Pescadores artesanais: entre o passado e o presente. Revista Proposta, 38, 2-8.

Fox, V. D. P. P. (2010). Pesca artesanal e desenvolvimento local: o Movimento Nacional dos Pescadores – Monape (1990-2009) (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Gohn, M. G. (1997). Teoria dos movimentos sociais. São Paulo: Edições Loyola.

Gohn, M. G. (2008). Novas teorias dos movimentos sociais. São Paulo: Edições Loyola.

Gramsci, A. (1995). Os intelectuais e a organização da cultura (6. ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Guedes, M. L. A. (1984). Colônia de pescadores: organizações corporativistas ou entidades representativa de classe? Brasília: UnB.

Guilherme, L. F. V. A. (2016). Manual dos MESCs: meios extrajudiciais de solução de conflitos. São Paulo: Manole.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. (2012). Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra. Rio de Janeiro: IBGE.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais – IBAMA. (2006). Boletim Estatístico da pesca marítima e estuarina do Nordeste do Brasil – 2005. Tamandaré: Cepene/ IBAMA.

Jacobi, P. (1993). Movimentos sociais e políticas públicas (2. ed.). São Paulo: Cortez.

Leite Lopes, J. S. (2004). A ambientalização dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Relume, 2004.

Losekann, C. (2016). A política dos afetados pelo extrativismo na América Latina. Revista Brasileira de Ciência Política, 20, 121-164.

Löwy, M. (1991). Marxismo e teologia da libertação. São Paulo: Cortez/Autores Associados.

Lukács, G. (1978). As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Temas de Ciências Humanas. p. 1-18, São Paulo, Livraria Editora Ciências Humanas.

Lukács, G. (2012). Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo.

Lustosa, I. (2004). As trapaças da sorte: ensaios de história política e história cultural. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Maldonado, S. C. (1986). Pescadores do mar. São Paulo: Ática.

Marinho, M. S. (2009). Movimento social e conflitos na pesca (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Martins Filho, J. R. (2010). A Marinha Brasileira na era dos encouraçados, 1895-1910: tecnologia, forças armadas e política. Rio de Janeiro: FGV.

Martins, J. S. (1986). Camponeses e a política no Brasil (3. ed.). Petrópolis: Vozes.

Martins, J. S. (1994). O poder do atraso. São Paulo: Hucitec.

Martins, J. S. (2003). O sujeito oculto. Porto Alegre: UFRGS.

Medeiros, L. S. (1989). História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: FASE.

Mendras, H. (1978). Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Ministério da Pesca e Aquicultura (2012). Boletim Estatístico da Pesca e Aquicultura: Brasil 2010. Brasília: MPA.

Nascimento, Á. P. (2001). A ressaca da marujada: recrutamento e disciplina na Armada Imperial. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Neto, J. D. (2003). Gestão do uso dos recursos pesqueiros marinhos no Brasil. Brasília: Ibama.

Neves, D. P. (2008). Desenvolvimento social e mediadores políticos. Porto Alegre: UFRGS.

Paiva, M. P. (2004). Administração pesqueira no Brasil. Rio de Janeiro: EditoraInterciência.

Paranhos, A. (2007). O roubo da fala (2. ed.). São Paulo: Boitempo.

Petras, J. (1997). As esquerdas e as novas lutas sociais na América Latina. Revista Lutas Sociais- PUC-SP, 2, 5-17.

Potiguar Junior, P. L. T. (2007). Desvelando o invisível: os movimentos sociais na pesca e suas ações no estuário do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, 2(3), 51-62.

Ramalho, C. W. N. (1999). Pescadores artesanais e o poder público: um estudo sobre a Colônia de Pesca, de Itapissuma, PE (Monografia). Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.

Ramalho, C. W. N. (2014). Estado, pescadores e desenvolvimento nacional: da reserva naval à aquícola. Revista Ruris, 8(1), 31-62.

Ramalho, C. W. N. (2015). Ideologia e Aquicultura: uma das faces da revolução azul. Contemporanea (São Carlos-SP, UFSCAR), 5(2), 521-544.

Ramalho, C. W. N. (2017). Embarcadiços do encantamento: trabalho sinônimo de arte, estética e liberdade na pesca marítima. Campinas-SP: Ceres-Unicamp; São Cristóvão-SE: Edufs.

Saavedra, F. E. (2014). História do debate ambiental na política mundial - 1945-1992.Ijuí: Unijuí.

Sabourin, E. (2009). Camponeses do Brasil. Rio de Janeiro: Garamond.

Santos, B. S. S., Marques, M. M. L., &Pedroso, J. (1995). Os tribunais nas sociedades contemporâneas. Coimbra: Centro de Estudos Sociais.

Sales, L. M. (2007). A mediação de conflitos e a pacificação social. Florianópolis: Conceito.

Santos, A. H. (2018). A justiça ambiental e os novos direitos constitucionais: a função socioambiental dos territórios quilombolas do Parque Estadual da Pedra Branca. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, São Paulo, 20(3), 457-478.

Scherer-Warren, I. (1993). Redes de movimentos sociais (2. ed.). São Paulo: Loyola.

Schlosberg, D. (2013). Theorising environmental justice: the expanding sphere of a discourse. Environmental Politics, 22(1), 37-55.

Schwarcz, L. M. (2017). Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Cia das Letras.

Silva, C. N. (2006). Igreja Católica, assistência social e caridade: aproximações e divergências. Sociologias, 8(15), 326-351.

Silva, E. L. P., Wanderley, M. B., & Conserva, M. S. (2014). Proteção social e território na pesca artesanal do litoral paraibano. Serviço Social & Sociedade, (117), 169-188.

Silva, L. G. (1988). Os pescadores na história do Brasil. Petrópolis: Vozes; Olinda: CPP.

Spengler, F. M. (2012). Fundamentos políticos da mediação comunitária. Ijuí: Unijuí.

Tassara, H. (2005). A pesca artesanal no Brasil. In R. Linsker & H. Tassara. O mar é uma outra terra (pp. 17-24). São Paulo: Terra Virgem.

Velho, G. (2001). Biografia, trajetória e mediação. In G. Velho & K. Kuchnir (Orgs.), Mediação, cultura e política (pp. 13-28). Rio de Janeiro: Aeroplano.
 


Submetido em:
02/04/2018

Aceito em:
23/12/2018

5ea7588a0e8825ab72f1743a resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections