Revista de Economia e Sociologia Rural
https://revistasober.org/article/5ea0bda20e8825d72cc84923
Revista de Economia e Sociologia Rural
ARTIGO ORIGINAL

CUSTO SOCIAL DA DEPREDAÇÃO FLORESTAL NO PARÁ: O CASO DA CASTANHA-DO-BRASIL

ANTÔNIO CORDEIRO DE SANTANA; AHMAD SAEED KHAN

Downloads: 0
Views: 543

Resumo

Este trabalho apresenta as causas do processo de depredação da castanha-do-brasil, avalia a distribuição de seus efeitos para sociedade e especula sobre o futuro do extrativismo. A técnica desenvolvida por Lindner & Jarrett e modificada por Rose é utilizada para medir os custos sociais. Os resultados mostram que os consumidores são os mais afetados pela destruição das castanheiras, porém a sociedade como um todo perde. Mostra também que a extração deste recurso natural tende para exaustão, a continuar a depredação. Finalmente, conclui-se que os direitos de propriedade é fator limitante para essa atividade extrativa.

Palavras-chave

recurso natural, direitos de propriedade, extrativismo.

Referências

ALMEIDA, S.A. Análise das oportunidades de exportação de castanha-do-brasil. Brasília: SUPLAN/M.A., 1977. 105p.

BECKER, B.H. Geopolítica da Amazônia: a nova fronteira de recursos; Rio de Janeiro: Zahar, 1982. 233p.

BUNKER, G.S. Os programas de crédito e a desintegração não-intencional das economias extrativas de exportação no médio Amazonas do Pará. Pesquisa e Planejamento Econômico, v.12, n.1, p.231-260, 1982.

CUNHA, A.S. Economia dos recursos naturais: o caso do desmatamento na Amazônia. ln: BRANDÃO, A.S .P. (org.). Os principais problemas da agricultura brasileira: análise e sugestões. Rio de Janeiro: IPENINPES, 1988 p.181-239.

DIAS, C.V. Aspectos geográficos do comércio da castanha no médio Tocantins. Revista Brasilei- ra de Geografia.Rio de Janeiro, v.21, n.4, p.517-31, 1959.

DORNER, P. & EL-SHAFIE, M.A. Natural resource policies and economic development in an interdependent world. The University of Wisconsin Press, 1980. cap. 2.

DUCKER, A. Plantas de cultura precolombiana na amazônia brasileira; notas sobre as espécies ou formas espontâneas que supostamente lhes teriam dado origem. Boletim Técnico do IPEAN, n.8, p.2-24, 1946.

EMMI, M.F. Estrutura fundiária e poder local: o caso de Marabá. Belém: UFPNNAEA, 1985. 172p. (Dissertação de Mestrado).

FISHER, A.C. Resource and environmental economics. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.p.10-74.

FOREWAKER, J. A luta pela terra: a economia política da fronteira pioneira no Brasil de 1930 aos dias atuais. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. 315p.

GOMES, P .J.C. & CRUZ, O.A. de S. Estrutura agrária. Belém: Comissão Estadual de Planeja- mento Agrícola, 1979. v.4.

HOMMA, A.K.O. A extração de recursos naturais renováveis:·o caso do extrativismo vegetal na Amazônia. Viçosa: DER/UFV, 1989. 575p. (Tese de Doutorado).

- - - - . Reservas extrativas: uma opção de desenvolvimento viável para a Amazônia? ln: CON- GRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 282, Florianópolis, 1990. Anais... Brasília: SOBER, 1990a. p.155-176.

- - - - . Será possível Jl agricultura auto-sustentada na Amazônia? ln: SEMINÁRIO INTERNA- CIONAL DE POLITICA AGRÍCOLA, 22, Viço~, 1990. Resumo... Viçosa: DER/UFV, 1990b; 39p.

IBGE, Anuário estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1986.

- - - - . Censo agropecuário: Pará. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

JOHNSTON, J. Econometric methods. New York: McGraw-Hill, 1984.

KITAMURA, P.C..& MÜLLER, C.H. Castanhais nativos de Marabá, PA: fatores de depre- dação e bases para a sua preservação. Belém: EMBRAP A-CP A TU, 1984. 32p. (CP A TU. Do- cumentos, 30).

LINDNER, P;K. & JARRETT, F.G. Supoly shifts and the size of research benefits. American Journal of Agricultural Economics, v.60, n.1, p.48-58, 1978.

LOPEZ, J.A.; DIAZ, J.C. & LOPEZ, C.R. Observaciones sobre regeneración natural de especies fo- restales autóctonas a un aiio del incendio forestal en el parque nacional lago puelo - Província dê Chubut. Congresso Florestal Argentino, Santiago del Estero, v.4, n.l, p.208-213.

MADDALA, G.S. Econometrics. Singapore: McGraw-Hill, 1988. 516p.

NORTHON, G.W. & DAVIS, J.S. Evaluating returns to agricultura! research: areview. American Journal of Agricnltural Economics, v.63, n.4, p.685-699. 1981.

RODRIGUES, F.M. Estrutura e polftica do mercado de castanha-do-brasil. Viçosa: UFV/DER, 1978. 62p. (Dissertação de Mestrado).

ROSE, R.N. Supply shifts and research benefits: comments. American Jonmal of Agricnltnral Economics, v.62, n.2, p.834-37, 1980.

ROSENTHAL, E.P. Estudio del comportamiento frente el fuego de maderas comerciales. Congresso Florestal Argentino.Santiago del Estero, v.4, n.2, p.527-531, 1988.

SANTANA, A.C. Crescimento e estrutura da produção agrícola na Amazônia. Boletim da FCAP. Belém, n.17, p.57-78, 1988.

SANTANA, A.C. & KHAN, A.S. Análise sócio-econômica de pequenas unidades de produção em Santa Izabel do Pará. Revista de Economia e Sociologia Rnral, Brasília, v.28, n.2, p.255-274, 1990a.

_ _ _ _ . Estudo de pequenas unidades produtivas no município de Igarapé-Açu, Pará. ln: CON- GRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 28g, Florianópolis, 1990. Anais..• Brasflia: SOBER, 1990. p.384.

TIETENBERG, T.H. Environmental and natural resonrce economics. Boston: Scott, Fores- man and Company, 1988. cap. 3.

TUPIASSÚ, A. & OLIVEIRA, N.V.C. A castanha-do-brasil: estudos preliminares. Belém: IDESP, 1967.39p.

UHL,.C.; KAUFFMAN, J.B.; SIL V A, E.D. Os caminhos do fogo na Amazônia. Ciência Hoje, v.11, n.65, p.24-32, 1990.

VELHO, O.G. A lnta pela terra, frentes de expansões e estrntnra agriria: estudo do processo de penetração numa área da transamazônica. Rio de Janeiro: Zahar, 1972. l 78p.


Submetido em:
05/04/1991

Aceito em:
25/05/1992

5ea0bda20e8825d72cc84923 resr Articles
Links & Downloads

resr

Share this page
Page Sections