Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2021.245689
Revista de Economia e Sociologia Rural
Artigo Original

Desagrarização e agrarização da agricultura familiar em Salvador das Missões - Rio Grande do Sul

Deagrarianization and agrarianization of family farming in Salvador das Missões - Rio Grande do Sul

Vanderlei Franck Thies; Marcelo Antonio Conterato

Downloads: 24
Views: 1008

Resumo

Resumo: O presente artigo discute o processo de diferenciação social dos agricultores familiares utilizando o conceito de desagrarização. O objetivo é identificar a ocorrência de processos de desagrarização ou agrarização e analisar as implicações desses processos na diferenciação de agricultores familiares em Salvador das Missões (RS), Brasil. Para tal, propõe o Índice de Agrarização Familiar (IAF) como indicador síntese desses processos. A pesquisa teve caráter histórico e comparativo, com dados primários obtidos junto ao mesmo grupo de famílias, nos anos de 2003 e 2018. A amostra foi do tipo sistemática por comunidade e os dados foram obtidos com auxílio de questionário semiestruturado. Os resultados revelam que o processo de desagrarização envolve maior número de famílias e é mais intenso que o processo de agrarização, demarcando expressiva diferenciação das famílias ao longo do tempo. O IAF mostrou-se efetivo como indicador desses processos e introduz na literatura brasileira, de forma mais sistemática, a perspectiva da desagrarização/agrarização na análise das trajetórias das famílias agricultoras.

Palavras-chave

desagrarização, agrarização, agricultura familiar, diferenciação social no meio rural, pluriatividade

Abstract

Abstract: This article discusses the processes of social differentiation of family farmers using the concept of deagrarianization. It aims to identify the occurrence of deagrarianization and agrarianization processes and to analyze the implications of these processes in the family farming differentiation in Salvador das Missões (RS), Brasil. To this end, it proposes the Family Agrarianization Index (IAF) as an summary indicator for these processes. The research was historical and comparative, with primary data obtained from the same group of families, in the years 2003 and 2018. The sample was of the systematic type by community and the data were obtained with a semi-structured questionnaire. The results reveal that the deagrarianization process involves a larger number of families and is more intense than the agrarianization process, demarcating a significant differentiation of families over time. The IAF proved to be effective as an indicator of these processes and introduces into Brazilian literature, in a more systematic way, the perspective of agrarianization / deagrarianization in the analysis of the trajectories of farming families.
 

Keywords

deagrarianization, agrarianization, family farming, social differentiation in rural areas, pluriactivity

Referências

Alatrista, S. L. (2019). Desagrarización del empleo femenino rural y tiempos de trabajo en el Perú. Investigaciones Sociales, 22(42), 223-243.

Alves, E., & Rocha, D. P. (2010). Ganhar tempo é possível. In J. Gasques, J. E. R. Vieira Filho & Z. Navarro (Orgs.), A agricultura brasileira: desempenho recente, desafios e perspectivas (pp. 275-291). Brasília: IPEA/MAPA.

Anjos, F. S., & Caldas, N. V. (2005). O futuro ameaçado: o mundo rural face aos desafios da masculinização, do envelhecimento e da desagrarização. Ensaios FEE, 26(1), 661-694.

Anjos, F. S., & Caldas, N. V. (2007). Sob o efeito da desagrarização: agricultura familiar e pluriatividade no Rio Grande do Sul. Estudos Sociedade e Agricultura, 15(2), 310-339.

Anjos, F. S., Caldas, N. V., & Pollnow, G. E. (2014). Menos mulheres, menos jovens, mais incertezas: a transição demográfica no Brasil rural meridional. Revista Extensão Rural, 21(2), 94-116.

Aquino, J., Gazolla, M., & Schneider, S. (2018). Dualismo no campo e desigualdades internas na Agricultura Familiar Brasileira. Revista de Economia e Sociologia Rural, 56(1), 123-142.

Bacha, C. J. C., Stege, A. L., & Harbs, R. (2016). Ciclos de preços de terras agrícolas no Brasil. Revista de Política Agrícola, 4, 18-37.

Banchirigah, S. M., & Hilson, G. (2010). De-agrarianization, re-agrarianization and local economic development: re-orientating livelihoods in African artisanal mining communities. Policy Sciences, 43, 157-180.

Becker, C., & Anjos, F. S. (2015). São os mercados institucionais da agricultura familiar um instrumento para o desenvolvimento rural? Estudo de caso em municípios do sul do Brasil. Revista de la Facultad de Agronomía, 114(1), 143-152.

Belik, W. (2015). O financiamento da agropecuária brasileira no período recente: texto para discussão (62 p.). Brasília: IPEA.

Black, C. (2015). Preços de commodities, termos de troca e crescimento econômico brasileiro nos anos 2000. Indic. Econ. FEE, 42(3), 27-44.

Boscardin, M., & Spanevello, R. M. (2019). A importância da aposentadoria rural para agricultores familiares sem sucessores no norte do Rio Grande do Sul: o caso do município de Frederico Westphalen. Estudo & Debate, 26(2), 35-51.

Bowen, S. (2011). The importance of place: re-territorialising embeddedness. Sociologia Ruralis, 51(4), 325-348.

Bryceson, D. F. (1996). Deagrarianization and rural employment in sub-Saharan Africa: a sectoral perspective. World Development, 24(1), 97-111.

Bryceson, D. F. (2018). Deagrarianization and depeasantization in Africa: tracing sectoral transformation and rural income diversification. In T. Binns, K. Lynch & E. Nel (Orgs.), Handbook of African Development. (pp. 368-377). Abingdon: Routledge.

Bryceson, D. F. (2019). Gender and generational patterns of African deagrarianization: evolving labor and land allocation in smallholder peasant household farming, 1980-2015. World Development, 113, 60-72.

Buainain, A. M., Alves, E., Silveira, J. M., & Navarro, Z. (2013). Sete teses sobre o mundo rural brasileiro. Revista de Política Agrícola, Brasília, 22(2), 105-121.

Camarano, A. A., & Abramovay, R. (1999). Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos. Rio de Janeiro: IPEA.

Collantes, J. C. A. (2002). Desagrarización del caseiro y abandono forestal. Estudios Vascos, 16, 11-30.

Conterato, M. A. (2004). A mercantilização da agricultura familiar no Alto Uruguai/RS: um estudo de caso no município de Três Palmeiras (Dissertação de mestrado). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Conterato, M. A. (2008). Dinâmicas regionais do desenvolvimento rural e estilos de agricultura: uma análise a partir do Rio Grande do Sul (Tese de doutorado). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Diniz, J. D. A., & Cerdan, C. (2017). Produtos da sociobiodiversidade e cadeias curtas: aproximação socioespacial para uma valorização cultural e econômica. In M. Gazolla & S. Schneider (Orgs.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas. Negócios e mercados da agricultura familiar (pp. 259-280). Porto Alegre: UFRGS.

Escalante, R., Catalán, H., Galindo, L. M. L., & Reyes, O. (2007). Desagrarización en México: tendencias actuales y retos hacia el futuro. Cuadernos de Desarrollo Rural, 4, 87-116.

Escher, F., Schneider, S., Scarton, L. M., & Conterato, M. A. (2014). Caracterização da pluriatividade e dos plurirrendimentos da Agricultura Brasileira a partir do Censo Agropecuário. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(04), 643-668.

Favareto, A., & Berdegue, J. (2018). Mudanças globais e locais - implicações para o futuro do enfoque territorial do desenvolvimento rural em América Latina. In M. E. V. Perafan, C. Grisa, I. Tartaruga & C. A. Ramirez-Miranda (Orgs.), Gestão e dinâmicas em desenvolvimento territorial (pp. 29-54). Curitiba: Editora DRV.

Fernandes, B. M. (2018). Regimes alimentares, impérios alimentares, soberanias alimentares e movimentos alimentares. Revista Latinoamericana de Estudios Rurales, 04, 188-209.

Fra, M. M. P. (2016). O espaço rural, recurso ou problema? O caso das áreas rurais galegas. Revista de Extensão e Estudos Rurais, 5(1), 21-32.

Fritz, E. R., Oliveira, S. V., Andreatta, T., & Lago, A. (2018). A análise do mercado de terras no estado do Rio Grande do Sul. In Anais do 3° Seminário de Jovens Pesquisadores em Economia e Desenvolvimento. Santa Maria: UFSM. Recuperado em 23 de novembro de 2019, de http://coral.ufsm.br/seminarioeconomia/images/anais_2015/Anlise-do-Mercado-de-Terras-do-Estado-do-Rio-Grande-do-Sul.pdf

Garcés, C. R., Yissi, M. J. F., & Muñoz, J. A. S. (2017). Demographic and labor market transformations in rural areas of Chile. Acta Agronomica, 66(2), 200-206.

Gazolla, M., & Schneider, S. (2013). Qual “fortalecimento” da agricultura familiar? uma análise do Pronaf crédito de custeio e investimento no Rio Grande do Sul. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(1), 46-70.

Grammont, H. C. (2009). La desagrarización del campo mexicano. Convergencia, 50, 13-55.

Grando, M. A. (2012). Um retrato da agricultura familiar gaúcha. Indic. Econ. FEE, 39(4), 159-176.

Grisa, C., & Schneider, S. (2015). Três gerações de políticas públicas para a agricultura familiar e formas de interação entre sociedade e Estado no Brasil. In C. Grisa & S. Schneider (Orgs.), Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil (pp. 19-50). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Grupo de Estudos e Pesquisas em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural – GEPAD. (2004). Agricultura familiar, desenvolvimento local e pluriatividade no Rio Grande do Sul: a emergência de uma nova ruralidade (AFDLP). Porto Alegre: GEPAD.

Guanziroli, C. H., & Vinchon, K. (2019). Agricultura familiar nas regiões serrana, norte e noroeste fluminense: determinantes do processo de geração de renda. Revista de Economia e Sociologia Rural, 57(3), 353-367.

Guanziroli, C. H., Buainain, A. M., & Sabbato, A. (2012). Dez anos de evolução da agricultura familiar no Brasil: (1996 e 2006). Revista de Economia e Sociologia Rural, 50(2), 351-370.

Guedes, A. C., Cazella, A. A., & Capelesso, A. J. (2018). O arrendamento de terras no Brasil: subsídios para políticas públicas. Revista Grifos, 44, 104-125.

Gutiérrez, F. C. (2007). La desagrarización de la sociedad rural española, 1950-1991. Historia Agraria, 42, 251-276.

Gutiérrez, F. C., & Martín, R. D. (2006). La demografía importa: convergencia y cambio estructural por defecto en las regiones y provincias españolas, 1959-1999. Revista Latinoamericana de Economia, 37(146), 147-168.

Hein, A. F., & Silva, N. L. S. (2019). A insustentabilidade na agricultura familiar e o êxodo rural contemporâneo. Estudos Sociedade e Agricultura, 27(2), 394-417.

Hernández, D. G., & Sánchez, I. V. (2010). Desagrarización cultural, agricultura urbana y resistencias para la sustentabilidade. PH CUADERNOS, 51-71.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2000). Censo Demográfico de 2000. Recuperado em 14 de dezembro de 2019, de https://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/estado/divisao-geopolitica-do-rs/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2010). Censo Demográfico de 2010. Recuperado em 14 de dezembro de 2019, de https://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/estado/divisao-geopolitica-do-rs/.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2017). Censo Agropecuário 2017. Recuperado em 15 de outubro de 2019, de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017.

Kageyama, A. A., Bergamasco, S. M. P. P., & Oliveira, J. T. A. (2013). Uma tipologia dos estabelecimentos agropecuários do Brasil a partir do Censo de 2006. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(1), 105-122.

Leite, S. P. (2020). Ruralidades, enfoque territorial e políticas públicas diferenciadas para o desenvolvimento rural brasileiro: uma agenda perdida? Estudos Sociedade e Agricultura, 28(1), 227-254.

Lima, A. J. P., Basso, N., Neumann, P. S., Santos, A. C., & Müller, A. G. (1995). Administração da unidade de produção familiar: modalidades de trabalho com agricultores. Ijuí: Editora UNIJUÍ.

Long, N. (2007). Sociología del desarrollo: una perspectiva centrada en el actor. México: Ciesas.

Long, N., & Ploeg, J. D. V. D. (2011). Heterogeneidade, ator e estrutura: para a reconstituição do conceito de estrutura. In S. Schneider & M. Gazolla (Orgs.), Os atores do desenvolvimento rural: perspectivas teóricas e práticas (pp. 21-48). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Lui, G. H. (2013). Transição de modos de vida rurais na Amazônia brasileira: uma perspectiva longitudinal sobre diversificação da renda, atividades agrícolas e uso da terra entre pequenos produtores (Tese de doutorado). Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Universidade de São Paulo, Piracicaba.

Maia, A. G. (2014). O esvaziamento demográfico rural. In A. M. Buainain, E. Alves, J. M. Silveira & Z. Navarro (Orgs.), O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola (pp. 1081 – 1099). Brasília: EMBRAPA.

Maia, A. G., & Buainain, A. M. (2015). O novo mapa da população rural brasileira. Confins, (25), 1-26.

Manona, C. (1999). De-agrarianisation and the urbanisation of a rural economy: agrarian patterns in Melani village in the Eastern Cape: working paper (50 p.). Leiden: Afrika Studie Centrum.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Metodologia científica. São Paulo: Editora ATLAS.

Musatto, R. M., & Santos, R. A. (2016). Pluriatividade na agricultura familiar na comunidade Palmeirinha no município de Itapejara d’Oeste – PR. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, 11(24), 124-155.

Niederle, P. A. (2007). Mercantilização, estilos de agricultura e estratégias reprodutivas dos agricultores familiares de Salvador das Missões, RS. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Niederle, P. A. (2013). Indicações geográficas: Qualidade e origem nos mercados alimentares. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Niederle, P. A., Fialho, M. A. V., Conterato, M. A. (2015). A pesquisa sobre Agricultura Familiar no Brasil – aprendizagens, esquecimentos e novidades. RESR, 52(1), 9-24.

Niederle, P. A., & Wesz Júnior, V. J. (2018). As novas ordens alimentares. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Picolotto, E. L. (2011). As mãos que alimentam a nação: agricultura familiar, sindicalismo e política (Tese de doutorado). Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Ploeg, J. D. V. D. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Ploeg, J. D. V. D. (2017). Differentiation: old controversies, new insights. The Journal of Peasant Studies, 45(3), 489-524.

Pontili, R. M., Staduto, J. A. R., & Henrique, J. S. (2015). Uma discussão do desenvolvimento rural sob o enfoque da participação da população trabalhadora do meio rural em atividades agrícolas e não agrícolas. Ciências Sociais em Perspectiva, 14(26), 196-215.

Preiss, P. V., & Schneider, S. (2020). Sistemas alimentares no século XXI: debates contemporâneos. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Quintanal, H. S., & Fuente, Í. G. (2013). Nueva ruralidad. Procesos sociolaborales y desagrarización de uma sociedad local en México (1980-2010). Gazeta de Antropología, 29, 1-14.

Rehder, A., Déhu, C. B. M., Rogna, M., Hasan, M. K., Wæver, S. K., & Gebremedhin, T. T. (2011). Intensification of agriculture and deagrarianization: final report (96 p.). Chiang Mai: Interdisciplinary Land Use and Natural Resources Management.

Rigg, J., & Nattapoolwat, S. (2001). Embracing the global in Thailand: activism and pragmatismo in na era of deagrarianization. World Development, 29(6), 945-960.

Rocha Júnior, A. B., Silva, R. O., Peterle Neto, W., & Rodrigues, C. T. (2020). Efeito da utilização de assistência técnica sobre a renda de produtores familiares do Brasil no ano de 2014. Revista de Economia e Sociologia Rural, 58(2), 1-16.

Sabourin, E., Samper, M., & Sotomayor, O. (2015). Políticas públicas y agriculturas familiares en América Latina y el Caribe: nuevas perspectivas. San José: IICA.

Sakamoto, C. S., Nascimento, C. A., & Maia, A. G. (2016). As famílias pluriativas e não agrícolas no rural brasileiro: condicionantes e diferenciais de renda. Revista de Economia e Sociologia Rural, 54(3), 561-582.

Schneider, S. (2003). Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(51), 99-121.

Schneider, S. (2009). Agricultura familiar e desenvolvimento rural endógeno: elementos teóricos e um estudo de caso. In J. M. Froehlich & V. Diesel (Orgs.), Desenvolvimento Rural: tendências e debates contemporâneos (pp. 19-67). Ijuí: Unijuí.

Schneider, S. (2016). Mercados e agricultura familiar. In F. C. Marques, M. A. Conterato & S. Schneider (Orgs.), Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural (pp. 93-140). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Schneider, S., Conterato, M. A., Koppe, L. R., & Silva, C. C. (2006). A pluriatividade e as condições de vida dos agricultores familiares do Rio Grande do Sul. In S. Schneider (Org.), A diversidade da agricultura familiar (pp. 139-166). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Silva, J. (2001). Velhos e novos mitos do rural brasileiro. Estudos Avançados, 15(43), 37-50.

Silveira, F. G. (2017). O trabalho agrícola no boom do agronegócio e na expansão das políticas públicas para a pequena agricultura. Mercado de Trabalho, 63, 28-38.

Souza, R. P., & Buainain, A. M. (2013). A competitividade da produção de leite da agricultura familiar: os limites da exclusão. Estudos Sociedade e Agricultura, 21(2), 308-331.

Spanevello, R., Matte, A., Andreatta, T., & Lago, A. (2017). A problemática do envelhecimento no meio rural sob a ótica dos agricultores familiares sem sucessores. Desenvolvimento Em Questão, 15(40), 348-372.

Swensson, L. F. J. (2019). Programas institucionais de aquisição de alimentos e organizações de produtores: catalisadores para a transformação de sistemas de abastecimento de alimentos de pequenos produtores. Redes, 24(1), 30-44.

Thies, V. F. (2020). Desagrarização e concentração produtiva: análise longitudinal das trajetórias da agricultura familiar nas Missões do RS (Tese de doutorado). Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Thies, V. F. (2021). Transformações demográficas e nas estratégias de trabalho: uma abordagem longitudinal da agricultura familiar em Salvador das Missões – Rio Grande do Sul. Redes, 26, 1-19.

Vázquez, F. P., & Mazariegos, J. V. (1991). La implicación de la mujer en la agricultura familiar: apuntes sobre el proceso de desagrarización en España. Politics & Society, 9, 15-28.

Villwock, A. P. S. (2018). Meios de via e renda: uma pesquisa em painel de agricultores familiares do sudoeste do Paraná (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Villwock, A. P. S., & Perondi, M. A. (2017). Análise dos indicadores socioeconômicos de diferentes estratos de renda da agricultura familiar de Itapejara D’Oeste-PR. Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias, 2(2), 1-23.
 


Submetido em:
17/11/2020

Aceito em:
21/09/2021

62027f61a9539552f5161c75 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections