Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2020.218845
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Circulação de dons, trabalho e renda do turismo na comunidade rural Chã de Jardim, na Paraíba

Exchange of gifts, work and income from tourism in the rural community Chã de Jardim, in the Paraíba

Josilene Ribeiro Oliveira

Downloads: 0
Views: 59

Resumo

Este artigo relata uma análise empírica sobre os arranjos e as hibridizações entre valores tradicionais e modernos, focalizando as articulações entre trocas simbólicas e mercantis, a partir da participação de sitiantes na produção da oferta turística. O objetivo geral é analisar as transformações e adaptações dos valores camponeses à dinâmica do mercado. Os dados apresentados foram construídos a partir de uma etnografia da comunidade Chã de Jardim, incluindo também consultas a dados estatísticos e documentos oficiais sobre emprego e renda no município de Areia (PB), além da realização de entrevistas semidirigidas com os sitiantes. No plano teórico, privilegia-se uma discussão sobre o caráter ambíguo da dádiva e a obrigação de retribuição intrínseca ao princípio da reciprocidade. Para tanto, revisitam-se as interpretações de Marcel Mauss e Claude Lévi-Strauss, em interlocução com as abordagens mais recentes de Aafke Komter, Philippe Steiner, Éric Sabourin e Marcos Lanna, dentre outros pesquisadores. Os resultados da pesquisa permitiram compreender a formação e o funcionamento do microssistema de redistribuição da renda do turismo, o qual está subordinado, em grande medida, à dinâmica da reciprocidade e aos valores camponeses, com destaque para o sistema hierárquico preexistente nas relações sociais comunitárias.

Palavras-chave

turismo, trabalho e renda, reciprocidade, dádiva, campesinidade

Abstract

This paper reports on an empirical analysis of the arrangements and hybridizations between traditional and modern values. The focus is the articulations between symbolic and mercantile exchanges, based on the participation of “peasants” in the production of tourism. The general aim is to analyze the transformations and adaptations of rancher values to market dynamics. The data presented were constructed from an ethnography of the Chã de Jardim Community, including also consultations the statistical data and official documents on employment and income in the city of Areia/PB, as well as semi-structured interviews accomplished with the ‘ranchers’. On the theoretical level, a discussion is focused on the ambiguous character of the gift, the obligation of retribution intrinsic to the principle of reciprocity. In this way, it was revisited the interpretations of Marcel Mauss and Claude Lévi-Strauss, in interlocution with the most recent approaches of Aafke Komter, Philippe Steiner, Éric Sabourin and Marcos Lanna, among other authors. The results of the research made it possible to understand the formation and functioning of the microsystem of redistribution of tourism income, which is largely subordinated to the dynamics of reciprocity and peasant values, with emphasis on the pre-existing hierarchical system in social relations of community.

Keywords

tourism, work and income, reciprocity, gift, peasant ethic

Referências

Alves Â. G. C. “Barro de loiça” à “loiça de barro”: caracterização etnopedológica de um artesanato camponês no Agreste Paraibano. 2004.

Appadurai A. Introdução: Mercadorias e a política de valor.. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. 2008.

Aulete C. Minidicionário contemporâneo da língua portuguesa.. 2004.

Bartholo R., Sansolo D. G., Bursztyn I. Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras.. 2009.

Bourdieu P. Marginalia. Algumas notas adicionais sobre o dom. Mana. 1996;2(2):7-20.

Decreto nº 5.598 de 01 de dezembro de 2005. Regulamenta a contratação de aprendizes e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. 2005.

Manual para o desenvolvimento e integração de atividades turísticas com foco na produção associada. 2011.

Relação Anual de Informações Sociais – RAIS. Dados 2015. 2017.

Bursztyn I., Bartholo R., Delamaro M. Turismo para quem? Sobre caminhos de desenvolvimento e alternativas para o turismo no Brasil.. Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras.. 2009.

Calvente M. C. M. H. Turismo e Excursionismo - o Qualificativo Rural. Um estudo das experiências e potencialidades no Norte Velho do Paraná. 2001.

Dantas B. R. N. A Permacultura como instrumento de sustentabilidade na comunidade rural Chã de Jardim, Areia-PB. 2017.

Elesbão I. Impactos socioeconômicos do turismo.. Teoria e prática do turismo no espaço rural.. 2010.

Grevin A. Amor e as políticas de empresas. A dádiva como dimensão essencial do trabalho. REALIS. 2016;6(1).

Grynszpan M. Os idiomas da patronagem: um estudo da trajetória de Tenório Cavalcanti. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 1990;14(5):73-90.

Dados gerenciais de unidades visitadas em Areia: Setor 2 e Setor 8.. 2015.

Cidades. Censo agropecuário: dados Areia. 2017.

Sistema de informações sobre o mercado de trabalho no setor de turismo. 2017.

Komter A. Gifts and Social Relations, The Mechanisms of Reciprocity. Revue du MAUSS. 2007.

Lanna M. P. D. Repensando a troca trobriandesa. Revista de Antropologia. 1992;35:129-48.

Lanna M. P. D. A dívida divina: troca e patronagem no Nordeste brasileiro.. 1995.

Lanna M. P. D. Reciprocidade e hierarquia. Revista de Antropologia. 1996;39(1):111-44.

Lévi-Strauss C. As estruturas elementares do parentesco.. 1982.

Lévi-Strauss C. Introdução à obra de Marcel Mauss. Sociologia e antropologia.. 2003.

Malinowski B. Argonautas do Pacífico Ocidental.. 1984.

Marques A. L., Araújo D. C., Diniz L. S. Novo rural brasileiro nos brejos do Estado da Paraíba. Revista Geotemas. 2016;6(2):47-58.

Martins P. H. A Sociologia de Marcel Mauss: dádiva, simbolismo e associação. Revista Crítica de Ciências Sociais. 2005;73:45-66.

Mauss M. Marcel Mauss: sociologia e antropologia. 2003.

Ramiro P. A., Menegat A. S. Reordenamento agrário e reprodução social no início do século XXI: considerações iniciais. Revista de Ciências Sociais. 2016;45:13-24.

Sabourin É. Práticas de reciprocidade e economia de dádiva em comunidades rurais do Nordeste brasileiro. Raízes. 1999;44(20):41-9.

Sabourin É. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade.. 2009.

Steiner P. Altruímos, dons e trocas simbólicas: abordagens sociológicas da troca.. 2016.

Talavera A. S. O rural como produto turístico: algo de novo brilha sob o sol?. Olhares contemporâneos sobre o turismo. 2000:151-70.

Vandenberghe F. Entre la voix et la croix, le don et la donation. Journal de MAUSS. 2009.

Wanderley M. N. B. Prefácio à edição brasileira.. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade.. 2009.

Wolf E. Antropologia e poder. 2003.

Woortmann K. Com parentes não se negoceia: o campesinato como ordem moral. Anuário Antropológico/87. 1990.


Submetido em:
21/09/2019

Aceito em:
02/12/2019

5f3f0a4c0e8825372ed3742f resr Articles

resr

Share this page
Page Sections