Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.222727
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Desafios à permanência do jovem no meio rural: um estudo de casos em Piracicaba-SP e Uberlândia-MG

Challenges to the permanence of young people in rural environment: a case study in Piracicaba-SP and Uberlândia-MG

Márcia Freire Oliveira; Luciano Mendes; Andrea Costa van Herk Vasconcelos

Downloads: 0
Views: 37

Resumo

Este trabalho tem como objetivo compreender os fatores que levam os jovens a optar por permanecer ou não nos empreendimentos de agricultura familiar localizados em Uberlândia-MG e Piracicaba-SP. A não permanência dos jovens no campo leva à ausência de sucessores, impactando na continuidade desses empreendimentos de agricultura familiar. Foi realizado um estudo de casos qualitativo e descritivo nos dois municípios. Os dados foram coletados por meio de entrevistas em profundidade, semiestruturadas, com proprietários e potenciais sucessores de estabelecimentos de agricultura familiar de Uberlândia e Piracicaba. A análise dos dados foi feita por meio da técnica de análise de conteúdo. As categorias utilizadas para a realização da análise foram: (1) história familiar; (2) estímulos/obstáculos à permanência no campo; e (3) perspectivas/alternativas/possibilidades. Os resultados apontam que existem fatores que tanto fortalecem quanto prejudicam a permanência dos jovens no meio rural. O vínculo familiar, as melhorias de condições de trabalho e de renda e a realização de uma gestão compartilhada entre pais e filhos servem de estímulo ao trabalho do jovem no campo. No entanto, a existência de conflitos, o processo sucessório tardio e sem planejamento e a falta de políticas públicas para o fortalecimento da agricultura familiar podem desestimular a permanência do jovem no meio rural.

Palavras-chave

juventude rural, desafios à permanência no campo, agricultura familiar

Abstract

This study aims to understand the factors that lead young people to stay or not in their family farms located in Uberlândia-MG and Piracicaba-SP. The low permanence of young people in rural properties leads to the lack of successors, impacting the continuity of the family agriculture enterprises. We performed a qualitative and descriptive case study in both cities. Data were collected through semi-structured interviews with farm owners and potential family successors in Uberlândia-MG and Piracicaba-SP. Data analysis was performed using the content analysis technique, with the following categories: (1) Family History; (2) Incentives/obstacles to remain in the field and; (3) Perspectives/alternatives/possibilities. The results show the factors that strengthen and impair the permanence of young people in rural areas. Family bond, improvements in working conditions and the realization of a shared management between parents and sons serve as a stimulus to the work of young people in the countryside. Nevertheless, conflicts, late or unplanned succession process, lack of public policies for the family agriculture strengthening, are factors that discourage the permanence of the young in the rural environment.

Keywords

rural youth, challenges to staying in the field, family farming

Referências

Abramovay R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. 1992.

Abramovay R., Silvestro M., Cortina N., Baldissera T., Ferrari D., Testa V. M. Juventude e agricultura familiar: desafios dos novos padrões sucessórios.. 1998.

Abramovay R., Silvestro M., Mello M., Dorigon C., Baldissera I. Os impasses sociais da sucessão hereditária na agricultura familiar.. 2001.

Ahlert L. A sucessão das atividades na agricultura familiar. 2009.

Ahlert L., Chemin B. F. A sucessão patrimonial na agricultura familiar. Revista Estudo & Debate. 2010;17(1):49-74.

Anjos F. S., Caldas N. V. O futuro ameaçado: o mundo rural face aos desafios da masculinização, do velhecimento e da desagrarização. Ensaios FEE. 2005;26(1):661-94.

Barcellos S. B. A formulação das políticas públicas para a juventude rural no Brasil e os elementos constitutivos desse processo social. Mundo Agrario. 2015;16(32):1-32.

Bardin L. Análise de conteúdo.. 2011.

Bauer M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático.. 2002.

Boessio A. T., Doula S. M. Jóvenes rurales e influencias institucionales para la permanencia en el campo: un estudio de caso en una cooperativa agropecuária del Triângulo Mineiro. Interações. 2016;17(3):370-83.

SAF – crédito rural. 2017.

Brasil. 2018.

Brumer A., Anjos G. Gênero e reprodução social na agricultura familiar. Revista Nera. 2012:6-17.

Carneiro M. J. Herança e gênero entre agricultores familiares. Revista Estudos Feministas. 2001;9(1):22-55.

Castro E. G. Juventude rural no Brasil: processos de exclusão ea construção de um ator político. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud. 2009;7(1):179-208.

Castro E. G. D. Juventude rural: questões em debate. Juventude rural em perspectiva.. 2007.

Castro E. G. D. Entre ficar e sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural.. 2017.

Costa F. L. M., Ralisch R. A juventude rural do assentamento Florestan Fernandes no município de Florestópolis (PR). Revista de Economia e Sociologia Rural. 2013;51(3):415-32.

Ferrari D. L., Silvestro M. L., Mello M. A., Testa V. M., Abramovay R. Dilemas e estratégias dos jovens rurais: ficar ou partir?. Estudos Sociedade e Agricultura. 2004;12(1):236-71.

Froehlich J. M., Rauber C. D. C., Carpes R. H., Toebe M. Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na região central do RS. Ciência Rural. 2011;41(9):1674-80.

Grubbström A., Sooväli-Sepping H. Estonian family farms in transition: a study of intangible assets and gender issues in generational succession. Journal of Historical Geography. 2012;38(3):329-39.

Guanziroli C. E. Agricultura familiar e reforma agrária no século XXI.. 2001.

Handcock M. S., Gile K. J. Comment: On the concept of snowball sampling. Sociological Methodology. 2011;41(1):367-71.

Hicks J., Sappey R., Basu P., Keogh D., Gupta R. Succession planning in Australian farming. Australasian Accounting, Business and Finance Journal. 2012;6(4):94-110.

Censo agro 2017: resultados preliminares. 2019.

Brasil em síntese: panorama. 2019.

Censo agropecuário 2017: estatísticas. 2018.

Colonização e reforma agrária: tabela com módulos fiscais dos municípios. 2018.

Jurado C., Tobasura I. Dilema de la juventud en territorios rurales de Colombia: campo o ciudad?. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud. 2012;10(1):63-77.

Marafon G. J. Agricultura familiar, pluriatividade e turismo rural: reflexões a partir do território fluminense. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária. 2006;1(1):17-60.

Matte A., Machado J. A. D. Tomada de decisão e a sucessão na agricultura familiar no sul do Brasil. Revista de Estudios Sociales. 2017;18(37):130-51.

Matte A., Spanevello R. M., Andreatta T. Perspectivas de sucessão em propriedades de pecuária familiar no município de Dom Pedrito - RS. Holos. 2015;1:144-59.

Matte A., Spanevello R. M., Lago A., Andreatta T. Agricultura e Pecuária Familiar:(des) continuidade na reprodução social e na gestão dos negócios. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. 2019;15(1):19-33.

Mello M. A., Abramovay R., Silvestro M. L., Dorigon C., Ferrari D. L., Testa V. M. Sucessão hereditária e reprodução social da agricultura familiar. Agric São Paulo. 2003;50:11-24.

Moreira S. L., Spanevello R. M. Modelos sucessórios em propriedades rurais: um estudo no município de Cruz Alta/RS. Revista Grifos. 2019;28(46):27-47.

Niederle P. A., Fialho M. A. V., Conterato M. A. A pesquisa sobre agricultura familiar no Brasil-aprendizagens, esquecimentos e novidades. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2014;52(^sSupl.1):9-24.

Panno F., Machado J. A. D. Influências na decisão do jovem trabalhador rural: partir ou ficar no campo. Desenvolvimento em Questão. 2014;12(27):264-97.

Picolotto E. L. Os atores da construção da categoria agricultura familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural. 2014;52(^sSupl.1):63-84.

Sauer S. Agricultura familiar versus agronegócio: a dinâmica sociopolítica do campo brasileiro. 2008.

Savian M. Sucessão geracional: garantindo-se renda continuaremos a ter agricultura familiar?. Revista Espaço Acadêmico. 2014;14(159):97-106.

Simioni F. J. Determinantes da renda familiar no espaço rural: uma revisão. Organizações Rurais & Agroindustriais. 2013;15(3):397-410.

Spanevello R. As estratégias para manter a sucessão em estabelecimentos familiares. Juventude rural, cultura e mudança social. 2014:163-88.

Spanevello R. M., Azevedo L. F., Vargas L. P., Matte A. A migração juvenil e implicações sucessórias na agricultura familiar. Revista de Ciências Humanas. 2011;45(2):291-304.

Sposito M. E. B. A questão cidade-campo: perspectivas a partir da cidade. Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. 2006:111-30.

Wanderley M. N. B. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura. 2003:42-61.

Wanderley M. N. B. A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente. 2000;2:2.

Wilkinson J. O Estado, a agricultura e a pequena produção.. 2008.


Submetido em:
15/04/2019

Aceito em:
13/07/2020

5f7010cd0e8825fe6897b918 resr Articles

resr

Share this page
Page Sections