Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2023.270700pt
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Comercialização nas feiras da agricultura familiar: um estudo de caso sobre a estrutura desses canais

Commercialization in family farming fairs: a case study on the structure of these channels

Sueny Pinhel Miranda; Rubia Cristina Wegner; Anelise Dias

Downloads: 0
Views: 183

Resumo

As feiras da agricultura familiar em bases agroecológicas são canais de venda direta de grande importância para o abastecimento local. Desse modo, é imprescindível tecer formas de avaliar e acompanhar a sua evolução. No presente estudo de caso, aplicou-se uma metodologia para a análise da comercialização na Feira da Agricultura Familiar (FAF), realizada no Campus Seropédica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Objetivou-se analisar o faturamento bruto e a sazonalidade da oferta e da demanda dos produtos na FAF e relacionar esses fatores com a produção agroecológica na baixada fluminense; e demonstrar e compreender as relações entre oferta, preços e vendas dos produtos. Para isso, realizou-se uma revisão de literatura sobre circuitos curtos e formas de comercialização da agricultura familiar e analisaram-se dados de 1.664 relatórios de comercialização, autopreenchidos pelos feirantes no período de 2017 a 2019. Os resultados permitem concluir que (i) os agricultores inseridos nas FAF não são meros tomadores de preços; (ii) o faturamento bruto é influenciado pela sazonalidade da demanda e da oferta; (iii) os efeitos da sazonalidade são impactantes sobre a oferta e as vendas, mas reduzidos com baixa volatilidade de preços; (iv) a oferta é diversificada e os itens apresentam substitutos próximos dentro de uma mesma categoria de produtos.

Palavras-chave

agroecologia, circuitos curtos de comercialização, sistemas agroalimentares localizados, produto orgânico

Abstract

Fairs of family farming on agroecological bases are direct sales channels of great importance for local supply. Thus, it is essential to devise ways to evaluate and monitor their evolution. In the present case study, a methodology was applied to analyze commercialization at the Family Agriculture Fair (FAF) held at the Seropédica Campus of the Federal Rural University of Rio de Janeiro (UFRRJ). The objective of this study was to analyze gross sales and the seasonality of the supply and demand of products in the FAF, relate these factors to agroecological production in the Baixada Fluminense, and both demonstrate and understand the relationships among the supply, prices and sales of products. A literature review was conducted on the short circuit and commercialization forms of family farming, and data from 1,664 marketing reports, selfcompleted by market traders from 2017 to 2019, were analyzed. The results allow us to conclude that (i) the stallholders farmers at FAF are not mere price takers; (ii) gross sales are influenced by the seasonality of demand and supply; (iii) the effects of seasonality have an impact on supply and sales but are reduced with low price volatility; and (iv) the offers are diversified, and the items have close substitutes within the same product category.

Keywords

agroecology, short marketing circuits, localized agri-food systems, organic products

Referências

Alentejano, P. (2005). A evolução do espaço agrário fluminense. GEOgrafia, 13, 49-70. Recuperado em 10 de fevereiro de 2024, de https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13501

Anderson, C. R., Bruil, J., Chappell, M. J., Kiss, C., & Pimbert, M. P. (2019). From transition to domains of transformation: getting to sustainable and just food systems through agroecology. Sustainability, 11(19), 5272. http://dx.doi.org/10.3390/su11195272

Angulo, J. L. G. (2003). Mercado local, produção familiar e desenvolvimento: estudo de caso da feira de Turmalina, Vale do Jequitinhonha, MG. Organizações Rurais & Agroindustriais, 5(2), 96-109.

Araujo, A. M., & Ribeiro, E. M. (2018). Feiras, feirantes e abastecimento: uma revisão da bibliografia brasileira sobre comercialização nas feiras livres. Estudos Sociedade e Agricultura, 26(3), 561-583. http://dx.doi.org/10.36920/esa-v26n3-4

Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro – ABIO. (2024). Recuperado em 10 de fevereiro de 2024, de https://abiorj.org

Brandão, J. B., Schneider, S., Zen, H. D., & Silva, G. P. (2020). Os mercados de hortifrúti em Santa Maria (RS)-um estudo sobre os tipos de produtores e os canais de comercialização. Redes. Revista do Desenvolvimento Regional, 25(2), 433-460. http://dx.doi.org/10.17058/redes.v25i2.14323

Carvalho, H., Guamieri, P., Del Grossi, M., & Pedroso, M. T. M. (2019). Variação estacional e margem de comercialização dos preços do tomate de mesa pagos aos produtores e comercializados aos consumidores no Brasil, no período de 2013 a 2017. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças. Recuperado em 10 de fevereiro de 2024, de https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/1109630

Cassol, A. P. (2018). Instituições sociais e mercados alimentares tradicionais: barganha, preços, variedade, qualidade e consumo em feiras (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Cassol, A., & Schneider, S. (2015). Produção e consumo de alimentos: novas redes e atores. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 95, 143-180.

Cassol, A., & Schneider, S. (2021). A imersão social da economia em mercados alimentares brasileiros: uma abordagem institucionalista. Revista de Economia e Sociologia Rural, 60, e233766.

Cazane, A. L., Machado, J. G. D. C. F., & Sampaio, F. F. (2014). Análise das feiras livres como alternativa de distribuição de frutas, legumes e verduras (FLV). Informe Gepec, 18(1), 119-137.

Chiffoleau, Y., & Dourian, T. (2020). Sustainable food supply chains: is shortening the answer? A literature review for a research and innovation agenda. Sustainability, 12(23), 9831. http://dx.doi.org/10.3390/su12239831

Chiffoleau, Y., Akermann, G., & Canard, A. (2017). Les circuits courts alimentaires, un levier pour une consommation plus durable: Le cas d’un marché de plein vent. Terrains & Travaux, 31, 157-177. http://dx.doi.org/10.3917/tt.031.0157

Cruz, M. S., & Schneider, S. (2022). Feiras alimentares e mercados territoriais: a estrutura e o funcionamento das instituições de ordenamento das trocas locais. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, 42(1), 93-113.

Darolt, M. R. (2013). Circuitos curtos de comercialização de alimentos ecológicos: reconectando produtores e consumidores. In P. A. Niederle, L. Almeida & F. M. Vezzani (Eds.), Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura (pp. 139-170). Curitiba: Kairós.

Deggerone, Z. A., & Schneider, S. (2022). Os canais de comercialização utilizados pelos agricultores familiares em Aratiba–RS. Organizações Rurais & Agroindustriais, 24, e1892-e1892.

Faulin, E. J., & Azevedo, P. D. (2003). Distribuição de hortaliças na agricultura familiar: uma análise das transações. Informações Econômicas, 33(11), 24-37.

Ferreira, A. S., & Coelho, A. B. (2017). O papel dos preços e do dispêndio no consumo de alimentos orgânicos e convencionais no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 55, 625-640.

Filgueira, F. A. R. (2012). Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças (3. ed., 418 p.). Viçosa: UFV.

Fonseca, J. S., Martins, G., & Toledo, G. L. (2000). Estatística aplicada. São Paulo: Atlas SA.

Gaia, J. A., da Silva Gomes, A., de Oliveira, A. D. S., de Souza, B. G., Wanderley, T. M., & Longo-Silva, G. (2022). Alimentos em feiras agroecológicas e orgânicas são mais caros que convencionais em supermercados? Revista Brasileira de Agroecologia, 17(3), 176-191.

Gazolla, M. (2012). Conhecimentos, produção de novidades e ações institucionais: cadeias curtas das agroindústrias familiares (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Gazolla, M., & Schneider, S. (2017). Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: Negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Gliessman, S. R. (2001). Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Ed. Editora da UFRGS.

Marsden, T., & Banks, J. (2017). Uma réplica ao artigo: “Compreendendo as redes alimentares alternativas: o papel de cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural”. In S. Schneider & M. Gazolla (Eds.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas: negócios e mercados da agricultura familiar (pp. 27-52). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Mendes, J. T. G., & Padilha, J. B. (2007). Agronegócio uma abordagem econômica. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Monteiro, B. L., Tabai, K. C., Portilho, E. S., Bezerra, I. G. C., Pinto, M. A. M., Fernandez, P. S. C., Majerowicz, N., Mello, G. A. B., Bilheiro, L. C. R., & Dias, A. (2019). Reflexões sobre políticas de fortalecimento da agricultura familiar e segurança alimentar e nutricional no município de Seropédica-RJ. In Agroecologia: debates sobre a sustentabilidade (pp. 1-13). Ponta Grossa: Atena Editora. http://dx.doi.org/10.22533/at.ed.9931924071

Mundler, P., Ferrero, J. M., Jan, A., & Thomas, R. (2008). Petites exploitations diversifiées en circuits courts: soutenabilité sociale et économique. Lyon: Isara.

Nascimento, F. G., & Bispo, J. D. S. G. (2020). Etnomatemática: explorando a linguagem matemática na comercialização dos produtos agrícolas na feira livre de Ouriçangas-BA. Revista Fatec de Tecnologia e Ciências, 5(1), 1-25.

Paschoal, A. D. (2019). Pragas, agrotóxicos e a crise ambiente: problemas e soluções. São Paulo: Expressão Popular.

Pereira, L. S., Soldati, G. T., Duque-Brasil, R., Coelho, F. M. G., & Schaefer, C. E. G. (2017). Agrobiodiversidade em quintais como estratégia para soberania alimentar no semiárido norte mineiro. Ethnoscientia-Brazilian Journal of Ethnobiology and Ethnoecology, 2(1), 1-25. http://dx.doi.org/10.22276/ethnoscientia.v2i1.40

Pino, F. A. (2014). Sazonalidade na agricultura. Revista de Economia Agrícola, 61(1), 63-93.

Raud-Mattedi, C. (2005). A construção social do mercado em Durkheim e Weber: análise do papel das instituições na sociologia econômica clássica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20(57), 127-142. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092005000100008

Renting, H., Marsden, T., & Banks, J. (2017). Compreendendo as redes alimentares alternativas: o papel de cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural. In S. Schneider & M. Gazolla (Eds.), Cadeias curtas e redes agroalimentares alternativas–negócios e mercados da agricultura familiar (pp. 27-52). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Rover, O. J., & Darolt, M. R. (2021). Circuitos curtos de comercialização como inovação social que valoriza a agricultura familiar agroecológica. In M. R. Darolt & O. S. Rover (Eds.), Circuitos curtos de comercialização, agroecologia e inovação social (pp. 19-43). Florianópolis: Estúdio Semprelo. Recuperado em 10 de fevereiro de 2024, de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/229738/circuitos_curtos.pdf?sequence=1#page=19

Sabourin, E., Thomas, S., Egret, L., & De Avila, M. L. (2014). Inovação social na comercialização de produtos orgânicos e agroecológicos da agricultura familiar no Distrito Federal. Sustentabilidade em Debate, 5(3), 98-119. Recuperado em 10 de fevereiro de 2024, de https://periodicos.unb.br/index.php/sust/article/view/15651

Santos, R. H., Malacoski, F. C. F., de Alencar Schiavi, S. M., & de Souza, J. P. (2022). Cadeia de frutas, verduras e legumes no Brasil: uma revisão bibliográfica sobre as transações e estruturas de governança. Organizações Rurais & Agroindustriais, 24, e1883-e1883.

Schneider, S. (2010). Reflexões sobre diversidade e diversificação. Revista Ruris, 4(1), 85-131.

Souza, M. C. M. D. (2000). Produtos orgânicos. In D. Zylbersztajn & M. F. Neves (Eds.), Economia e gestão dos negócios agrolimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária, distribuição (pp. 385-400). São Paulo: Pioneira.

Souza, R. S. D., Arbage, A. P., Neumann, P. S., Froehlich, J. M., Diesel, V., Silveira, P. R., Silva, A., Corazza, C., Baumhardt, E., & Lisboa, R. S. (2008). Comportamento de compra dos consumidores de frutas, legumes e verduras na região central do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, 38(2), 511-517.

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ. Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar. (2024a). Recuperado em 23 de março de 2024, de https://institucional.ufrrj.br/agroecologia/

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ. (2024b). Fazendinha Agroecológica Km 47: Parceria Colégio Técnico da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Embrapa Agrobiologia, Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro e Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro). Recuperado em 23 de março de 2024, de https://institucional.ufrrj.br/fazendinha/

van der Ploeg, J. D. (2008). Camponeses e Impérios Alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalicação. Porto Alegre: UFRGS Editora.

Verano, T. C., Figueiredo, R. S., & Medina, G. S. (2021). Agricultores familiares em canais curtos de comercialização: uma análise quantitativa das feiras municipais. Revista de Economia e Sociologia Rural, 59(3), e228830. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9479.2021.228830

Vianna, M. D. A. (2020). As transformações no espaço rural no município de Seropédica-RJ nas últimas décadas. Espaço e Economia.Revista Brasileira de Geografia Econômica, 9(19), 1-20. http://dx.doi.org/10.4000/espacoeconomia.16651

Viegas, M. T., Rover, O. J., & Medeiros, M. (2017). Circuitos (não tão) curtos de comercialização e a promoção de princípios agroecológicos: um estudo de caso na região da grande Florianópolis. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 42, 370-384. http://dx.doi.org/10.5380/dma.v42i0.50759

Waquil, P. D., Miele, M., & Schultz, G. (2010). Mercados e comercialização de produtos agrícolas. Porto Alegre: UFRGS Editora.
 


Submetido em:
26/12/2022

Aceito em:
10/01/2024

66424a37a953952abb784de4 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections