Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2022.258921
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

A dinâmica da agricultura familiar no Vale do Jequitinhonha mineiro e aspectos contemporâneos: uma análise a partir dos Censos Agropecuários de 2006 e 2017

The dynamics of family farming in the Jequitinhonha Valley of Minas Gerais and contemporary aspects: an analysis of the 2006 and 2017 Agricultural Censuses

Tomás de Faria Balbino; Eduardo Magalhães Ribeiro; Simone de Faria Narciso Shiki

Downloads: 0
Views: 92

Resumo

Este artigo analisa características e mudanças na agricultura familiar do Vale do Jequitinhonha nas primeiras décadas do século XXI, tendo como parâmetros a relação desse grupo com a economia rural da região e suas estratégias de reprodução ao longo do período, observando aspectos agropecuários contemporâneos na região. Utiliza-se, para isso, da conciliação de informações colhidas na pesquisa bibliográfica e nos dados censitários. Os resultados apontam para uma queda relativa no número de estabelecimentos da agricultura familiar, acompanhada por uma grande diversidade de estratégias para obtenção de meios de vida, marcadas pela produção, autoconsumo e venda de produtos alimentícios, assim como por estratégias coletivas de ocupação e acesso a programas públicos. Percebe-se, também, a diminuição da participação da renda oriunda da produção vegetal e o aumento da participação da aposentadoria rural no portfólio de receitas das famílias.

Palavras-chave

Vale do Jequitinhonha, Censo Agropecuário, agricultura familiar, meios de vida

Abstract

Abstract: This article analyzes characteristics and changes in family farming in the Jequitinhonha Valley in the first decades of the 21st century, having as parameters the relationship of this group with the rural economy of the region and its reproduction strategies over the period, observing aspects of the contemporary rural area in the region. For this, it is used the conciliation of information collected in the bibliographic research and in the census data. The results point to a relative decrease in the number of family farming establishments, accompanied by a great diversity of strategies for obtaining livelihoods, marked by the production, self-consumption and sale of food products, as well as collective strategies of occupation and access to programs. public. We can also see a decrease in the share of income from vegetable production and an increase in the share of rural retirement in the income portfolio of families.
 

Keywords

Jequitinhonha Valley, Census of Agriculture, family farming, livelihood

Referências

Aquino, J. R., Gazolla, M., & Schneider, S. (2018). Dualismo no campo e desigualdades internas na Agricultura Familiar Brasileira. Revista de Economia e Sociologia Rural, 56(1), 123-142.

Assis, T. R. P. (2005). Organizações locais e desenvolvimento territorial em Minas Gerais (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Augusto, H. A. (2003). Aposentadorias rurais e desenvolvimento local: o caso de Medina, no médio Jequitinhonha (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Borges, D. M. L., Araujo, V. M., Ribeiro, E. M., Cruz, M. S., & Santos, L. R. (2020). A comercialização de produtos do agroextrativismo em feiras livres do Alto Jequitinhonha. Revista Campo-Território, 15(36), 325-356.

Brasil. (2006). Lei Nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11326.htm

Brasil. (2017). Decreto Nº 9.064, de 31 de maio de 2017. Dispõe sobre a Unidade Familiar de Produção Agrária, institui o Cadastro Nacional da Agricultura Familiar e regulamenta a Lei Nº 11.326, de 24 de julho de 2006, que estabelece as diretrizes para a formulação da política Nacional da Agricultura Familiar e empreendimento familiares rurais. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9064.htm

Calixto, J. S., Ribeiro, E. M., Galizoni, F. M., & Macedo, R. L. G. (2013). Eucaliptais: trabalho, terra e geração de renda em três décadas de reflorestamentos no Alto Jequitinhonha. In E. M. Ribeiro (Org.), Sete estudos sobra a agricultura familiar do Vale do Jequitinhonha (pp. 91-108). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Camargo, R. A. L., & Oliveira, J. T. A. (2012). Agricultura familiar, multifuncionalidade da agricultura e ruralidade: interfaces de uma realidade complexa. Ciência Rural, 42(9), 1707-1714.

Candido, A. C. (2017). Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo, SP: Editora USP.

Chambers, R., & Conway, G. R. (1992, Outubro 1). IDS discussion paper 296. Sustainable rural livelihoods: pratical concepts for the 21st century. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://opendocs.ids.ac.uk/opendocs/handle/20.500.12413/775

Coraggio, J. L. (2000). Da economia dos setores populares à economia do trabalho. In G. Kraychete, F. Lara & B. Costa (Orgs.), Economia dos setores populares: entre a realidade e a utopia (pp. 91-133). Petrópolis: Vozes.

Correia, P. O. (2021). Fontes, consumo e gestão de energia na produção de alimentos das unidades familiares do Alto Jequitinhonha (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais/Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros.

Cruz, M. S., Ribeiro, E. M., Perondi, M. A., Araujo, A. M., & Maltez, M. A. P. F. (2022). Comprando qualidade: costume, gosto e reciprocidade nas feiras livres do Vale do Jequitinhonha. Revista de Economia e Sociologia Rural, 60(Spe), e245926.

Cruz, M. S., Ribeiro, E. M., Perondi, M. A., Oliveira, D. C., & Costa, H. M. (2020). Agricultura familiar, feiras livres e feirantes do Alto Jequitinhonha. Revista Campo-Território, 15(35), 90-120.

Ellis, F. (1999). Rural livelihood diversity in developing countries: evidence and policy implications. Natural Resource Perspectives, 40, 1-10.

Fundação João Pinheiro – FJP. (2017). Plano de desenvolvimento para o Vale do Jequitinhonha. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://www.ufmg.br/polojequitinhonha/material/plano-de-desenvolvimento-para-o-vale-do-jequitinhonha/

Galizoni, F. M., Ribeiro, E. M., Lima, V. M. P., Gomes, N. M., & Silva, E. P. F. (2020). Vozes da seca: lavradores, mediadores e poder público frente à estiagem no semiárido do Jequitinhonha mineiro. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 55, 54-74.

Galizoni, F. M., Ribeiro, E. M., Lima, V. M. P., Santos, I. F., Chiodi, R. E., Lima, A. L. R., & Ayres, E. C. B. (2008). Hierarquias de uso de águas nas estratégias de convívio com o semi-árido em comunidades rurais do Alto Jequitinhonha. Revista Economica do Nordeste, 45(2), 132-152.

Garcia Júnior, A. R. (1983). Terra de trabalho: trabalho familiar de pequenos produtores. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garcia Júnior, A. R. (1991). O sul, caminho do roçado. São Paulo: Marco Zero.

Grossi, M. (2019). Algoritmo para a delimitação da Agricultura Familiar no Censo Agropecuário 2017, visando a inclusão de variável no banco de dados do censo, disponível para ampla consulta. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://sidra.ibge.gov.br/Content/Documentos/CA/Metodologia%20Agricultura%20familiar%20(IBGE)%20DelGrossi%20final%205jun2019.pdf

Grossi, M., Florido, A. C. S., Rodrigues, L. F. P., & Oliveira, M. S. (2019). Comunicação de pesquisa: delimitando a agricultura familiar nos censos agropecuários brasileiros. Revista do Núcleo de Estudos de Economia Catarinense, 8(16), 40-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2012a). Censo Agropecuário 2006. Segunda apuração. Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv61914.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2012b). Censo demográfico. Sobre. Famílias e domicílios. IBGE. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9662-censo-demografico-2010.html?edicao=14881&t=sobre

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2015). Malha municipal. IBGE. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/malhas-territoriais/15774-malhas.html?edicao=27415&t=acesso-ao-produto

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2019a). Censo Agropecuário 2017: resultados definitivos. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3096/agro_2017_resultados_definitivos.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2019b). SIDRA – Censo Agropecuário 2017: resultados definitivos. Recuperado em 10 de agosto de 2022, de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2019c). Produção Agrícola Municipal (PAM). IBGE. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pam/tabelas

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2020). Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS). IBGE. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=774

Leite, S. P., & Bruno, R. (2019). O rural brasileiro na perspectiva do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://institucional.ufrrj.br/portalcpda/files/2019/11/LEITE-SP_BRUNO-R_2019_O_Rural_brasileiro_ebook.pdf

Lima, V. M. P. (2013). Secas e s’águas: alterações na dinâmica da água no alto Jequitinhonha. In: F. M. Galizoni (Org.), Lavradores, águas e lavouras (pp. 163-184). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Loli, D. A., Lima, R. S., & Silochi, R. M. H. Q. (2019). Mulheres em contextos rurais e segurança alimentar e nutricional. Segurança Alimentar e Nutricional, 27, e020008.

Mendonça, K. C., Ribeiro, E. M., Galizoni, F. M., & Augusto, H. A. (2013). Formação, sucessão e migração: trajetórias de duas gerações de agricultores do Alto Jequitinhonha, Minas Gerais. Revista Brasileira de Estudos de População, 30(2), 445-463.

Moura, M. M. (2019). Os deserdados da terra: a lógica costumeira e judicial dos processos de expulsão e invasão da terra camponesa no sertão de Minas Gerais (2ª ed.). Curitiba: Brazil Publishing.

Nascimento, C. A., Aquino, J. R., & Delgrossi, M. E. (2022). Tendências recentes da agricultura familiar no Brasil e o paradoxo da pluriatividade. Revista de Economia e Sociologia Rural, 60(3), e240128.

Noronha, A. G. B. (2003). O tempo de ser, fazer e viver: modo de vida de populações rurais tradicionais do Alto Jequitinhonha, MG (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Oliveira, M. F., Mendes, L., & Van Herk Vasconcelos, A. C. (2021). Desafios à permanência do jovem no meio rural: um estudo de caso em Piracicaba-SP e Uberlândia-MG. Revista de Economia e Sociologia Rural, 59(2), e222727.

Pereira, V. G., & Ribeiro, E. M. (2014). Novos padrões de migração entre agricultores familiares reassentados do alto Jequitinhonha, MG. Organizações Rurais & Agroindustriais, 16, 62-75.

Polanyi, K. (2012). A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro: Contraponto.

Ribeiro, E. M. (2013a). Sete estudos sobre a agricultura familiar do Vale do Jequitinhonha. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Ribeiro, E. M. (2013b). Estradas da vida: terra e trabalho nas fronteiras agrícolas do Jequitinhonha e Mucuri, Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Ribeiro, E. M. (2019). Do engenho à mesa: cultura material e indústria rural na agricultura familiar do Jequitinhonha mineiro. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Ribeiro, E. M., Ayres, E. B., Galizoni, F. M., Almeida, A. F., & Pereira, V. G. (2014). Programas sociais, mudanças e condições de vida na agricultura familiar do Vale do Jequitinhonha mineiro. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(2), 365-386.

Schneider, S. (2009). A pluriatividade na agricultura familiar (2ª ed.). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Scoones, I. (1998, Janeiro 1). IDS working paper 72. Sustainable rural livelihoods: a framework for analysis. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://www.ids.ac.uk/publications/sustainable-rural-livelihoods-a-framework-for-analysis/

Sen, A. K. (2000). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Servilha, M. M. (2008). As relações de trocas materiais e simbólicas no mercado municipal de Araçuaí. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Silva, E. F. (2019). As metamorfoses da chapada (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais/Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros.

Silva, J. G. (2002). O novo rural brasileiro (2ª ed.). Campinas: UNICAMP. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://www.eco.unicamp.br/colecao-pesquisa/o-novo-rural-brasileiro#:~:text=O%22novo%20rural%22%2C%20como,que%20gira%20em%20torno%20da

Silva, J. L., Ribeiro, E. R., Lima, V. M. P., & Heller, L. (2020). As secas no Jequitinhonha: demandas, técnicas e custos do abastecimento no Semiárido de Minas Gerais. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 22, e202013.

Silva, W., & Galizoni, F. (2020). Educação do campo e a construção de trajetórias de jovens rurais no Alto Jequitinhonha, MG. Revista Diálogos e Perspectivas em Educação, 2(1), 185-200. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://periodicos.unifesspa.edu.br/index.php/ReDiPE/article/view/1267

Tubaldini, M. S., & Diniz, R. (2011). Gênero, agricultura familiar e (re)organização do espaço rural em comunidades quilombolas de Minas Novas e Chapada do Norte – Vale Do Jequitinhonha/MG/Brasil. Revista Geográfica de América Central, 2(47E), 1-18. Recuperado em 10 de outubro de 2022, de https://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2321

Vieira, J. P. L., Bahiense, D. V., & Silva, S. M. (2019). Produção acadêmica sobre sucessão rural e agricultura familiar: uma análise do contexto brasileiro do período (2003-2018). Extensão Rural, 26(2), 89-103.

Woortmann, E. F., & Woortmann, K. (1997). O trabalho da terra: a lógica e a simbólica da lavoura camponesa. Brasília: Editora UnB.
 


Submetido em:
07/12/2021

Aceito em:
10/10/2022

6399e2d3a953950c1578a803 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections