Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/doi/10.1590/1806-9479.2023.274867
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

Agricultura familiar e programas de abastecimento de água no gerais do Alto-Médio rio São Francisco, Minas Gerais

Eduardo Magalhães Ribeiro; Flávia Maria Galizoni; Gildarly Costa da Cruz; Keyty de Andrade Silva

Downloads: 0
Views: 282

Resumo

Resumo: Durante quase três séculos o “gerais” do Alto-Médio rio São Francisco foi ocupado com sistemas de produção adaptados às chapadas, veredas e brejos. As tomadas de terras comuns, desmates e drenagens estimuladas pela “modernização agrícola” dos anos 1970 reduziram drasticamente as fontes e o acesso às águas, e então as secas passaram a afetar o abastecimento doméstico e produtivo. Este artigo analisa a travessia da “grande seca” de 2011/2019 em três comunidades do gerais, investigando programas públicos, abastecimento de água e produção agrícola na perspectiva da população rural. A metodologia foi referenciada na classificação local de agroambientes, usando grupos focais, entrevistas com lideranças comunitárias e famílias amostradas segundo diferentes composições. Conclui que o desaparecimento das condições históricas de acesso aos recursos levou a população a rearranjar a agricultura e o consumo de água. Vivendo novas situações, a lembrança da abundância de terras e águas é a inspiração para reivindicar, negociar e adequar programas públicos à cultura e às necessidades das comunidades.

Palavras-chave

semiárido, secas, programas públicos, agricultura, convívio com o clima

Referências

Acselrad, H. (2004). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Aleixo, B., Rezende, S., Pena, J. L., Zapata, G., & Heller, L. (2016). Direito humano em perspectiva: desigualdades no acesso à água em uma comunidade rural do nordeste brasileiro. Ambiente & Sociedade, 19(1), 63-82.

Alves, M. O., Bursztyn, M., & Chacon, S. S. (2015). Ação coletiva e delegação de poder no Semiárido Nordestino: papel de lideranças locais e assessores externos numa comunidade rural. Revista de Economia e Sociologia Rural, 53(3), 409-432.

Andrade, M. (1964). Terra e homem no Nordeste. São Paulo: Brasiliense.

Aquino, J. R., & Lacerda, M. A. D. (2014). Magnitude e condições de reprodução econômica dos agricultores familiares pobres no Semiárido Brasileiro: evidências a partir do Rio Grande do Norte. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(1), 167-188.

Aquino, J. R., & Nascimento, C. A. (2020). A grande seca e as fontes de ocupação e renda das famílias rurais no Nordeste do Brasil. Rev. Econ. Ne, 51(2), 81-97.

Araújo, V. M., Ribeiro, E. M., & Reis, R. P. (2010). Águas no rural do semiárido mineiro: uma análise das iniciativas para regularizar o abastecimento em Januária. Organizações Rurais & Agroindustriais, 12(2), 219-233.

Assis, T. R. P. (2012). Sociedade civil e a construção de políticas públicas na região semiárida brasileira: o caso do Programa Um Milhão de Cisternas Rurais. Revista de Políticas Públicas, 16(1), 179-189.

Balbino, T. F., Ribeiro, E. M., & Shiki, S. F. N. (2023). A dinâmica da agricultura familiar no Vale do Jequitinhonha mineiro e aspectos contemporâneos: uma análise a partir dos Censos Agropecuários de 2006 e 2017. Revista de Economia e Sociologia Rural, 61(4), e258921. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9479.2022.258921

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes.

Boelens, R. (2013). Cultural politics and the hydrosocial cycle: water, power and identity in the Andean highlands. Geoforum, 57, 234-247. http://dx.doi.org/10.1016/j.geoforum.2013.02.008

Boelens, R., Hoogesteger, J., Vos, J., & Wester, P. (2016). Hydrosocial territories: a political ecology perspective. Water International, 41(1), 1-14. http://dx.doi.org/10.1080/02508060.2016.1134898

Brandão, C. R. (1986). O ardil da ordem. Campinas: Papirus.

Brandão, C. R. (2007). Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Society and Culture, 10(1), 11-27.

Brasil, H. O. (1977). De Contendas a Brasília de Minas. Belo Horizonte: São Vicente.

Braz, B. (1977). São Francisco nos caminhos da história. Belo Horizonte: Lemi.

Brewis, A., Rosinger, A., Wutich, A., Adams, E., Cronk, L., Pearson, A., Workman, C., & Yong, S. (2019). Water sharing, reciprocity, and need: a comparative study of interhousehold water transfers in sub‐Saharan Africa. Economic Anthropology, 6(2), 208-221. http://dx.doi.org/10.1002/sea2.12143

Campos, J. N. B. (2014). Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, 28(82), 65-88.

Carvalho, L. (2018). Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia.

Correia, A. I. (2010). Januária. In E. M. Ribeiro (Ed.), Histórias dos gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Cruz, G., Ribeiro, E. M., Araújo, V. M., & Assis, T. R. P. (2020). A seca no cotidiano: agricultura familiar e estiagem em comunidades rurais do gerais de Januária. Estudos Sociedade e Agricultura, 28(3), 700-720.

Dayrell, C. A. (2000). Os geraizeiros descem as serras. In C. Luz & C. A. Dayrell (Eds.), Cerrado e desenvolvimento: tradição e atualidade (pp. 189-272). Montes Claros: CAA/NM.

De Vos, H., Boelens, R., & Bustamente, R. (2006). Formal law and local water control in the andean region: a fiercely contested field. International Journal of Water Resources Development, 22(1), 37-48. http://dx.doi.org/10.1080/07900620500405049

Delgado, G. (2008). Reforma tributária e suas implicações para os direitos sociais - Seguridade Social (Carta Social e do Trabalho, Tributação, Equidade e Financiamento da Política Social, No. 8). Campinas: Cesit-IE-Unicamp.

Diegues, A. C. (2007). Água e cultura nas populações tradicionais brasileiras. In I Encontro Internacional: Governança da Água. São Paulo: NUPAUB/USP.

Durham, E. R. (1973). A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Perspectiva.

Galizoni, F. M. (2005). Águas da vida: população rural, cultura e água em Minas Gerais (Tese de doutorado). Unicamp, Campinas.

Galizoni, F. M. (2013). Lavradores, águas e lavouras. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Galizoni, F. M., & Ribeiro, E. M. (2011). Bem comum e normas costumeiras: a ética das águas em comunidades rurais de Minas Gerais. Ambiente & Sociedade, 14(1), 77-94.

Galizoni, F. M., Ribeiro, E. M., Lima, V. M. P., Gomes, N. P., & Silva, E. P. F. (2020). “Vozes da seca”: lavradores, mediadores e poder público frente à estiagem no semiárido do Jequitinhonha mineiro. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 55, 54-74.

Galizoni, F. M., Ribeiro, E. M., Noronha, A. B., Silvestre, L. H., & Reis, R. P. (2010). Água dos gerais. In E. M. Ribeiro (Ed.), Histórias dos gerais. (pp. 235-260). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Grisa, C., & Schneider, S. (2014). Três gerações de políticas públicas para a agricultura familiar e formas de interação entre sociedade e estado no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(1), 125-146.

Gualdani, C., & Sales, M. (2016). Tecnologias sociais de convivência com o Semiárido e a racionalidade camponesa. Sustentabilidade em Debate, 7, 86-99.

Hamlin, C. (2000). Waters or Water? - master narratives in water history and their implications for contemporary water policy. Water Policy, 2(4), 313-325.

Jepson, W., Budds, J., Eichelberger, L., Harris, L., Norman, E., O’Reilly, K., Pearson, A., Shah, S., Shinn, J., Staddon, C., Stoler, J., Wutich, A., & Young, S. (2017). Advancing human capabilities for water security: a relational approach. Water Security, 1, 46-52. http://dx.doi.org/10.1016/j.wasec.2017.07.001

Linton, J., & Budds, J. (2013). The hydrosocial cycle: defining and mobilizing a relational-dialectical approach to water. Geoforum, 57, 170-180.

Macedo, J. N. (1952). As fazendas de gado do Vale do São Francisco. Rio de Janeiro: Serviço de Informações Agrícolas.

Mattos, L. C., & May, P. (2020). Duas secas climaticamente análogas no semiárido nordestino com impactos sociais distintos. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 55, 28-53.

Medeiros, C. P. (2011). No rastro de quem anda: comparações entre o tempo do Parque e o hoje em um assentamento no noroeste mineiro. (Tese de doutorado). Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro.

Menezes, D. (1937). O outro nordeste. Rio de Janeiro: José Olympio.

Ojima, R. (2013). Urbanização, dinâmica migratória e sustentabilidade no semiárido nordestino: o papel das cidades no processo de adaptação ambiental. Cadernos Metrópole, 15(29), 35-54.

Pereira, A. E. (2004). Memorial Januária: terra, rios e gente. Belo Horizonte: Mazza Edições.

Ribeiro, E. M. (2010). As histórias dos gerais. In E. M. Ribeiro (Ed.), Histórias dos gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Ribeiro, E. M., & Galizoni, F. M. (2003). Água, população rural e políticas de gestão: o caso do vale do Jequitinhonha, Minas Gerais. Ambiente & Sociedade, 5(2), 129-146.

Ribeiro, E. M., Ayres, E. B., Galizoni, F. M., Almeida, A. F., & Pereira, V. G. (2014). Programas sociais, mudanças e condições de vida na agricultura familiar do vale do Jequitinhonha mineiro. Revista de Economia e Sociologia Rural, 52(2), 365-386.

Sabourin, E. (2020). Clientelismo e participação nas políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 58(4), e217798. http://dx.doi.org/10.1590/1806-9479.2020.217798

Santos, A. J., Souza, J. B., Matos, G. R., Pacheco, J. M. S., & Viana, A. L. (2010). Terra, lavouras e criações no rio dos Cochos. In E. M. Ribeiro (Ed.), Histórias dos gerais. (pp. 157-188). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Santos, M. G. (2010). Manoel Gonzaga dos Santos. In E. M. Ribeiro (Ed.), Histórias dos gerais. (pp. 113-139). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Shiva, V. (2006). Guerras por água: privatização, poluição e lucro. São Paulo: Radical.

Sigaud, L. (1992). O caso das grandes barragens. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(7), 53-73.

Silva, J. L., Ribeiro, E. M., Lima, V. M. P., & Heller, L. (2020). As secas no Jequitinhonha: demandas, técnicas e custos do abastecimento no semiárido de Minas Gerais. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 22, http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202013

Silva, R. M. A. (2006). Entre o combate à seca e a convivência com o Semiárido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento (Tese de Doutorado). Centro de Desenvolvimento Sustentável/Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Teixeira, C. T. M., & Pires, M. L. L. (2017). Análise da relação entre produção agroecológica, resiliência e reprodução social da agricultura familiar no Sertão do Araripe. Revista de Economia e Sociologia Rural, 55(1), 47-64.

Vasconcelos, M. B. (2014). Poços para captação de águas subterrâneas: revisão de conceitos e proposta de nomenclatura. In Anais do XVIII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. Belo Horizonte: Associação Brasileira de Águas Subterrâneas.

Wutich, A., Budds, J., Jepson, W., Harris, L. M., Adams, E., Brewis, A., Cronk, L., DeMyers, C., Maes, K., Marley, T., Miller, J., Pearson, A., Rosinger, A. Y., Schuster, R. C., Stoler, J., Staddon, C., Wiessner, P., Workman, C., & Young, S. (2018). Water sharing across cultures: gifts, exchanges, and other transfers between households. WIREs. Water, 5(6), e1309. http://dx.doi.org/10.1002/wat2.1309

Yates, J. S., Harris, L. M., & Wilson, N. J. (2017). Multiple ontologies of water: politics, conflict and implications for governance. Environment and Planning. D, Society & Space, 35(5), 1012-1034. http://dx.doi.org/10.1177/0263775817700395

Zwarteveen, M., & Boelens, R. (2011). La investigación interdisciplinaria referente a la temática de “justicia hídrica”. In R. Boelens (Eds.), Justicia hídrica, acumulación, conflicto y acción social. Lima: Instituto de Estudios Peruanos.
 


Submetido em:
17/05/2023

Aceito em:
13/01/2024

65ef5652a95395516f649de3 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections