Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.233852
Revista de Economia e Sociologia Rural
Original Article

Increasing labor income and real unit labor costs in Brazilian agrobusiness

Rendimentos e custo unitário real do trabalho no agronegócio brasileiro

Nicole Rennó Castro; Geraldo Sant’Ana de Camargo Barros

Downloads: 0
Views: 655

Abstract

Abstract: This study analyzes the interactions between per worker labor income (PWLI), labor productivity, real unit labor costs, and the relationship between relevant employee (IPCA) and employers (GDP deflators) prices, specifically focusing on Brazilian agrobusiness. For that purpose, labor productivities of the entire agrobusiness sector and its segments were calculated from 2004 through 2015. We found that the gap between agrobusiness sector deflators and the IPCA did not play a preponderant role to mitigate the effect of PWLI growth of 3.81% annually on real unit labor cost (CURT), which only increased 0.21% annually. In turn, CURT was contained by productivity gains, boosted mainly by agriculture. Without this productivity growth, CURT would have increased at 3.7% annually, thus making unviable the observed simultaneous gains for employers and employees in the Brazilian agrobusiness sector. The result for the primary agrobusiness segment should be highlighted. Even with an annual increase of 4.07% in PWLI, the 7.24% annual growth in productivity implied on an average annual reduction in CURT (-2.56%); without this significant productivity growth, the same increase in PWLI would have boosted CURT by 4.7% annually.

Keywords

agrobusiness, labor productivity, unit labor costs, relative prices

Resumo

Resumo: Este estudo avalia, com foco no agronegócio, as interações entre a renda do trabalho por trabalhador (PWLI), a produtividade e os custos unitários reais do trabalho, bem como a relação entre os preços relevantes para empregados (IPCA) e empregadores (deflatores do PIB) no setor. Para isso, foi necessário calcular as produtividades do trabalho do agronegócio e seus segmentos para o período de 2004 a 2015. Verificou-se que o distanciamento entre deflator do PIB e IPCA não teve papel preponderante para mitigar o efeito do crescimento da PWLI, de 3,81% a.a., sobre o custo unitário real do trabalho (CURT), que aumentou apenas 0,21% a.a. O CURT foi contido por ganhos de produtividade no setor, impulsionados principalmente pela agropecuária. Sem esses aumentos de produtividade, o CURT teria aumentado 3,7% a.a., inviabilizando os ganhos simultâneos de empregadores e empregados do agronegócio. O resultado do segmento primário se destacou: mesmo com aumento de 4,07% a.a. na PWLI, o crescimento anual de 7,24% da produtividade implicou em redução média anual do CURT (2,56%); sem esse significativo crescimento da produtividade, o aumento da PWLI teria impulsionado o CURT, que teria crescido 4,7% a.a.

Palavras-chave

agronegócio, produtividade do trabalho, custo unitário do trabalho, preços relativos

Referências

Arbache, J. (2015). Produtividade no setor de serviços. In F. De Negri & L. R. Cavalvante (Eds.), Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes (Vol. 2, pp. 277-300).

Banco Central do Brasil – BCB. Departamento Econômico – DEPEC. (2018). SGS: Sistema Gerenciador de Séries Temporais. Retrieved in 2018, March 27, from https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries

Barbosa Filho, F. D. H., & Pessôa, S. D. A. (2014). Pessoal ocupado e jornada de trabalho: uma releitura da evolução da produtividade no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 68(2), 149-169.

Barros, A. L. M. D. (1999). Capital, produtividade e crescimento da agricultura: o Brasil de 1970 a 1995 (Doctoral dissertation). Universidade de São Paulo.

Barros, G. S. C. (2016). Medindo o crescimento do agronegócio: bonança externa e preços relativos. In J. E. R. Vieira-Filho & J. G. Gasques (Eds.), Agricultura, transformação produtiva e sustentabilidade (Cap. 8, pp. 219-250). Brasília: IPEA.

Barros, G. S. C., & Castro, N. R. (2020). Exportações do agronegócio: faturamento e taxação cambial (Vol. 1). Piracicaba: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada.

Barros, G. S. C., Carrara, A. F., Silva, A. F., & Castro, N.R. (2020). Agronegócio e inflação (Vol. 1, No. 1). Piracicaba: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada.

Bonelli, R. & Veloso, F. (2012). Rio de Janeiro: crescimento econômico e mudança estrutural. In A.C. Pinheiro & F. Veloso (Eds.), Rio de Janeiro: um estado em transição Rio de Janeiro: FGV.

Bonelli, R., & Bacha, E. L. (2011). Crescimento brasileiro revisitado. In F. Veloso, P. C. Ferreira, F. Giambiagi & S. Pessôa (Eds.), Desenvolvimento Econômico: uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Campus.

Brasil. Ministério do Trabalho e Educação – MTE. (2017). Relação anual de informações sociais. Brasília: MTE. Retrieved in 2018, September 10, from http://bi.mte.gov.br/bgcaged/login.php/

Brigatte, H., & Teixeira, E. C. (2011). Determinantes de longo prazo do produto e da Produtividade Total dos Fatores da agropecuária brasileira no período 1974-2005. Revista de Economia e Sociologia Rural, 49(4), 815-836.

Buainain, A. M., Alves, E., Silveira, J. M. D., & Navarro, Z. (2013). Sete teses sobre o mundo rural brasileiro. Revista de Política Agrícola, 22(2), 105-121.

Carvalheiro, N. (2003). Uma decomposição do aumento da produtividade do trabalho no Brasil durante os anos 90. Revista de Economia Contemporânea, 7(1), 81-109.

Castro, N. R., Barros, G. S. A. D. C., Almeida, A. N., Gilio, L., & Morais, A. C. D. P. (2020). The Brazilian agribusiness labor market: measurement, characterization, and analysis of income differentials. Revista de Economia e Sociologia Rural, 58(1).

Castro, N. R., Barros, G. S.C, Almeida, A. N., Gilio, L., & Morais, A. C.P (2017). Mercado de trabalho e rendimentos no agronegócio de Minas Gerais. Revista de Economia e Agronegócio, 15(3).

Cavalcante, L. R., & De Negri, F. (2014). Evolução recente dos indicadores de produtividade no Brasil. In F. De Negri & L. R. Cavalvante (Eds.), Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes (Cap. 5, pp. 143-172). Brasília: IPEA.

Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – CEPEA. (2017). Metodologia: PIB do agronegócio brasileiro: base e evolução. Piracicaba.

Ellery Junior, R. (2014). Desafios para o cálculo da produtividade total dos fatores. In F. De Negri & L. R. Cavalvante (Eds.), Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes (Cap. 2, pp. 53-86). Brasília: IPEA.

Freitas, R. E. (2014). Produtividade agrícola no Brasil. In F. De Negri & L. R. Cavalvante (Eds.), Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes (Cap. 12, pp. 373-410). Brasília: IPEA.

Fuglie, K. O., Wang, S. L., & Ball, V. E. (Eds.). (2012). Productivity growth in agriculture: an international perspective. CABI.

Galeano, E., & Feijó, C. (2013). A estagnação da produtividade do trabalho na indústria brasileira nos anos 1996-2007: análise nacional, regional e setorial. Nova Economia, 23(1), 9-50.

Gasques, J. G., Bastos, E. T., Valdes, C., & Bacchi, M. R. P. (2012a). Produtividade da agricultura brasileira e os efeitos de algumas políticas. Revista de Política Agrícola, 21(3), 83-92.

Gasques, J. G., Bastos, E. T., Valdes, C., & Bacchi, M. R. P. (2012b). Total factor productivity in Brazilian agriculture. In K. O. Fuglie, S. L Wang & V. E. Ball (Eds.), Productivity growth in agriculture: an international perspective (pp. 145-160).

Guilhoto, J. J. M., & Sesso Filho, U. A. (2005). Estimação da matriz insumo-produto à partir de dados preliminares das contas nacionais. Economia Aplicada, 9(2), 277-299.

Guilhoto, J. J. M., & Sesso Filho, U. A. (2010). Estimação da matriz insumo-produto utilizando dados preliminares das contas nacionais: aplicação e análise de indicadores econômicos para o Brasil em 2005. Economia & Tecnologia, 23, 53-62.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015). Nota técnica: principais diferenças metodológicas entre as pesquisas PME, PNAD e PNAD contínua. Rio de Janeiro.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017a). Contas nacionais trimestrais. Retrieved in 2018, September 10, from http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/pib/defaultcnt.shtm

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017b). Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA. Retrieved in 2018, September 10, from https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/snipc/ipca/tabelas/brasil/fevereiro-2018

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017c). Pesquisa industrial mensal: produção física. Retrieved in 2018, September 10, from https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pim-pf-brasil/tabelas

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017d). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. Retrieved in 2018, September 10, from http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2015/default.shtm

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. (2020). IPEAdata – salário mínimo real. Retrieved in 2020, March 27, from http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx

Jacinto, P. D. A., & Ribeiro, E. P. (2015). Crescimento da produtividade no setor de serviços e da indústria no Brasil: dinâmica e heterogeneidade. Economia Aplicada, 19(3), 401-427.

Maia, A. G., & Sakamoto, C. S. (2014). A nova configuração do mercado de trabalho agrícola brasileiro. In O mundo rural no Brasil do século 21 (pp. 591-620).

Mello, P. H. S., & Barbosa Filho, F. H. (2014). Nota sobre o custo unitário do trabalho no Brasil (Nota Técnica IPEA, No. 56).

Organization for Economic Co-Operation and Development – OECD. (2010). OECD manual: measuring productivity.

Pastore, A. C., Gazzano, M., & Pinotti, M. C. (2012). Por que a produção industrial não cresce desde 2010. In O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Rezende, G. C. D (2006). Políticas trabalhista, fundiária e de crédito agrícola no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 44(1), 47-78.

Silva, A. M., Carvalho, A. Y., Rocha, B. F. F. D., & Bevilaqua, G. S. (2017). Modelagem da Relação entre a Inflação do Consumidor e a Inflação do PIB (Carta de Conjuntura, 16 p.). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Squeff, G. C. (2012). Desindustrialização: luzes e sombras no debate brasileiro (Texto para Discussão, No. 1.747). Brasília: IPEA.

Veloso, F. A., Matos, S. M., Ferreira, P. C., & Coelho, B. P. (2017). O Brasil em comparações internacionais de produtividade: uma análise setorial. In R. Bonelli, F. Veloso & A. C. Pinheiro (Eds.), Anatomia da produtividade no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier: FGV/IBRE.
 


Submetido em:
08/02/2020

Aceito em:
18/02/2021

6116a866a953952b14538425 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections