Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.222254
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Panorama da agricultura orgânica e dos agrotóxicos no Brasil: uma análise a partir dos censos 2006 e 2017

Overview of organic agriculture and pesticides in Brazil: an analysis from the 2006 and 2017 censuses

Taíse Fátima Mattei; Ednaldo Michellon

Downloads: 2
Views: 757

Resumo

Resumo: Frente ao debate relativamente antigo sobre o uso de agrotóxicos e práticas agrícolas mais sustentáveis, este artigo se propõe a fazer um panorama da agricultura orgânica e do uso de agrotóxicos no Brasil, a partir dos Censos Agropecuários de 2006 e 2017. A pesquisa se caracterizou como comparativa descritiva e focou a análise nos estabelecimentos agropecuários. Os principais resultados indicaram que, em 2006, cerca de 27% dos estabelecimentos agropecuários usavam agrotóxicos; já em 2017, esse percentual subiu para 33%. As regiões líderes em estabelecimentos com uso de agrotóxicos em 2006 e 2017 eram Sul e Nordeste. Os estados Rio Grande do Sul e Paraná eram os estados onde se encontravam o maior número de estabelecimentos produzindo com agrotóxicos do total brasileiro, nos dois Censos analisados. Com relação à agricultura orgânica, percebeu-se que houve uma redução relativa do número de estabelecimentos com agricultura orgânica no Brasil nesse período, embora seja preciso fazer ressalvas quanto à possibilidade de superestimação das informações. Em 2006, estavam, na região Nordeste, 46,7% desses estabelecimentos, 21% na região Sul e 20% na região Sudeste. Já em 2017, 28% estavam na região Sudeste, 27% na região Nordeste e 20% na região Sul.

Palavras-chave

agroecologia, estabelecimentos agropecuários, regiões, sustentabilidade

Abstract

Abstract: Given the relatively old debate on the use of pesticides and more sustainable agricultural practices, this article aims to provide an overview of organic agriculture and the use of pesticides in Brazil from the 2006 and 2017 Agricultural Censuses. The research was characterized as a descriptive comparison and focused the analysis on agricultural establishments. The main results indicated that in 2006 about 27% of agricultural establishments used pesticides, in 2017, this percentage rose to 33%. The leading regions in establishments using pesticides in 2006 and 2017 were the South and Northeast. The states of Rio Grande do Sul and Paraná were the states where the largest number of establishments producing pesticides of the Brazilian total were found in the two Censuses analyzed. Concerning organic agriculture, there was a relative reduction in the number of establishments with organic agriculture in Brazil in this period, although it is necessary to make reservations regarding the possibility of overestimating the information. In 2006, 46.7% of these establishments were in the Northeast, 21% in the South, and 20% in the Southeast. In 2017, 28% were in the Southeast, 27% in the Northeast, and 20% in the South.
 

Keywords

agroecology, agricultural establishments, regions, sustainability

Referências

Alves Filho, J. P. (2002). Uso de agrotóxicos no Brasil: controle social e interesses corporativos. São Paulo: Annablume/FAPESP.

Assis, R. L. (2005). Agricultura orgânica e agroecologia: questões conceituais e processo de conversão (Documentos, 196). Seropédica: EMBRAPA. Recuperado em 12 agosto de 2018, de https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/628360/1/doc196.pdf

Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO. (2012). Dossiê: uma alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na Saúde. Parte 1. Agrotóxicos, segurança alimentar e saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO. Recuperado em 25 setembro de 2020, de http://www.cvs.saude.sp.gov.br/zip/Dossie_Abrasco_01.pdf

Azevedo, E. (2018). Alimentos Orgânicos: ampliando conceitos de saúde humana, ambiental e social. Senac. Recuperado em 25 de setembro, 2020, de https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=1XF_DwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT2&dq=Elaine+de+Azevedo&ots=SXYMY2HRvr&sig=qrkf-Oj_g-sR--Od4Xf2m5SKcTo#v=onepage&q=Elaine%20de%20Azevedo&f=false

Brasil. (1989, 11 julho). Lei nº 7.802 de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre agrotóxicos e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. (2003, 23 dezembro). Lei nº 10.831 de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília.

Brasil. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA. (2017). Folder- Produto Orgânico. Brasília: MAPA. Recuperado em 16 outubro, 2018, de http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sustentabilidade/organicos/arquivos-publicacoes-organicos/folder-organico_web.pdf/view

Campanhola, C., & Bettiol, W. (2003). Panorama sobre o uso de agrotóxicos no Brasil. In C. Campanhola & W. Bettiol. Métodos alternativos de controle fitossanitário. Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente. Recuperado em 26 setembro de 2020, de https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/1076531/1/Campanholapanorama.pdf

Campanhola, C., & Valarini, P. J. (2001). A agricultura orgânica e seu potencial parao pequeno agricultor. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 18(3), 69-101. Recuperado em 20 agosto de 2018, de http://seer.sct.embrapa.br/index.php/cct/article/view/8851

Caporal, F. R. (2009). Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. Embrapa Caprinos e Ovinos-Outras publicações científicas (ALICE). Recuperado em 12 agosto de 2018, de http://reformaagrariaemdados.org.br/sites/default/files/Agroecologia,%20ciencia%20para%20a%20agricultura%20mais%20sustentavel%20-%20Francisco%20Caporal.pdf

Federação Internacional dos Movimentos de Agricultura Orgânica – IFOAM. (2018a). Definição de agricultura orgânica. Recuperado em 10 agosto, 2018, de https://www.ifoam.bio/en/organic-landmarks/definition-organic-agriculture

Federação Internacional dos Movimentos de Agricultura Orgânica – IFOAM. (2018b). Annual Reports. Recuperado em 11 agosto de 2018, de https://www.ifoam.bio/en/our-library/annual-reports

Ferreira, M. L. P. C. (2013). A regulação do uso dos agrotóxicos no Brasil: uma proposta para um direito de sustentabilidade (Tese de doutorado). Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Florianópolis.

Fonseca, M. F. A. C. (2009). Agricultura orgânica: regulamentos técnicos e acesso aos mercados dos produtos orgânicos no Brasil. Niterói: PESAGRO-RIO.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2006). Censo Agropecuário 2006. Recuperado em 18 junho de 2018, de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2006/segunda-apuracao

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017). Censo Agropecuário 2017. Recuperado em 18 junho de 2018, de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017

Londres, F. (2011). Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida. Rio de Janeiro: AS-PTA–Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa.

Lourenço, A. V., Schneider, S., & Gazolla, M. (2017). A agricultura orgânica no Brasil: um perfil a partir do censo agropecuário 2006. Extensão Rural, 24(1), 42-61. Recuperado em 16 outubro de 2018, de https://periodicos.ufsm.br/extensaorural/article/view/24514

Madail, J. C. M., Belarmino, L. C., & Bini, D. A. (2011). Evolução da produção e mercado de produtos orgânicos no Brasil e no mundo. Revista Científica da Ajes, 2(3). Recuperado em 24 setembro de 2020, de http://revista.ajes.edu.br/index.php/rca/article/view/53

Maynart, G. (2018). Só 0,2% dos agricultores da Bahia comprovam que produzem orgânicos. Correio. Recuperado em 25 de setembro de 2020, de https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/so-02-dos-agricultores-da-bahia-comprovam-que-produzem-organicos/

Michellon, E., Rocha, C. H., Martins, F. R. C., Kawakami, J., Roveda, L. F., Kawano, L. C., Ventura, M. U., Garcia, R. C., Macedo, R. B., & Wihelm, V. I. (2011a). Paraná mais orgânico: relatos de experiências de certificação pública de produtos orgânicos. Curitiba: CRV.

Michellon, E., Rosa, G. M., Kawakami, J., Branco, K. B. Z. F., & Carvalho, T. M. M. (2011b). Certificação pública de produtos orgânicos: a experiência paranaense. Maringá: Chichetec.

Moraes, M. L., & Michellon, E. (2012). Inovações na agroecologia e o desenvolvimento sustentável. In Anais do 50º Congresso da SOBER. Brasília: SOBER.

Ormond, J. G. P., De Paula, S. R. L., Faveret Filho, P., & Da Rocha, L. T. M. (2002). Agricultura orgânica: quando o passado é futuro. BNDES Setorial, 15, 3-34. Recuperado em 11 agosto, 2018, de https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/2479

Pelaez, V., Teodorovicz, T., Guimarães, T. A., Da Silva, L. R., Moreau, D. & Mizukawa, G. (2016). A dinâmica do comércio internacional de agrotóxicos. Revista de Política Agrícola, 2, 39-52. Recuperado em 24 agosto de 2018, file:///C:/Users/acer/Downloads/Revista%20de%20Pol%C3%ADtica%20Agr%C3%ADcola%20n2-2016.pdf

Pignati, W. A., Lima, F. A. N. S., De Lara, S. S., Correa, M. L. M., Barbosa, J. R., & Leão, L. H. C., & Pignatti, M. G. (2017). Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 3281-3293. Recuperado em 06 outubro de 2018, de https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232017001003281&script=sci_arttext&tlng=es

Rigotto, R. M., Vasconcelos, D. P., & Rocha, M. M. (2014). Uso de agrotóxicos no Brasil e problemas para a saúde pública. Cadernos de Saude Publica, 30, 1360-1362. Recuperado em 26 setembro de 2020, de https://www.scielosp.org/article/csp/2014.v30n7/1360-1362/pt/#

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – SEBRAE. (2018). Orgânicos SEBRAE: Avaliação da Conformidade Orgânica. Recuperado em 16 outubro de 2018, de http://www.agricultura.gov.br/assuntos/camaras-setoriais-tematicas/documentos/camaras-tematicas/agricultura-organica/2018/32a-ro/organicos-sebrae-avaliacao-da-conformidade-organica-e-sebraetec-ctao-27-4-18.pdf/view

Sversutti, W. D., Oliveira, A. R. R., & Michellon, E. (2009). Tecnologias alternativas na agricultura sustentável. In Anais do XVIII Encontro Anual de Iniciação Científica – EAIC, Londrina: UEL.

Terra, F. H. B. (2008). A Indústria de Agrotóxicos no Brasil (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Whitacker, G. M. (2012). Agricultura orgânica: estratégia capitalista para a (re) produção do espaço rural. Geografia em Atos (Online), 1(12), 75-94. Recuperado em 12 agosto de 2018, de http://revista.fct.unesp.br/index.php/geografiaematos/article/view/1613
 


Submetido em:
14/06/2019

Aceito em:
18/12/2020

60e4b23ca953955ab07ea816 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections