Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.222418
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo Original

Impactos ambientais e socioeconômicos da produção integrada de base ecológica em unidades de produção familiar do Distrito Federal e entorno

Environmental and socioeconomic impacts of ecologically based integrated production: A case study in three family units of the Federal District and surrounding

Manuel Steven Gusman Muñoz; João Paulo Guimarães Soares; Marlon Vinícius Brisola; Ana Maria Resende Junqueira; Maria Julia Pantoja

Downloads: 0
Views: 14

Resumo

Resumo: O trabalho analisou os impactos ambientais e socioeconômicos da produção integrada de base ecológica, considerando a sustentabilidade em longo prazo das atividades de produção vegetal e da criação animal nas unidades produtivas. Para esse fim, foram avaliadas três unidades agropecuárias familiares, denominadas “A”, “B” e “C”, localizadas na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE-DF). Nessas unidades, foi aplicado o Sistema de Avaliação Ponderada de Impacto Ambiental de Atividades do Novo Rural (APOIA-Novo Rural), o qual contempla cinco dimensões de sustentabilidade: (a) Ecologia da paisagem, (b) Qualidade dos compartimentos ambientais (atmosfera, água e solo), (c) Valores socioculturais, (d) Valores econômicos e (e) Gestão e Administração. No sistema, o Índice de Sustentabilidade da Atividade é definido por uma linha de adequação ambiental, estipulada em 0,70 (em uma escala de 0 a 1). A produção integrada de base ecológica das três unidades avaliadas gerou desempenhos positivos no Índice Médio de Sustentabilidade (0,74), com destaque para as dimensões Gestão e Administração (0,88) e Ecologia da Paisagem (0,79). Embora o resultado global tenha sido positivo, a análise apontou a necessidade de investimentos na variável solo sob manejo orgânico.

Palavras-chave

agroecologia, produção orgânica, índice de sustentabilidade, APOIA-Novo Rural

Abstract

Abstract: : The work analyzed the environmental and socioeconomic impacts of integrated ecological production, considering the long-term sustainability of plant production and animal husbandry activities. For this purpose, three family farming units, called “A”, “B” and “C”, located in the Integrated Region of the Federal District and Surroundings (RIDE – DF), were evaluated. In these units, the Weighted Environmental Impact Assessment System for Novo Rural Activities (APOIA-Novo Rural) was applied, which includes five dimensions of sustainability: (a) Landscape ecology; (b) Quality of the environmental compartments (atmosphere, water, and soil); (c) Sociocultural values; (d) Economic values ​​and (e) Management and Administration. In the system, the Activity Sustainability Index is defined by an environmental adequacy line, set at 0.70 (on a scale of 0 to 1). Ecologically based integrated production of the three units generated positive performances in the average sustainability index (0.74), with emphasis on the Management and Administration (0.88) and Landscape Ecology (0.79) dimensions. Although the overall result was positive, the analysis pointed to the need for investments in the variable soil under organic management.
 

Keywords

agroecology, organic production, sustainability index, APOIA-Novo Rural

Referências

Abramovay, R. (1990). De camponeses à agricultores: paradigmas do capitalismo agrário em questão (Tese de doutorado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

Aguiar, A., Godinho, M., & Costa, C. (2005). Produção integrada. Porto: Sociedade Portuguesa de Inovação.

Brasil. Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário – SEAD. (2017). Brasil agroecológico: Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (PLANAPO). Recuperado em 8 de abril de 2019, de http://www.mda.gov.br/planapo/

Brisola, M. V. (2001, julho). Operações na pecuária de corte: uma abordagem (eco) sistêmica. In Anais do IV Congresso Brasileiro de Administração Rural. Goiânia.

Buainain, A. (2006). Agricultura familiar, agroecologia e desenvolvimento sustentável: questões para debate. Brasília: IICA.

Campanhola, C., & Valarini, P. J. (2001). A agricultura orgânica e seu potencial para o pequeno agricultor. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 18(3), 69-101.

Campanhola, C., Rodrigues, G. S., Valarini, P. J., Frighetto, R. T. S., Queiroz, J. F., Toledo, L. G., Ramos Filho, L. O., Rodrigues, I., & Brombal, J. C. (2004). Avaliação do impacto ambiental de atividades do novo rural. In C. Campanhola & J. G. Silva (Eds.), O novo rural brasileiro novas atividades rurais (pp. 279-306). Brasília: Embrapa Informação Tecnológica.

Castro Neto, N., Denuzi, V. S. S., Rinaldi, R. N., & Staduto, J. R. (2010). Produção orgânica: uma potencialidade estratégica para a agricultura familiar. Revista Percurso, 2(2), 73-95.

Cavalcanti, N., & Maistro, M. (2015). A produção orgânica da agricultura familiar no Nordeste brasileiro e sua inserção no Programa de Aquisição de Alimentos. Cadernos de Agroecología, 10(3), 1-5.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal – CODEPLAN. (2013). Pesquisa Metropolitana por Amostra de Domicílios (PMAD): Santo Antônio do Descoberto. Brasília. Recuperado em 08 de abril de 2019, de http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/Santo-Antônio-do-Descoberto-2013.pdf

Companhia de Planejamento do Distrito Federal – CODEPLAN. (2015). Agricultura familiar no Distrito Federal: dimensões e desafios. Brasília. Recuperado em 08 de abril de 2019, de http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/Agricultura-Familiar-no-DF-Dimensões-e-Desafios.pdf

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. (2012). Portfólio de projetos em sistemas de produção de base ecológica: documento síntese. Brasília: Comitê Gestor do Portfolio de Projetos em Sistemas de Base Ecológica.

Fonseca, M. F. A. (2005). Institucionalização do mercado de orgânicos no mundo e no Brasil: uma interpretação (Tese de doutorado). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Freire, A. G., Silveira, L., Melo, M. N., & Nogueira, F. (2009). No inverno a gente planta, no verão a gente cria. In M. Lima (Ed.), Agriculturas: experiências em agroecologia: integração cultivos-criações (pp. 7-15). Rio de Janeiro: Fundação Ileia.

Freitas, J., Braga Sobrinho, R., & Viana, F. (2011). Guia para implementação do sistema de produção integrada de melão (Documentos, No. 141). Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical.

Galharte, C. A. (2007). Avaliação de impactos ambientais da integração lavoura-pecuária: estudo de caso da inovação tecnológica da Embrapa (Dissertação de mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo.

González de Molina, M. (2004). Historia y médio ambiente. Morelia: Jitanjáfora.

Lima, M. (2009). Agriculturas: experiências em Agroecologia. Leisa Brasil, 6(2). Recuperado em 08 de abril de 2019, de http://aspta.org.br/wp-content/uploads/2011/05/Agriculturas_v6n2.pdf

Lutzenberger, J. (2001). O absurdo da agricultura. Estudos Avançados, 15(43), 61-74.

Macedo, M. C. M. (2009). Integração lavoura e pecuária: o estado da arte e inovações tecnológicas. Revista Brasileira de Zootecnia, 38(spe), 133-146.

Marzall, K., & Almeida, J. (2000). Indicadores de sustentabilidade para agroecossistemas. Estado da arte, limites e potencialidades de uma nova ferramenta para avaliar o desenvolvimento sustentável. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 17(1), 41-59.

Mazoyer, M., & Roudart, L. (1998). História das agriculturas do mundo: do neolítico à crise contemporânea (J. L. Godinho, Trad.). Lisboa: Instituto Piaget.

Model, D., Esswein, D., Gallina, L. S., Teo, C. R. P. A., Nothafi, S. C. S., & Busato, M. A. (2015). Ambiente e alimentação saudável: percepções e práticas de agricultores familiares. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, 10(21), 142-158.

Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura – FAO. (2003). Agricultura orgánica, ambiente y seguridad alimentaria. Roma. Recuperado em 08 de abril de 2019, de http://www.fao.org/docrep/005/y4137s/y4137s00.htm

Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura – FAO. (2014). Pérdidas y desperdicio de alimentos en el mundo: alcance, causas y prevención. Roma. Recuperado em 08 de abril de 2019, de https://www.derechoalimentacion.org/sites/default/files/pdf-documentos/HLPE-Report-8_Web_0.pdf

Rezende, C. L. (2005). O agronegócio dos alimentos orgânicos (Dissertação de mestrado). MBA Fundance.

Rodrigues, G. (2011). Indicadores de sustentabilidade e boas práticas para gestão ambiental na aquicultura. In I Simpósio em Produção de Organismos Aquáticos e Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro, Brasil.

Rodrigues, G. S., Almeida Buschinelli, C. C., Santana, D. P., da Silva, A. G., & Pastrello, B. M. C. (2008). Avaliação ambiental de práticas de manejo sítio específico aplicadas à produção de grãos na região de Rio Verde (GO). Revista Brasileira de Agrociência, 14, 58-66.

Rodrigues, G. S., Campanhola, C., & Kitamura, P. C. (2003). Avaliação de impacto ambiental da inovação tecnológica agropecuária: AMBITEC-AGRO (Documentos, No. 34). Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente.

Rodrigues, G. S., Campanhola, C., Rodrigues, I., Friguetto, R. T. S., Valarini, P., & Ramos Filho, L. O. (2006). Gestão Ambiental de atividades rurais: estudo de caso em agroturismo e agricultura orgânica. Agricultura em São Paulo, 53, 17-31.

Rodrigues, G., & Campanhola, C. (2003). Sistema integrado de avaliação de impacto ambiental aplicado a atividades do Novo Rural. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 38(4), 445-451.

Serrano, J. (2005). El problema de los cultivos transgénicos en América Latina: una “nueva” revolución verde. Entorno Geográfico, 3, 93-120. Recuperado em 08 de abril de 2019, de http://web.ua.es/es/giecryal/documentos/documentos839/docs/cultivostransgenicos.pdf

Soares, J. P. G., Leal, M. A., Salman, A. K. D., & López, G. F. Z. (2018). Manejo da fertilidade de solos em áreas de pastagem orgânica. In I. M. Cardoso & C. Favero (Ed.), Solos e agroecologia (Coleção Transição Agroecologia, No. 4, pp. 271-305). Brasília: EMBRAPA.

Soares, J. P. G., Neves, D. L., & Carvalho, J. M. (2014). Produção de carne bovina em sistema orgânico: desafios e tecnologias para um mercado em expansão. In R. L. Oliveira & M. A. A. F. Barbosa (Eds.), Bovinocultura de corte: desafios e tecnologias (2. ed., pp. 701-725). Salvador: EDUFBA.

Tosetto, E., Cardoso, I., & Furtado, S. A. (2013). importância dos animais nas propriedades familiares rurais agroecológicas. Revista Brasileira de Agroecologia, 8, 12-25. Recuperado em 08 de abril de 2019, de http://orgprints.org/26046/1/Toseto_A%20importancia%20dos%20Animais.pdf
 


Submetido em:
08/04/2019

Aceito em:
15/02/2021

60c2298ca953957cef147663 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections