Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.220367
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Poder de compra, preço e consumo de fertilizantes minerais: uma análise para o centro-oeste brasileiro

Purchase power, price and mineral fertilizers consumption: an analysis for central Brazil

Cristiane Mitie Ogino; Geraldo Costa Junior; Nataliya Dimitrova Popova; João Gomes Martines Filho

Downloads: 0
Views: 73

Resumo

Os fertilizantes minerais estão entre insumos de maior contribuição para o aumento da produtividade agrícola no Brasil. No entanto, a dependência de recursos naturais escassos e do uso extensivo de energia para a sua síntese faz com que a produção agrícola seja sensível aos choques de oferta e demanda deste insumo. Diante disso, analisou-se a dinâmica entre a quantidade consumida de fertilizantes minerais, o seu preço e o poder de compra ponderado pela produtividade de produtores do Centro-Oeste – região que apresenta o maior consumo de fertilizantes minerais e que concentra a maior produção agrícola do país. Empregou-se o modelo autorregressivo vetorial estrutural (SVAR) para os fertilizantes nitrogenados, fosfatados e potássicos, isoladamente. Os resultados indicam que a quantidade consumida é a variável mais endógena, e o preço, a mais exógena. As estimativas das funções impulso-resposta mostraram que o grupo dos fertilizantes potássicos apresentou maior sensibilidade da quantidade consumida e o poder de compra face a um choque nos preços. Por outro lado, os fertilizantes nitrogenados apresentaram a maior sensibilidade na quantidade consumida em resposta a um choque no poder de compra ponderado pela produtividade.

Palavras-chave

fertilizantes minerais, produtividade agrícola, SVAR

Abstract

Mineral fertilizers are among the major contributors to the increase in agricultural productivity in Brazil since the 1980s. However, the dependence on scarce natural resources and the extensive use of energy for their synthesis have made agricultural production sensitive to fluctuations in the supply and demand for this type of fertilizers. In this sense, this paper analyzed the dynamics between fertilizers consume, price and producers’ purchasing power weighted by productivity in Brazil’s Central-East region. This region is responsible for the highest consumption of mineral fertilizers and the largest agricultural production in the country. Using the structural vector autoregressive model (SVAR), three equations for each of the major groups of mineral fertilizers were estimated: nitrogen, phosphate and potassium. Estimates of the impulse-response functions showed that potassium fertilizers had greater sensitivity of both the quantity consumed and the purchasing power in response to a price shock. On the other hand, nitrogen fertilizers had the highest sensitivity of the quantity consumed in response to a purchasing power shock.

Keywords

mineral fertilizer, agricultural productivity, SVAR

Referências

Alves E., Contini E., Hainzelin E. Transformações da agricultura brasileira e pesquisa agropecuária. Cadernos de Ciência & Tecnologia. 2005;22(1):37-51.

Anuário estatístico do setor de fertilizantes. 2017.

Inferências nacionais a partir dos indicadores regionais. 2017.

Bini D., Souza M., Canever M., Ely R. Transmissão de preços ao longo das cadeias produtivas no Brasil. Revista de Economia. 2016;43(1):1-20.

Inflation & Prices.. 2017.

ALICEWEB. 2017.

Broch D. L., Ranno S. K. Fertilidade do solo, adubação e nutrição da cultura da soja. Tecnologia de produção de soja e milho 2008/2009. 2008:5-36.

Brunelle T., Dumas P., Souty F., Dorin B., Nadaud F. Evaluating the impact of rising fertilizer prices on crop yields. Agricultural Economics. 2015;46(5):653-66.

Camargo M. S. A importância do uso de fertilizantes para o meio ambiente. Pesquisa & Tecnologia. 2012;9(2).

Carman H. F. The demand for nitrogen, phosphorous and potash fertilizer nutrients in the Western United States. Western Journal of Agricultural Economics. 1979;4:23-31.

Castro N. R. O impacto de variáveis climáticas sobre o valor da produção agrícola – análise para alguns estados brasileiros. 2014.

Cibantos J. S., Larson D. W. A demanda para fertilizantes em um país em desenvolvimento: o caso de São Paulo, Brasil, 1948-71. Revista de Administração Empresarial. 1974;14(5):46-53.

Coelho A. M. Agricultura de Precisão: manejo da variabilidade espacial e temporal dos solos e culturas. Agricultura. 2005;1518(4277):46.

Acompanhamento da safra brasileira: Grãos Safra 2016/17. 2017;4(12).

Dickey D. A., Fuller W. A. Likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica. 1981;49(4):1057-72.

Dickey D. A., Pantula S. G. Determining the order of differencing in autoregressive processes. Journal of Business & Economic Statistics, Washington. 1987;5(4):455-61.

Enders W. Applied econometric time series. 2010.

The statistic division: FAOSTAT. 2017.

Friedrich M. Uma análise da demanda por fertilizantes no Brasil no período de 1970 a 2010. 2012.

FGVdados. 2017.

Gnutzmann H., Spiewanowski P. Did the fertilizer cartel cause the food crisis? Demographischer Wandel. International Trade and Development. 2014;19(19):1-4.

Griliches Z. The demand for fertilizer: an economic interpretation of a technical change. Journal of Farm Economics. 1958;40(3):591-606.

Produtividade agrícola municipal. 2017.

Índice geral de preços: disponibilidade interna.. 2017.

Johansen S. Statistical analysis of cointegration vectors. Journal of Economic Dynamics and Control, North-Holland. 1988;12:231-54.

Lopes A. S., Guilherme L. R. G. Uso eficiente de fertilizantes e corretivos agrícolas: aspectos agronômicos. 2000.

Mackinnon J. G. Numerical distribution functions for unit root and cointegration tests. Journal of Applied Econometrics. 1996:601-18.

Mahmood M. A. A. Fertilizer demand in Bangladesh. Bangladesh Journal of Agricultural Economics. 1995;18(2).

Malingreau J. P., Eva H., Maggio A. NPK: will there be enough plant nutrients to feed a world of 9 billion in 2050?. 2012.

Mergos G. J., Stoforos C. E. Fertilizer demand in Greece. Agricultural Economics. 1997;16(3):227-35.

Nicolella A. C., Dragone D. S., Bacha C. J. C. Determinantes da demanda de fertilizantes no Brasil no período de 1970 a 2002. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2005;43(1):81-100.

Ogasawara E., Kulaif Y., Fernandes F. R. C. A Indústria brasileira de fertilizantes (cadeia NPK, enxofre, rocha fosfática e potássio): projeções de 2010 a 2030. Agrominerais para o Brasil. 2010:145-68.

Osterwald-Lenum M. A Note with Quantiles of the Asymptotic Distribution of the Maximum Likelihood Cointegration Rank Test Statistics. Oxford Bulletin of Economics and Statistics. 1992;55(3):461-72.

Ott H. Fertilizer markets and their interplay with commodity and food prices. 2012.

Pescarin R. M. C. Relações estruturais da demanda de fertilizantes no Estado de São Paulo. 1974.

Profeta G. A., Braga M. J. Poder de mercado na indústria brasileira de fertilizantes NPK (04-14-08), no período de 1993-2006. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2011;49(4):837-56.

Sims C. A. Macroeconomics and methodology. The Journal of Economic Perspectives. 1996;10(1):105-20.

Spolador H. F. S. Impactos dinâmicos dos choques de oferta e demanda na agricultura brasileira. 2006.

Tenkorang F., Lowenberg-Deboer J. Forecasting long-term global fertilizer demand. Nutrient Cycling in Agroecosystems. 2009;83(3):233.

Vieira Filho J. E. R., Fishlow A. Agricultura e indústria no Brasil.. 2017.

World Development Indicators.. 2017.


Submetido em:
22/02/2019

Aceito em:
16/02/2020

5f4fe4cf0e882599047dc2e2 resr Articles

resr

Share this page
Page Sections